O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Criado há 6 meses, IBEqui elege sua primeira Diretoria

Assembleia virtual reuniu filiados de todo Brasil, nesta segunda-feira (15/02); por unanimidade, Caco Auricchio (ABQM) foi indicado para presidir o Conselho de Administração
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Em meados de agosto de 2020, diversas associações equestres se uniram para elaborar um protocolo sanitário unificado, visando a realização de provas de diferentes modalidades e raças pelo Brasil. A iniciativa deu certo e logo mostrou que esta ligação seria fundamental para evidenciar o potencial econômico da Equideocultura no país, como grande geradora de empregos que é.

Nascia, assim, o Instituto Brasileiro de Equideocultura (IBEqui), em um contexto de incertezas relacionadas à pandemia de coronavírus (Covid-19) e atendendo a um pleito antigo de diversas entidades da cadeia produtiva do cavalo no país.

Na tarde desta segunda-feira (15/02), em votação histórica para o setor, o recém-criado instituto elegeu os membros de sua primeira Diretoria e seu Conselho de Administração e Fiscal, para o biênio 2021-2022.

Antes mesmo da criação e formalização do instituto, entre agosto e novembro de 2020, o IBEqui já vislumbrava atuação em cinco pilares: Assuntos Regulatórios; Cultura e Ações Sociais; Sanidade Animal; Segurança Jurídica e Bem-Estar Animal e Esportes Equestres. Sua missão é unir e fortalecer todos os elos da cadeia produtiva brasileira, por meio de diferentes atividades e iniciativas, a partir da fundamentação em estudos técnicos.

Dentre a composição eleita, Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio foi, por unanimidade, designado como o primeiro presidente do Conselho de Administração do instituto. A diretoria é composta por representantes das entidades de raças, modalidades, profissionais e correlatas. Veja a relação completa abaixo:

A união das raças como meta

“A união das raças era um desejo antigo e uma das metas, desde quando assumi a presidência da ABQM”, enfatiza Caco Auricchio, que é pecuarista, empresário e criador de cavalo da raça Quarto de Milha há mais de 20 anos. Dirigente institucional de outras entidades do setor da construção e mineração, o atual presidente do conselho do IBEqui defende uma cadeia produtiva uníssona: “Nossa bandeira é o cavalo e, juntos, podemos mostrar a real importância que temos na economia brasileira, nas articulações de políticas públicas e trazer mais segurança jurídica para desenvolvermos nossas atividades”.

Auricchio destaca ainda que o IBEqui pode ser a forma mais adequada de avanço da Equideocultura nacional. “Acredito, de verdade, que esse grupo pode transformar a forma como se vem trabalhando a Equideocultura no Brasil sob diversos aspectos, não só de sanidade, mas olhando também para o mercado e, acima de tudo, para os Esportes Equestres.”

Manuel Rossitto, com o incondicional apoio de todos os membros da Junta Administrativa, lideraram todo o processo de formalização da entidade. O agora presidente executivo do IBEqui lembra que o instituto já está com ações em andamento, como a atualização do ‘Estudo Complexo do Agronegócio do Cavalo’, o encaminhamento do ‘Passe Equestre’ para esfera nacional, entre outras. “Dentro de um curto espaço de tempo, tenho certeza de que o cavalo estará em outro patamar”, afirma Rossitto.

Siga o IBEqui nas redes sociais: /@institutoibequi
Acesse o nosso site: www.ibequi.com