Search
Close this search box.

Campanhas das vacinas contra Febre Aftosa e Brucelose são prorrogadas no estado de SP

5 de dezembro de 2023

O produtor tem até 22 de dezembro para realizar a declaração da vacinação, preferencialmente por meio eletrônico, através do GEDAVE.
Compartilhe no WhatsApp
Campanhas das vacinas contra Febre Aftosa e Brucelose são prorrogadas no estado de SP

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) informa que, para atender demandas dos produtores que envolvem a logística de distribuição de vacinas em todo o Estado, as campanhas de vacinação contra Febre Aftosa e contra Brucelose no Estado de São Paulo serão prorrogadas. As etapas, que antes encerravam-se em 30 de novembro, serão estendidas até o dia 15 de dezembro (15/12) e o prazo para a declaração vai até 22 de dezembro (22/12).

Contra a Febre Aftosa, devem ser vacinados os bovídeos (bovinos e bubalinos) com até 24 meses de idade. Já contra a Brucelose, devem ser vacinadas as fêmeas bovídeas (bovinas e bubalinas) de três a oito meses.

O produtor tem até 22 de dezembro para realizar a declaração da vacinação, preferencialmente por meio eletrônico, através do GEDAVE. Quando não for possível, o produtor poderá acessar o formulário da declaração na internet clicando aqui, preencher e entregá-la pessoalmente na unidade da Defesa Agropecuária mais próxima.

O produtor pode também, enviar a declaração via e-mail diretamente para a regional que responde por seu munícipio. A lista dos e-mails de cada regional pode ser acessada no endereço Link.

O criador que deixar de vacinar e de comunicar a vacinação estará sujeito a multas que variam de 03 a 05 UFESP’s por animal, sendo de 05 UFESP’s (171,30 reais) por cabeça que deixar de vacinar e 03 UFESP’s (102,78 reais) por cabeça que deixar de comunicar. O valor de cada UFESP – Unidade Fiscal do Estado de São Paulo é de 34,26 reais para o ano de 2023.

Compra de vacinas

Para trazer facilidade aos pecuaristas e produtores que ainda precisarem comprar vacinas, a Defesa Agropecuária disponibiliza informações importantes neste momento, como a estimativa de estoque nos estabelecimentos credenciados para o comércio em cada município.

Ao acessar o site do GEDAVE através do link Link, a pessoa interessada em adquirir a vacina deve clicar em “Estoque de insumos em comerciantes de produtos biológicos veterinários” e, em seguida, preencher os campos colocando o tipo de insumo “Vacina”, o tipo de vacina “Febre Aftosa” e o município desejado.

“Pelo GEDAVE, o produtor que ainda não comprou suas vacinas pode procurar qual a loja mais próxima que ainda possui vacinas em seu estoque, mesmo que ela esteja em outro município. Nós recomendamos que, antes de sair para comprar as doses, o pecuarista entre em contato com a loja escolhida para confirmar se há vacinas disponíveis e o horário de funcionamento”, afirma Luiz Henrique Barrochelo, Coordenador da CDA.

“Esta será a única prorrogação da campanha, então, o produtor não pode perder este prazo. Hoje, há doses disponíveis para todo o rebanho que falta ser vacinado no Estado de São Paulo. Mas, por uma questão de mercado, algumas lojas não renovaram seus estoques e pode ser que a loja mais próxima que tenha vacinas esteja em outro município”, reforça o Coordenador.

Brucelose

Nesta etapa, devem ser vacinadas todas as fêmeas bovinas e bubalinas de três a oito meses de idade. A declaração da vacinação contra brucelose também deve ser feita pelo produtor até o dia 22 de dezembro através do GEDAVE.

Por se tratar de uma vacina viva, passível de infecção para quem a manipula, a vacinação deve ser feita por um médico-veterinário cadastrado que, além de garantir a correta aplicação do imunizante, fornece o atestado de vacinação ao produtor.

A relação dos médicos-veterinários cadastrados na Defesa Agropecuária para realizar a vacinação em diversos municípios do Estado de São Paulo está disponível em Link. A emissão do atestado de vacinação contra brucelose pelo médico-veterinário cadastrado não dispensa a obrigatoriedade da declaração da vacinação.

Para manter e preservar o rebanho, a Defesa Agropecuária tem foco na obrigatoriedade da vacinação de fêmeas bovinas e bubalinas com a vacina B19 ou RB51; no abate sanitário ou eutanásia de animais infectados com a doença e na apresentação de atestado negativo durante o transporte de animais destinados à reprodução ou, ainda, para participação em feiras, exposições, leilões e eventos esportivos como rodeio e provas de team penning.

Por: ASCOM SAA/SP

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira