O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Tanino contra Coronavírus

Pesquisas de Taiwan mostram que os taninos do vinho podem ajudar a combater a Covid-19 ao inibir com eficácia a atividade de duas enzimas principais do vírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Em 2003, uma epidemia de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) contaminou 8.096 pessoas e matou 774.  E, até recentemente, era considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a mais séria doença contagiosa dos tempos atuais. Concentrada em Hong Kong, China, a SARS paralisou a economia da região durante quase três meses. Como é comum em casos de surgimento de epidemias, estudos foram desenvolvidos com o intuito de frear seus efeitos. Nesse contexto, pesquisas demonstraram a eficácia do ácido tânico como auxiliar no combate a doenças respiratórias graves. Tecnicamente, o tanino corresponde a um grupo de compostos fenólicos que tem como principal característica a afinidade em se ligar às cadeias de proteínas e precipitá-las. Tais compostos, encontrados principalmente nas partes lenhosas, nas folhas e em frutos não maduros de muitas plantas, eles atuam como instrumento de defesa.

Inibindo a atividade de enzimas

Certamente, a epidemia de SARS de 2003, localizada basicamente na Ásia, não se compara à pandemia de COVID-19 que o mundo todo enfrenta atualmente. Entretanto, as sementes plantadas pelos estudos feitos com ácido tânico naquela época nos ajudam a ter um pouco mais de esperança. Isso porque a China Medical University, com sede em Taiwan, desenvolveu uma pesquisa científica sobre o tratamento para combater o coronavírus, que descobriu que os taninos do vinho podem inibir a atividade de duas enzimas chave do vírus.

Chie Hung, presidente da universidade, em entrevista à TVBS, disse: “O plano inicial da pesquisa é identificar compostos naturais que podem ter um efeito sobre um SARS e, em seguida, usar uma protease do novo coronavírus para detectar e encontrar ácido tânico no resultado. Possui a capacidade inibitória mais forte”. Hung explicou que o ácido tânico é um polifenol solúvel em água. Os compostos polifenóis têm antioxidantes e eliminadores de radicais livres, que apresentam efeitos anti-inflamatórios. O diretor afirmou, ainda, que os taninos podem prevenir a infecção e controlar o crescimento do vírus.

Os estudos indicam, conforme o diretor da universidade, que os taninos podem ser desenvolvidos como droga farmacêutica no futuro. Além disso, se o consumo de alimentos e bebidas que contêm ácido tânico for adequado, eles podem se apresentar como uma forma de aumentar a imunidade ao vírus: “A uva e o sorgo têm um conteúdo de tanino relativamente alto. Na verdade, estamos fazendo pesquisas nessa área e esperamos, num futuro próximo, decidir se o vinho ou o baijiu (licor branco) são mais potentes em taninos.”

Fontes: Paraná Imprensa; Revista Adega – UOL; Estadão