Search
Close this search box.

Uso de informações disponíveis na pecuária pode ampliar a rastreabilidade da cadeia de fornecedores

7 de outubro de 2023

Na pecuária, ela se torna mais significativa, pois garante a segurança do alimento
Compartilhe no WhatsApp
Uso de informações disponíveis na pecuária pode ampliar a rastreabilidade da cadeia de fornecedores

A rastreabilidade tem sido um fator importante para atender as demandas atuais dos consumidores, que estão cada vez mais preocupados com a origem dos produtos adquiridos. Na pecuária, ela se torna mais significativa, pois garante a segurança do alimento, ao mesmo tempo em que comprova que as propriedades rurais estão atendendo os quesitos de bem-estar animal e de conformidade socioambiental.

“Para os mercados, onde há a exigência de produtos vindos de áreas sem desmatamento, é possível apesentar dados que confirmem a origem e as condições dos animais”, pontua Francisco Beduschi Neto, Líder da National Wildlife Federation (NWF) no Brasil.

Segundo um relatório do Boston Consulting Group sobre a visão dos consumidores em relação à sustentabilidade, 89% dos brasileiros entrevistados se dizem preocupados com o meio ambiente ao realizar suas compras. Esse percentual foi maior do que a média global de 80%, quando consideradas as cerca de 19 mil pessoas de diversos países ouvidas na pesquisa.

Na avaliação de Beduschi, a melhor solução para a pecuária seria a implantação da rastreabilidade individual, ou seja, cada animal teria uma identificação específica, que permitiria consultar o histórico de propriedades pelas quais cada animal passou e se atendem as demandas de um mercado específico. “A ideia que está em discussão é a de um sistema no qual se possa realizar consultas para checar se alguma das propriedades pelas quais o animal passou cometeu alguma ilegalidade”, exemplifica.

Entretanto, essa solução ainda deve demorar a produzir resultados concretos pois o Brasil tem o maior rebanho do mundo, e este rebanho está disperso por todo o país. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a pecuária, como atividade econômica, está em todos os municípios brasileiros.

Apesar dos desafios, há uma maneira de acelerar esse processo e saber quais propriedades tem problemas e ajudar os produtores a resolvê-los ao utilizar as informações já disponíveis na pecuária, como o GTA (Guia de Trânsito Animal) e o CAR (Cadastro Ambiental Rural). “No caso da carne e do couro, ao cruzar os dados de GTA e CAR é possível olhar um elo a mais na cadeia de fornecimento, analisar a conformidade da propriedade que é fornecedora indireta do frigoríficos, e ampliar a capacidade da cadeia de valor de endereçar seus problemas. Em outras palavras, além de monitorar a conformidade socioambiental das propriedades dos fornecedores diretos, os frigoríficos poderão começar a conhecer também seus fornecedores indiretos e ajudá-los a endereçar os problemas encontrados”, pondera Beduschi.

Esse conhecimento é fundamental, pois a cadeia de produção animal na pecuária é formada por vários elos, podendo chegar a cinco ou mais, considerando as fases de cria, recria e engorda dos animais. Para o líder da NWF no Brasil, até chegar a rastreabilidade individual, é possível trabalhar dessa forma para conhecer melhor a cadeia de fornecimento, seus problemas, desafios e necessidades. Por isso, esse processo está ganhando força no Brasil, principalmente entre os atores da com a iniciativa privada, que precisam responder a consumidores, bancos e investidores, sobre a sustentabilidade de seus negócios.

“Ao conhecer a propriedade rural, é possível entender os problemas socioambientais para agir, no sentido de auxiliar esses produtores a regularizarem sua situação, sendo incluídos na cadeia de fornecimento global de carne e couro. Com isso, a pecuária se torna ainda mais competitiva e esses produtores podem obter mais rentabilidade e melhores condições para financiar seus negócios”, finaliza Beduschi.

Sobre a NWF

National Wildlife Federation – NWF é uma organização com 86 anos de história, que há mais de 36 anos trabalha no Brasil na construção de uma agenda que concilie a produção agropecuária e a conservação e restauração dos biomas presentes no país. Seu programa internacional une o conhecimento de especialistas brasileiros e internacionais com ferramentas e tecnologias avançadas para promover soluções de mercado que ajudem a cumprir esta meta.

Por Conexão Rural Brasil

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Produtores rurais são inundados por tecnologias, mas como fazer com que os complexos sistemas biológicos que formam uma fazenda sejam atendidos
Cooperação técnica entre o Governo do Maranhão e a Conafer vai garantir o melhoramento genético e aumento da produção dos rebanhos do estado
Mapa planeja apresentar um estudo à Organização Mundial de Saúde Animal para reconhecimento internacional dos estados envolvidos como zona livre de febre aftosa sem vacinação
Além das ensacadoras, o governo também entregou um silo à Prefeitura de Nova Venécia.