O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Semente: A base da lavoura tem que apresentar alta performance

Uso de algoritmos, tratamento superior e aumento na produtividade para ajudar o agricultor
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o Brasil terá recorde na produção de grãos, com destaque para a soja. Esse desempenho da oleaginosa começa pela escolha da melhor semente, que tenha tratamento superior, forneça aumento de produtividade, performance e alto vigor. Para as sucessivas conquistas, os agricultores brasileiros dispõem de soluções eficientes, que vão muito além da semente.

Se o nome do jogo é Qualidade & Produtividade, as ‘cartas’ para o quesito competitividade devem trazer o que o agricultor busca, isto é, ganhos na produção, uniformidade e velocidade, maior número de grãos por planta, assim como mais segurança e tranquilidade para produzir.

Empenhado em lidar com desafios, o fundador do Grupo ATTO, Odílio Balbinotti, chegou ao Mato Grosso em 1980 e, mesmo com os percalços da época, conseguiu produzir sementes de qualidade para uma então nova fronteira agrícola, no município de Alto Garças. Hoje, a holding proprietária da ATTO Sementes, com sede em Rondonópolis (MT), antiga Sementes Adriana, líder na produção de sementes de soja no Brasil com 40 anos de história na agricultura nacional, é presidida por Odilio Balbinotti Filho (desde 2003). E, além da semente de soja, passou a produzir sementes de milheto, crotalária, azevém e brachiaria, que plantam mais de 1,5 milhão de hectares no Brasil e mais oito países. Em setembro de 2019, o Grupo lançou a plataforma PlantUP, que vem contribuir com a tomada de decisão do agricultor, alinhada com o propósito de elevar sua competitividade sem o aumento de custos.

Esse exemplo vem ilustrar as novas premissas dos agricultores contemporâneos, que empreendem na qualidade, não só das sementes, mas de vários os recursos e soluções que surgem para auxiliar nas lavouras. “Nós investimos para minimizar o risco do agricultor, para dar segurança e ter mais tranquilidade para produzir. O produtor investe na fertilidade do solo, em máquinas modernas, e isso tudo pode ser comprometido se ele não tiver uma semente de alto padrão. A semente é a base da lavoura”, disse o diretor comercial do Grupo, Marcelo Laurente.

A empresa oferece, sistematicamente, algumas soluções tecnológicas que vêm não só auxiliando, mas conquistando os agricultores. Know-how para a produzir alta performance em sementes. O laboratório próprio, na Unidade Industrial, o primeiro credenciado pelo Ministério da Agricultura no Brasil, realiza mais de 30 mil testes por ano e possui algoritmos próprios para selecionar lotes de sementes de altíssimo vigor, que ajudam o agricultor acertar o estande de plantas e produzir mais e melhor, mesmo com as intempéries, como foi o caso da falta de chuva na safra 20/21.

Cada vez mais o agricultor está consciente da importância da qualidade da semente. Não é só a genética. A genética tem a carga dela, a semente também deve ter a qualidade fisiológica, para que saia uniforme, tenha uma arrancada boa e consiga expressar todo o potencial produtivo. São diversos trabalhos de pesquisa que mostram aumento de produtividade de até 35% em uma mesma genética, saindo de uma semente de qualidade inferior para superior”, afirma o presidente do Grupo ATTO, Odilio Balbinotti Filho.

Anualmente, os especialistas da empresa ouvem o mercado e analisam dados para determinar o melhor portfólio de cultivares. Hoje, são oferecidas mais de 30 opções, com genética dos obtentores: Brasmax, Monsoy, Nidera, Soytech, Syngenta e TMG.

Alta performance resulta em maior produtividade a campo

Entre as principais informações, está a alta performance, que resulta em maior produtividade a campo, na safra 19/20, nos trabalhos de lado a lado, as sementes ATTO produziram 3,46 sacas por hectare a mais que a mesma cultivar da marca concorrente. Além dos dados da empresa, vários estudos científicos comprovam que uma semente de alto vigor produz até 35% a mais quando comparado a uma semente de baixo vigor, isso se dá em função principalmente da maior velocidade de emergência, uniformidade e aumento do número de grãos por planta. 

Junto à performance, a empresa busca entregar precisão no plantio.  O IPA, índice exclusivo, calculado a partir de algoritmos, cruzando vários testes e baseado principalmente em vigor, se traduz em um índice para facilitar a vida do agricultor na hora de regular a plantadeiras. Com o IPA, o agricultor aumenta sua probabilidade de atingir o estande desejado mesmo em situações extremas. Na safra 20/21, o IPA médio de todos os lotes de sementes entregues pela ATTO foi de 96%, ou seja, a cada 100 sementes da ATTO, em média, vão se tornar plantas de alta performance 96%, bem acima dos padrões de germinação exigidos pela legislação. Com essa constatação, o agricultor tem informações precisas para melhor regular a plantadeira e ter o estande de plantas desejado. Com essa semente, não é necessário fazer teste de canteiro.

Calculado em planta

Outra solução da ATTO é o Plantha, único sistema que entrega plantas de alta performance por hectare, o que auxilia o agricultor a realizar a compra de forma precisa e facilitada. Dessa forma, o produtor evita sobras ou faltas expressivas de sementes, gerando economia, e tem a garantia de fechamento da área cultivada. O sistema garante simplicidade no planejamento da safra. “Nós somos a única empresa que vende plantas e isso só é possível porque temos o IPA que representa com bastante precisão o comportamento de cada lote de sementes. E isso é um benefício grande para o produtor já que sobrar ou faltar semente é um grande transtorno”, reforça Laurente.

A holding também desenvolveu o Escud, que é a solução em tratamento industrial de sementes, solução que gera proteção com eficiência e segurança. O tratamento industrial Escud garante a aplicação da dosagem correta de cada produto e uma excelente cobertura de toda a superfície da semente. O tratamento industrial é mais efetivo do que o feito na fazenda, além de máquinas de última geração estão envolvidas pessoas altamente capacitadas para garantir que a “receita” sairá com precisão.

Outra vantagem é a flexibilidade das ‘receitas’, são mais de 15 combinações, dando a possibilidade do agricultor escolher os produtos que melhor atendem a situação da sua lavoura.

Por fim, a empresa dispõe do Protege, para qualquer acidente na fase de implantação da lavoura. Sem custo adicional, caso necessite fazer o replantio, garante a reposição das sementes. “A ATTO Sementes viu essa dificuldade do agricultor e entendeu que era uma dor muito grande, então criamos o Protege, uma garantia estendida. Se por algum infortúnio ou insucesso, por praga ou condição climática, por exemplo, o produtor precise fazer o replantio, a ATTO entrega a semente para ele sem custo algum”, explica Balbinotti Filho. “Isso porque confiamos no vigor da nossa semente”, complementou.

Atualmente, o agricultor conta com uma gama de informações e soluções eficientes para, sem dúvida, alcançar a estimativa do IBGE e produzir nesta safra 262 milhões de toneladas, sendo 130 milhões somente com soja (aumento de 7,2% em relação à produção de 2020).

Fonte: Grupo ATTO