Search
Close this search box.

Número de startups do agronegócio cresce 9,7% em Minas Gerais

7 de dezembro de 2023

Radar Agtech Brasil foi divulgado pela Embrapa; resultados expressivos do agro no País atraem empreendedores
Compartilhe no WhatsApp
Número de startups do agronegócio cresce 9,7% em Minas Gerais

O número de startups do agronegócio segue em crescimento em Minas Gerais e no Brasil. De acordo com o Radar Agtech Brasil, em 2023, o Estado conta com cerca de 169 agtechs ativas e regularizadas, volume 9,7% superior a 2022. No Brasil, são cerca de 1.953 empresas em operação, 15% a mais. A tendência é que o número de empresas siga em crescimento. Os resultados pujantes do setor agropecuário e a demanda alta por inovação e tecnologias são fatores que atraem os empreendedores.

Os dados são da 4ª edição do Radar Agtech Brasil e foram levantados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e as empresas SP Ventures e Homo Ludens. 

Conforme a Embrapa, o radar é um mapeamento realizado anualmente com o objetivo de dar visibilidade às agtechs junto a empreendedores nacionais e internacionais. O mapeamento é considerado a principal fonte de informações sobre as startups do setor agropecuário.

De acordo com o analista da Embrapa e um dos coordenadores do Radar Agtech Brasil 2023, Cleidson Nogueira Dias, o aumento do número de agtechs é resultado dos bons resultados apresentados pelo agronegócio brasileiro e também pelo setor demandar muita tecnologia e inovação. 

“Observamos que nos últimos anos, o setor agropecuário tem segurado a balança econômica do Brasil, sendo superavitário e batendo recordes. Além disso, é um mercado bilionário. Assim, cada vez mais, os empreendedores estão vendo esse potencial do setor. Os empreendedores estão vendo que o setor é pujante e, ainda, muito carente em tecnologia e inovação”.

Número de startups do agro cresce estimulado pela demanda maior por tecnologias e inovação

Com uma demanda pujante por tecnologia e inovação, em 2023, o País tem cerca de 1.953 empresas em operação, representando, assim, 250 a mais do que no ano passado.

Entre as categorias, do total de agtech, 331 são voltadas para produtos antes das fazendas, outras 815 para dentro das fazendas e, as demais, 807, para depois da fazenda.

Entre os setores de atuação no Brasil, a maior parte, 277, são desenvolvedoras de tecnologias e inovações para a categoria Alimentos Inovadores e Novas Tendências Alimentares. A segunda maior parcela das startups, 170, desenvolveu produtos voltados para Sistema de Gestão de Propriedades Rurais.

A maior concentração das startups do agro está na região Sudeste, detendo, então, 56,9% das agtechs do brasileiras em 2023.

“As agtechs são importantes porque existe uma série de desafios para o setor que só serão suplantados com inovação, tecnologia e adoção de práticas mais sustentáveis. Temos uma mudança de tendência para o futuro e quanto mais os empreendedores olharem para o setor e trazerem tecnologias, teremos como impacto prático resoluções de problemas e gargalos dos produtores e da cadeia. Além disso, as soluções podem trazer mais facilidades e maior produtividade, ajudando o setor a avançar mais”.

Minas Gerais se destaca

Em Minas Gerais, o crescimento do número de  agtechs também é uma realidade. Enquanto em 2022 eram 154, em 2023, o número subiu para 169, variação positiva de 9,7%. O Estado responde por 15% das empresas do Sudeste. No País, Minas ocupa a quarta posição entre as unidades da federação que têm maior número de startups voltadas para o setor. 

Porém, quando avaliado, o número de empresas a cada 100 mil habitantes, Minas lidera o ranking. A média ficou em 5,71 startups do agro por 100 mil habitantes no Estado. A média do País é de 0,91.

Conforme o  coordenador do Radar Agtech Brasil 2023, Minas Gerais se destaca por contar com várias entidades de pesquisa, estudos e centros tecnológicos. 

“Minas Gerais é um estado atrativo para as startups pelo ambiente favorável. Há uma grande diversidade de universidades federais, estaduais, de parques tecnológicos e institutos federais. Então, tem ecossistema muito mais propício para as empresa de tecnologia, que terão facilidade de encontrar laboratórios, centros de estudos e mão de obra”, aponta Dias. 

Ramos de atuação das startups do agro em Minas Gerais

Dentre as categorias de atuação, a maior parte, 96 empresas, desenvolve produtos para dentro da fazenda, outras 48 para depois da fazenda, e 25, antes da fazenda. 

Entre os ramos de atuação no agronegócio de Minas, o maior número de empresas, 29, é voltado para a criação de Sistemas de Gestão de Propriedade Rurais. Destaque também para o ramo de Alimentos Inovadores e Novas Tendências Alimentares, onde 17 empresas atuam no Estado. Outras 10 atuam na criação na criação de Marketplaces e Plataformas de negociação e venda de produtos agropecuários. 

No ranking de agtechs por cidade, no Estado, Belo Horizonte lidera, com 44 empresas. No País, a Capital ocupa a nona posição. Em 13º posição no País e segunda em Minas está Uberlândia, no Triângulo, com 31 agtechs. Também se destacam: Viçosa, com 11 startups do agro, Uberaba com 10, Patos de Minas, com seis, e Lavras, com cinco.   

De Diário do Comércio

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Serasa Experian oferece soluções que combinam transparência de informações e acompanhamento de impacto socioambiental
Digitalização do setor expõe vulnerabilidades que podem ser exploradas e trazer impactos às operações e produção
As tecnologias e robôs de ponta são utilizados em mapeamento de relevo, identificação de características do solo e monitoramento de produção
Evento reúne especialistas e criadores para destacar avanços na seleção e produção de carne Nelore de alta qualidade.