Search
Close this search box.

Trigo começa a ganhar a paisagem nos campos do sul do Brasil

23 de abril de 2024

O outono chegou e com ele a paisagem no campo começa a mudar, no sul do Brasil. As lavouras de soja, milho vão dando lugar ao trigo e outras culturas de inverno.
Compartilhe no WhatsApp
Trigo começa a ganhar a paisagem nos campos do sul do Brasil

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta um aumento de 4,6% na área de plantio de trigo em relação à safra anterior, totalizando 1,1 milhão de hectares no Estado. Esse crescimento é impulsionado tanto pelo preço atrativo quanto pela crescente demanda interna, além dos incentivos governamentais visando reduzir a dependência do país pela importação do grão.

No Paraná, o trigo assume um papel de destaque entre as culturas de inverno. O plantio já se inicia na região Norte, onde o clima ainda é mais ameno, e progressivamente se estende às áreas mais frias do Estado, finalizando até junho. Os agricultores, naturalmente, monitoram de perto as previsões do tempo, moldando suas estratégias.

Na Belagrícola, importante player do agronegócio no sul do Brasil, com sede em Londrina (PR), a cultura do trigo também está na pauta neste período do ano.

O engenheiro agrônomo da empresa, Alexandre Yamamoto, destaca a transição do El Niño para a La Niña, sinalizando um inverno mais úmido e frio na região sul do Brasil. Esse cenário tende a favorecer o desenvolvimento das plantas ao garantir uma maior disponibilidade de água no solo durante o ciclo da cultura, ao mesmo tempo que reduz o estresse hídrico, essencial para uma produção saudável. No entanto, há desafios a serem enfrentados, como o excesso de chuvas, que pode complicar o plantio e a colheita, e as geadas tardias, que representam uma ameaça às plantas em desenvolvimento.

O momento do plantio é importante para o sucesso da safra, alerta Yamamoto. O atraso, muitas vezes causado por condições climáticas desfavoráveis, pode resultar em uma série de complicações, incluindo a redução da produtividade, o aumento de doenças e pragas, além de dificuldades na colheita e na qualidade dos grãos. Por outro lado, diz o engenheiro agrônomo, semear no tempo adequado traz uma série de benefícios, como a menor incidência de doenças e pragas, a melhoria da qualidade dos grãos e a possibilidade de cultivo subsequente de outras culturas, otimizando o uso da terra.

Histórico climático

É essencial que os produtores estejam cientes do histórico climático de suas regiões para evitar perdas devido a geadas. Além disso, qualquer investimento deve ser cuidadosamente avaliado em termos de custos, riscos e retornos potenciais.

“No entanto, investir no cultivo de trigo pode trazer uma série de benefícios, também a sustentabilidade do solo, incluindo a melhoria da fertilidade, o controle de pragas e doenças, o aumento da produtividade e a prevenção da erosão do solo”, esclarece Yamamoto.

Manejo do Trigo

O produtor também tem que dar especial atenção ao manejo da cultura para alcançar alta produtividade.

O agrônomo Alexandre Yamamoto alerta para os aspectos essenciais:

Planejamento: Escolha da cultivar adequada, análise e preparo do solo, e manejo da palhada para garantir um ambiente propício ao crescimento das plantas.

Semeadura: Seguir o calendário agrícola recomendado para cada região, ajustar a densidade e profundidade de semeadura para otimizar o crescimento das plantas.

Adubação: Utilizar os resultados da análise de solo para realizar adubações de base e de cobertura, escolhendo fontes de nutrientes adequadas.

Controle de pragas e doenças: Monitorar regularmente a lavoura, utilizar métodos de controle integrados e produtos fitossanitários registrados.

Controle de plantas daninhas: Adotar medidas preventivas, controle mecânico e químico, e integrar diferentes métodos de controle.

Irrigação: Monitorar a umidade do solo e utilizar sistemas de irrigação eficientes para atender às necessidades hídricas da cultura.

Por Jornal da União

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob