Search
Close this search box.

Como a tensão Brasil e Israel ‘respinga’ no agronegócio e quais os futuros riscos?

21 de fevereiro de 2024

Em 2022, quando a Guerra na Ucrânia começou, houve um salto de 188% nas exportações de fertilizantes de Israel ao Brasil
Compartilhe no WhatsApp
Como a tensão Brasil-Israel ‘respinga’ no agronegócio

A relação entre Brasil e Israel ficou estremecida após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparar a ação do Exército de Israel na Faixa de Gaza com a atuação do governo nazista de Adolf Hitler contra os judeus.

Na avaliação de Leandro Gilio, professor e pesquisador especializado em agronegócio no Centro de Agronegócio Global do Insper,  com relação a Israel, não haveria um grande impacto comercial direto para o agro, dado que o país tem baixa participação em nossas exportações, representando apenas cerca de 0,5% entre os destinos de exportações do agro.

“No entanto, não vejo também ganhos aos Brasil com esse tipo de posicionamento. É um risco diplomatico desnecessário que o presidente resolveu assumir, em um momento em que o mundo passa por grandes tensões geopolíticas. Israel tem uma importância um pouco maior em nossas importações de fertilizantes. Mesmo assim ainda tem participação relativamente baixa, cerca de 5%. Não enxergo possibilidade de qualquer de uma sanção comercial”, explicam.

Israel pode afetar carne bovina do Brasil?

O cientista político e também professor do Insper, Leandro Consentino, relembra que após o início da Guerra na Ucrânia, em 2022, as importações de fertilizantes pelo Brasil, que vinham da Rússia, passaram a vir de Israel.

“A grande preocupação fica pela possibilidade desta tensão ‘contaminar’ pautas de exportações de aliados de Israel, com os Estados Unidos, que é um grande destino da carne bovina brasileira. Por hora, não vemos essa questão afetando a pauta comercial do agronegócio e sim o âmbito diplomático, mas estes seriam os problemas caso este cenário escale”, analisa.

Em 2022, com a Guerra na Ucrânia, as importações do Brasil de fertilizantes e adubos vindos de Israel saltaram 188% na comparação com o ano anterior. No ano passado, os fertilizantes representaram 45% de tudo que Israel exportou ao Brasil.

Por fim, em 2023, Israel representou somente 0,2 do total das exportações do Brasil, em 54º no ranking das exportações do país.

Por Money Times

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Valor é 4,4% maior que os US$ 35,85 bilhões em exportações registrados no primeiro trimestre do ano passado
Impulsionadas pela soja em grão, pelo açúcar bruto e açúcar refinado, as exportações do Paraná cresceram 4,7% em valor no primeiro trimestre do ano em relação a igual período do ano passado, informou em nota a Agência Estadual de Notícias.
ABCZ foi escolhida para sediar a segunda edição do COMCEBU; evento é aliado à 89ª ExpoZebu
Desembolsos nos primeiros oito meses da safra cresceram 13%, diz Seapa