Search
Close this search box.

USDA diz que o milho será a “salvação da lavoura” do agronegócio brasileiro

26 de fevereiro de 2024

Em uma análise recente divulgada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as projeções apontam para um futuro promissor para o agronegócio brasileiro, especialmente para o setor de milho.
Compartilhe no WhatsApp
USDA diz que o milho será a “salvação da lavoura”

Segundo o relatório, as exportações brasileiras de milho vão crescer 30,3% nos próximos dez anos, o que representa um volume de 77,5 milhões de toneladas até o ciclo 2033/34.

Este crescimento projetado coloca o Brasil em uma posição de destaque no cenário global, elevando sua participação nas exportações mundiais de 30,1% em 2024/25 para 32,8% em 2033/34. Este avanço consolida não apenas a capacidade produtiva do país, mas também a sua importância estratégica como um dos principais fornecedores de milho no mercado internacional.

O USDA atribui este aumento significativo nas exportações à expansão das áreas agrícolas no Centro-Oeste brasileiro, uma região que tem visto um desenvolvimento agrícola acelerado nos últimos anos.

Além disso, melhorias contínuas nos rendimentos das safras de milho, especialmente do milho de segunda safra, e a otimização dos tempos de colheita têm dado ao Brasil uma vantagem competitiva sobre os exportadores do Hemisfério Norte.

A análise também destaca a melhoria leve na condição das safras de soja e milho na Argentina, outro player importante no mercado de grãos. Enquanto isso, os Estados Unidos, que são um dos maiores exportadores de milho, deverão ver um aumento de 21,9% em suas exportações, chegando a 63,5 milhões de toneladas no mesmo período. A participação americana no mercado global de exportações de milho é projetada para crescer de 26,4% para 26,9%.

Por outro lado, a Argentina, prevista para ser o terceiro maior exportador de milho, deve ver os embarques crescerem 14,4%, alcançando 45,7 milhões de toneladas até 2033/34. Este crescimento, embora significativo, destaca a liderança emergente do Brasil e a sua crescente influência no mercado global de milho.

As projeções do USDA reforçam a importância do agronegócio brasileiro no cenário mundial e a necessidade de investimentos contínuos em tecnologia, pesquisa e práticas sustentáveis de cultivo para manter e expandir a competitividade do país nos mercados internacionais.

Por: Pensar Agro

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Estado é o maior produtor da região Norte
Segundo o IBGE, 90% das empresas têm perfil familiar no Brasil, respondem por mais da metade do PIB, e empregam 75% da mão de obra do país.
Número de produtores de sementes registrados no Mapa passou de 7 para 27 em menos de dez anos; área de campos de produção quadruplica no país
Professor europeu visitou Unidade da Epamig em Viçosa para conhecer o trabalho de perto e disse que gostaria de levar nossa tecnologia para seu país