Search
Close this search box.

O que o sucesso da Apple pode ensinar às startups do agro

28 de fevereiro de 2024

Produtores rurais são inundados por tecnologias, mas como fazer com que os complexos sistemas biológicos que formam uma fazenda sejam atendidos
Compartilhe no WhatsApp
O que o sucesso da Apple pode ensinar às startups do agro
Foto: Anton Petrus/Guetty

O impacto da Apple na tecnologia de consumo tem sido revolucionário. Inovadora, ela moldou a forma como as pessoas interagem com os dispositivos tecnológicos, estabeleceu novos padrões para outros setores inovadores e mudou a natureza da concorrência. Do Macintosh ao iPhone, suas contribuições transformaram as expectativas dos compradores de tecnologia.

A partir do momento em que o consumidor abre aquela caixa branca brilhante, retirando o plástico protetor e os acessórios brancos, o objetivo é que essa experiência estimule todos os sentidos do usuário da marca. Mas a genialidade da Apple vai além da embalagem; a empresa se concentrou em interfaces fáceis de usar, com ícones e menus intuitivos para que os novos usuários se sintam confortáveis ​​com as novas tecnologias. Visam, explicitamente, democratizar a tecnologia.

A Apple também priorizou a segurança e o acesso aos dados, a sustentabilidade e a reciclagem e muitas outras inovações, atendendo às preocupações dos usuários à medida que elas evoluem.

Os desenvolvedores de aplicativos sabem que precisam estar na Apple Store para ter sucesso, o que significa atender a rigorosos padrões. Hoje, os produtores rurais são inundados por tecnologia baseada em aplicativos, uma após a outra, oferecendo uma infinidade de benefícios.

Mas… o que acontece quando essa tecnologia atinge o ambiente agrícola? A tecnologia atende, por exemplo, as necessidades de:

  • Um ambiente difícil, incluindo poeira, sujeira, umidade, calor e frio.
  • abater roedores que atacam as fiações elétricas.

As fazendas são sistemas biológicos complexos e com uma série de fatores imprevisíveis. Por isso, o “efeito borboleta” é um fator real nas explorações agrícolas: pequenas mudanças podem ter um grande impacto. A abordagem tradicional do Vale do Silício de “fingir até conseguir” não é uma opção e resultou no fracasso de muitas agtechs e na fadiga dos de muitos produtores rurais com soluções excessivamente prometidas.

Além disso, os produtores rurais, habituados ao aspecto fácil de “plug and play” dos produtos de consumo, como os seus telefones ou computadores portáteis, muitas vezes enfrentam dificuldades com as interfaces das possíveis soluções que as agtech produzem. O desenvolvimento da experiência do usuário no “nível Apple” está muito além das pequenas e jovens empresas agtech que estão tentando resolver problemas agrícolas complexos. O resultado é que mesmo quando os produtores estão dispostos a investir em novas tecnologias, o seu potencial raramente é realizado. Por exemplo:

  • Nos EUA, a estimativa é de que 25% das vacas utilizam algum tipo de dispositivo ou sensor, mas se você perguntar aos produtores de leite o que estão usando, eles normalmente dizem apenas “detecção de cio”, sem mencionar a infinidade de outros recursos.
  • Os tratores inteligentes existem há duas décadas e oferecem centenas de recursos, mas os cientistas de dados que examinam quais recursos estão realmente sendo usados ​​relatam que a principal função utilizada é rastrear quando o trator está funcionando e quando está desligado, como um maneira de policiar os horários de trabalho dos funcionários.
  • Os fornecedores de sensores, câmeras inteligentes, robótica e dispositivos de IoT (Internet das Coisas), instalados em explorações pecuárias, têm lutado para fornecer dispositivos resistentes à limpeza (mangueiras de alta pressão, formaldeído, desinfetantes) e a contaminantes ambientais (poeira ou humidade).
  • A maioria das ferramentas vindas de agtechs necessitam de banda larga para controle e monitorização, o que nem sempre está disponível nas zonas rurais.
  • O risco de violação de dados é um problema real na maior parte do mundo tecnológico, mas talvez se possa argumentar que a vulnerabilidade à pirataria informática nas explorações agrícolas é menos preocupante, embora, por esse motivo, os dados agrícolas sejam menos valorizados e menos protegidos.

As plataformas tecnológicas agrícolas fornecem frequentemente enormes quantidades de dados, mas informações significativas são muitas vezes obscurecidas por dados demasiado detalhados ou inoportunos. As fazendas, frequentemente, precisam trabalhar para gerar dados acionáveis. Então, é mais importante ser alertado de que suas vacas ficam sem ração em minutos ou horas?

Com a ruminação retardada, o produtor vai recolher, separar e ordenhar as vacas para “iniciar” a ruminação, ou a maioria delas já terá passado pela fase de ruminação, quando o produtor se der conta do que precisa fazer? E quanto à claudicação ou acidose? O produtor mudará as práticas nutricionais, fará o monitoramento de descartes individuais ou administrará a média?

Para quem olha de fora, a percepção de que os produtores rurais estão relutantes em adotar tecnologias, mas desde o advento do arado, os agricultores sempre inovaram. Os produtores de hoje estão cada vez mais familiarizados com a automação e muitas vezes estão ansiosos para serem os primeiros a instalar a próxima grande novidade, mas não amam a tecnologia pela tecnologia.

Os agricultores querem tecnologia que esteja pronta para uso e que resolva problemas reais. Se a tecnologia melhorar as operações agrícolas (e a rentabilidade), eles ficarão felizes em utilizá-la – mas querem que seja de fácil utilização. Como diz o produtor Chad Swindoll, do Mississipi: “A agricultura não tem um problema de inovação. Tem um problema de implementação”. Formado em agronomia na Mississippi State University, Swindoll é a terceira geração de produtores, especialista em equipamentos, GIS e sensoriamento remoto e meteorologia.

A cada iteração da tecnologia, surge novamente a esperança de que esta será a chave para desbloquear todas as promessas da tecnologia aplicada ao agro. E sobre IA (inteligência artificial): ela será capaz de extrair dados significativos? Melhorar a experiência do usuário? Antecipar as necessidades do usuário?

A Apple expandiu as expectativas dos consumidores quanto à simplicidade do uso da tecnologia em geral e, por extensão, isso afetou as expectativas dos agricultores. Um aspecto importante do impacto revolucionário da Apple é a sua ênfase no design e na experiência do usuário, bem como o seu compromisso de estar na vanguarda dos padrões da indústria. A pergunta que deve ser respondida é: os inovadores que hoje estão nas agtechs podem responder ao desafio de fazer o mesmo com as tecnologias oferecidas às fazendas?

Por Forbes

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Agrishow mostra a força do agronegócios e fabricantes de turboélices apostam no potencial do setor
Para se manter em destaque diante do mercado global, o país tem apostado em inovação e tecnologias avançadas
O bom crescimento da lavoura depende do olhar humano em algumas etapas, mas e se isso pudesse ser substituído por softwares? Essa é a proposta da empresa belga que captou US$ 42 milhões
Segundo o IBGE, Minas Gerais é o estado mais diversificado nas culturas e criações, o que implica num cenário abrangente para investimentos