O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Em defesa da agricultura tropical brasileira

Ministra defende nossa agricultura em evento preparatório para a Cúpula das Nações Unidas sobre sistemas alimentares
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

No início da semana, em evento preparatório para a Cúpula das Nações Unidas Sobre Sistemas Alimentares, que será realizada em setembro, em Nova York, a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), defendeu a agricultura tropical brasileira como exemplo de produção altamente sustentável que pode ser exportado para outras regiões tropicais do mundo e criticou o movimento de países desenvolvidos.

Uma das frases de destaque da ministra foi: “O Brasil é o único país do mundo capaz de aumentar a produção de alimentos junto com a conservação dos recursos naturais.”

E seguiu: “Em vez do reconhecimento do papel da agricultura tropical como provedora de segurança alimentar e serviços ecossistêmicos, vemos a valorização desses conceitos excludentes e restritivos que buscam classificar como sustentáveis apenas as práticas agrícolas de países desenvolvidos, amparadas por vultosos subsídios que premiam a ineficiência.”

A ministra enumerou as várias transformações dos últimos 50 anos que revolucionaram a agricultura brasileira, como o plantio direto, a integração lavoura-pecuária-floresta, a realização de duas ou três safras por ano na mesma área, a preservação de 66% da área de mata nativa nacional e o fato de 46% da matriz energética brasileira ser composta de fontes renováveis.

“Apesar disso, temos sofrido ataques no cenário internacional. Busca-se rotular o Brasil como inimigo do meio ambiente. Ignora-se a queima de combustível fóssil de 200 anos dos países desenvolvidos e atribuiu-se ao desmatamento da Amazônia a responsabilidade pela mudança climática.”

Manoel Otero, diretor geral do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), disse que o Brasil é um dos principais atores da agricultura mundial, garantindo segurança alimentar e nutricional ao planeta. “O Brasil tem uma oportunidade de ouro de levar todo o conhecimento, tecnologia e inovação de sua agricultura tropical para os outros países da América do Sul.”

Celso Moretti, presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), também destacou que o Brasil criou um modelo de agricultura tropical sustentável movido à ciência e inovação sem paralelo no mundo, tanto que tornou possível a produção de carne carbono neutro. “Agora, em parceria com uma grande multinacional do setor lácteo, vamos produzir o leite de baixo carbono e a seguir, couro de baixo carbono e bezerro de carbono neutro.”

As lives da Semana Internacional da Agricultura Tropical (Agritrop) seguem até a próxima sexta (26/3). Além de discutir subsídios para a delegação brasileira levar para a cúpula em setembro, o evento presta um tributo ao ex-ministro da Agricultura e fundador da Embrapa, Alysson Paolinelli, indicado para o prêmio Nobel da Paz por sua contribuição ao desenvolvimento da agricultura tropical.

Paolinelli, cuja indicação tem o apoio de 24 países, disse que, em nenhum momento, o Brasil produziu tanto alimento como agora, de forma sustentável e com qualidade tão boa para alimentar 800 milhões de pessoas. “Apesar disso, pessoas ainda passam fome no mundo. É necessário um pacto social global para levar nosso modelo de agricultura tropical para regiões pobres do mundo, como África e partes da Ásia, a fim de prover a alimentação necessária da população e gerar renda.”

Fonte: Comunicação ABRA