Vermifugação é peça-chave para saúde dos cavalos

Sem aplicação de soluções adequadas, doenças parasitárias podem prejudicar o desempenho dos animais em todas as etapas de suas vidas.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Vermifugação é peça-chave para saúde dos cavalos
Sem aplicação de soluções adequadas, doenças parasitárias podem prejudicar o desempenho dos animais em todas as etapas de suas vidas.
Áudio

A equinocultura é uma atividade em alta no território brasileiro. Em 2020, por exemplo, o rebanho de cavalos no Brasil cresceu 1,9% em relação a 2019, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dessa forma, criar equinos com cada vez mais qualidade é uma prioridade para os produtores.

Por isso, a vermifugação é um manejo essencial para estes animais, a fim de garantir a saúde e o bom desempenho deles, em qualquer atividade às quais são submetidos. “As doenças parasitárias representam uma das maiores ameaças aos equinos, pois afetam diretamente a qualidade de vida e o desempenho desta espécie”, explica o médico-veterinário da Bimeda, Guilherme Ito.

Os sintomas mais comuns nos cavalos parasitados variam entre diminuição do apetite, comprometimento na absorção de nutrientes, com eventual perda de peso, lesões de pele, pelo arrepiado e seco, prurido anal, cólicas recorrentes, diarreias com sangue ou sem e desidratação. Dependendo da gravidade da infecção, o animal pode vir a óbito.

“O manejo de vermifugação nos equinos deve ser realizado periodicamente, iniciando aos 60 dias em potros e repetindo a aplicação de vermífugo a cada dois ou três meses. Em animais adultos, a indicação é repetir doses com intervalo de três a quatro meses”, recomenda o médico-veterinário.

A aplicação de vermífugo varia de acordo com o peso, idade e período gestacional, no caso das éguas. Para auxiliar o produtor nesta tarefa, a Bimeda possui em sua linha de soluções o Panteq, vermífugo em pasta de uso oral, que é uma combinação de organofosforado + benzimidazóis (triclorfon+oxfendazol) eficaz contra vermes resistentes às avermectinas.

“O Panteq é um importante agente no combate aos parasitas gastrintestinais nos equinos. Ele também atua na melhora do pelo e da resistência dos animais, além de aprimorar o desempenho dos cavalos no trabalho e em competições”, destaca Ito.

Fazer o acompanhamento dos animais por meio de exames parasitológicos de fezes é essencial para verificar a eficácia do tratamento e, consequentemente, garantir o controle das doenças parasitárias.

“Os cuidados com os equinos não devem parar na vermifugação. Nutrição e vacinação são dois pontos essenciais para a saúde destes animais, além da atenção que deve ser dada para a limpeza dos ambientes frequentados pelos cavalos, dessa forma reduzindo as chances de contaminação”, finaliza o médico-veterinário da Bimeda.

A Bimeda

Fundada na Irlanda em 1960, a Bimeda é uma fabricante, comerciante e distribuidora de produtos farmacêuticos veterinários e produtos de saúde animal. No Brasil, a linha de produtos está focada nas áreas de produção animal, equinos e pequenos animais.

Por meio de expansão contínua e aquisições estratégicas, a Bimeda estabeleceu mercados em mais de 75 países em todo o mundo e possui seis centros de P&D, sete laboratórios regulatórios, nove instalações industriais em sete países e distribuição na Europa, América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Australásia. A Bimeda emprega mais de 800 funcionários em todo o mundo e tem sua sede global em Carrickmines, Dublin, Irlanda.

No Brasil, a Bimeda iniciou suas atividades em 2011 após a aquisição de 51% da Mogivet. Em 2015, a Bimeda comprou o restante da Mogivet, passando a ser detentora da totalidade do negócio. A planta industrial da Bimeda está localizada na cidade de Monte Mor (SP), em uma área total de 6.200m², dividida em cinco prédios totalizando 2.400m² de área construída, onde se encontram as áreas administrativas, pesquisa e desenvolvimento, controle de qualidade, armazéns e instalações de fabricação.

Na América Latina, o foco é de produtos para a produção de gado, controle de parasitas do gado, equinos, suínos e avicultura, com marcas multinacionais que abrangem diversas classes e espécies terapêuticas.

Fonte: Bimeda/Attuale Comunicação

Crédito: Divulgação Bimeda

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Também nos bovinos, os nutrientes desempenham funções essenciais no organismo; então, atenção para quando ele faltarem na forragem oferecida, Carência muito comum no País
Os dados constam do banco da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), entidade mais antiga de registro de animais de raça do país