Internet 5G: uma ferramenta para o trabalho no campo

Na semana passada, o Brasil foi primeiro país latino-americano a realizar uma vídeo chamada com “5G puro”
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro das Comunicações, Fábio Faria, realizaram no dia 9 de abril, sexta-feira passada, a primeira ligação por vídeo utilizando a tecnologia 5G standalone, o “5G puro”. A vídeo chamada inédita na América Latina foi realizada da sede da Nokia, em São Paulo, para o Palácio do Planalto, em Brasília.

A vídeo chamada faz parte de uma série de demonstrações de fabricantes da tecnologia ao governo brasileiro. Esse primeiro teste ocorreu por meio da parceria do Ministério das Comunicações com a Embaixada da Finlândia e a Nokia Brasil. Para a ligação ocorrer com sucesso, o gabinete presidencial no Palácio do Planalto recebeu uma estrutura específica para a rede 5G.

O edital do 5G está em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e a previsão do leilão das radiofrequências é de que ocorra ainda este ano. Nele, as operadoras de telefonia vão disputar a compra de diferentes frequências e suas distribuições pelo Brasil. Outra previsão do Ministério das Comunicações é de que todas as capitais estarão com o 5G standalone até julho de 2022. Até lá, outras fabricantes de equipamentos que suportam a rede devem realizar demonstrações como a de hoje.

Impactos do 5G no campo

Devido ao fato de que a velocidade da transmissão de dados, tanto de entrada como de saída da rede, será muito maior com a implementação de 5G, inúmeras aplicações que exigem troca de informações em tempo real poderão ser utilizadas no campo com inteligência e respostas quase imediatas.

Assim, com 5G, robôs e mecanismos automatizados que transmitem dados e recebem comandos imediatos poderão ser desenvolvidos e implantados no trabalho agrícola. Imagine um robô que passa pelas linhas de cultura, capturando e enviando imagens e status da plantação, e que é capaz de identificar imediatamente qual o trato cultural a ser executado na plantação. Com a velocidade de transmissão de dados e baixa latência do 5G, a utilização desses robôs autônomos no campo passa a ser uma realidade, com todo o processamento e tomada de decisão sendo realizados pela própria máquina.

A tecnologia 5G também teria muita utilidade no monitoramento de animais, utilização de drones agrícolas e máquinas. O leque de possibilidades do uso da tech digital no campo fica muito maior com a implementação de uma rede 5G, permitindo que a propriedade rural possa ter um controle e monitoramento de processos de missão crítica em tempo real.

Na Inglaterra, por exemplo, vacas usam colares 5G que enviam dados a aplicativos sobre tudo o que fazem, desde alimentação até em que estado estão dormindo. Com isso, os agricultores podem ter toda informação instantaneamente e acompanhar os tratamentos com veterinários e nutricionistas. Isso permite que o gado seja monitorado, de forma que a detecção de doenças ou alterações de estado seja realizada com maior antecedência.

Em termos de máquinas autônomas, podemos ter tratores que semeiem o campo sem necessidade da ação humana ou mesmo máquinas que detectem quais as plantas invasoras existentes na plantação e tome a decisão de quais herbicidas aplicar.

Assim, o processo de tomada de decisão e execução do campo podem se tornar muito facilitados com o aumento de conectividade possível com redes 5G, tendendo a diminuir o risco e melhorando a produtividade e rentabilidade do campo.

Fonte: Equipe Agrovenki; apoio Mundo Conectado e organização Venturus

Relacionadas

Leia também