O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Inhame: cultivo bastante tradicional e com produção rentável

Conheça a história do Inhame São Bento, variedade que ganhou selo de indicação geográfica
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

A Região de São Bento de Urânia, na zona rural do município de Alfredo Chaves, se localiza no sul do Espírito Santo e mantém uma longa tradição de cultivo do tubérculo. Os produtores de lá são tão especialistas no assunto que criaram a própria variedade: o Inhame São Bento.

Além do sabor próprio e especial, o plantio do Inhame São Bento é mais produtivo do que o de outras variedades. E, por ser tão único, ganhou o selo de Indicação Geográfica. A variedade é registrada desde 2008 pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER) no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Mas, até se tornar referência nacional, o cultivo de inhame na região de São Bento de Urânia viveu uma longa história, que começa ainda no século XIX, por volta de 1887. No começo, o tubérculo era plantado em brejos, mas, ao longo do tempo, os produtores perceberam que terrenos secos eram mais favoráveis ao plantio e à colheita. O clima ameno e o solo arenoso também favorecem o cultivo. A temperatura da região varia de 2ºC no inverno a 30ºC no verão.

A área delimitada da Indicação de Procedência Região São Bento de Urânia para inhame abrange os municípios de Alfredo Chaves, Castelo, Domingos Martins, Marechal Floriano, Venda Nova do Imigrante e Vargem Alta, conforme laudo da delimitação da área.

Impacto na região

O inhame tem papel importante na economia e na cultura de São Bento de Urânia. A atividade é um importante fator de geração de emprego e renda para as famílias. Desde 2007, a comunidade realiza anualmente a Festa do Inhame, que comemora o início do ciclo da colheita. Há também uma governança local de instituições de apoio que auxiliam os produtores com boas práticas agrícolas, produtividade e qualidade.

Além do Espírito Santo, o Inhame São Bento também pode ser encontrado em outros estados como Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Cultura e Produção do inhame

Sendo uma cultura rústica, sem grandes exigências quanto ao manejo, a produção de inhame é considerada rentável. E são por estes e outros motivos que a hortaliça se destaca no mercado nacional, tendo como principais estados produtores ES, MG, GO e SP, responsáveis por cerca de 80% da produção. 

A produção orgânica também é um potencial adicional. As tendências de alimentação saudável tornam o inhame atrativo, já que o tubérculo colabora no fortalecimento do sistema imunológico e nas prevenções de doenças respiratórias e cardíacas, além de ser um aliado na perda de peso.

Originário do sudeste asiático, o inhame é plantado desde a antiguidade. Isso porque ele tem alto valor nutritivo e energético, com vitaminas e sais minerais. Esse tubérculo também é formado por grânulos pequenos, o que o torna um alimento de fácil digestão.

Mas, um dos principais entraves à cultura de inhame ainda é o baixo nível tecnológico. A maior parte dos produtores realiza a reprodução da raiz no próprio campo, a partir de partes do rizoma que não vão para a comercialização, fator que diminui muito a capacidade produtiva. Além disso, a comercialização é feita majoritariamente por meio de atravessadores, o que dificulta o acesso ao varejo de luxo e a grandes redes de supermercados.

Clima ideal – Melhor desenvolvimento em regiões de clima tropical (quente e úmido), já que o crescimento vegetativo necessita de alta incidência solar. No entanto, os solos devem ser bem drenados, pois o encharcamento leva ao apodrecimento ou brotação dos tubérculos.

Ciclo – A colheita ocorre a partir do 8º até o 12º mês após o plantio. No calendário de colheita, a melhor oferta se dá de maio a novembro.

Fonte: Hortifruti Brasil/Sebrae