O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Embalagem verde – natural e biodegradável

Feita com fibra de coco e mandioca, o produto será usado na exportação de mangas sem casca e sem caroço, prontinhas para consumir
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Em nome do meio ambiente, o SENAI e a trabalham na criação da ‘embalagem verde’, que é degrada em menos de seis meses após o descarte. O produto foi pensado, incialmente, como uma interessante alternativa para exportação de mangas, e a matéria-prima da embalagem é feita com fibra de coco e mandioca.

A ‘embalagem verde’ está associada à demanda de mercado por produtos mais práticos e saudáveis para consumo, além de maior integração junto às questões ambientais. Nada de plástico, papelão ou isopor. O projeto nasceu e se desenvolveu no Campus Integrado de Manufatura e Tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI CIMATEC), em Salvador. Uma iniciativa que figura no quadro de soluções tecnológicas do GestFrut, coordenado pela Embrapa Mandioca e Fruticultura (BA).

A pesquisadora do SENAI e líder do projeto, Bruna Machado, ressalta que o Estado da Bahia é um dos maiores produtores de manga. “Assim, a ideia surgiu para agregar valor e diferenciar a exportação da manga”, explica.

O projeto teve início em 2015 e finalizado no ano passado. Foram utilizados nanocristais da celulose, provenientes da fibra de coco e do amido de mandioca. O fruto e a raiz se tornaram assim a matéria-prima da embalagem, que é degradada em menos de seis meses após o descarte.

As pesquisas também tiveram a participação de Marina de Andrade, na época, aluna do Centro Universitário SENAI CIMATEC, do curso de Engenharia de Materiais e de Taynã Santana, que está finalizando o mesmo curso. De olho em um futuro mais saudável, Taynã espera que as embalagens ‘verdes’ tenham maior visibilidade e um dia possam substituir as sintéticas.

‘Embalagens verdes’

 O conceito da equipe que trabalha no projeto é de que as embalagens verdes são promissoras e revolucionárias. Isso porque, hoje, é possível desenvolver uma embalagem com insumos e matérias-primas naturais, com baixo custo e de qualidade equivalente aos modelos convencionais. “Esperamos que o mercado faça essa opção. Isso vai diminuir os impactos ambientais”.

A solução tecnológica deve ser estendida a outras frutas

Para o coordenador do GestFrut, Domingo Haroldo Reinhardt, pesquisador da Embrapa, o projeto gerou um ativo tecnológico importante, que se enquadra nas demandas atuais por produtos ambientalmente corretos.

“É biodegradável, usa resíduos e contribui para o consumo conveniente de fruta pronta para comer, reduzindo o desperdício. Com essas vantagens, cria boas perspectivas de viabilidade econômica, podendo atrair parceiros da iniciativa privada para concluir o processo de inovação”, avalia.

Sobre a parceria da Embrapa com o SENAI, Reinhardt considera que as duas instituições têm objetivos similares, com ênfase na geração e adaptação de inovações tecnológicas em benefício da sociedade brasileira.

“A Embrapa mais na área agropecuária, e o SENAI focado na indústria. Não basta gerar um novo produto tecnológico, ele precisa evoluir. A Embrapa tem contribuído muito para o fortalecimento da cadeia produtiva da manga, que se tornou a principal fruta fresca exportada pelo Brasil. O SENAI contribui com novas formas de agregação de valor ao produto manga — uma parceria perfeita”, finaliza.

Fontes: Senai e Embrapa

Fontes: SENAI e Embrapa