Search
Close this search box.

Startup de tratores elétricos e autônomos busca primeiro bilhão de dólares

16 de agosto de 2023

Saiba o que faz Praveen Penmetsa, CEO da Monarch, empresa que atrai multinacionais como CNH Industrial, Foxconn e investidores milionários, para ser o unicórnio do agro global Amy Feldman
Compartilhe no WhatsApp
Startup de tratores elétricos e autônomos busca primeiro bilhão de dólares
Praveen Penmetsa, CEO da Monarch, e seu trator elétrico e autônomo que ele quer ver nas lavouras do mundo todo


Em uma tarde ensolarada no início do verão norte-americano, em Wente Vineyards, Livermore, na Califórnia, o co-fundador e CEO da starup Monarch Tractor, Praveen Penmetsa, está mergulhado em seu discurso sobre um certo robô-trator. Ele revela os benefícios de seu veículo de US$ 89 mil (cerca de R$ 445 mil na cotação atual): a máquina é totalmente elétrica. É autônoma. Pode cortar. Pode capinar. Segundo o executivo, embora custe cerca de 80% a mais do que uma máquina similar movida a diesel, ela economizará o dinheiro dos agricultores, aumentará a eficiência de suas fazendas e tornará suas operações menos dependentes de mão de obra e combustível externos.

“Se há uma coisa que os fazendeiros gostam mais do que armas, é ser autossuficientes”, diz ele rindo. “Precisamos mudar, para que os agricultores não sintam que não há futuro na agricultura”, completa.

O potencial comprador da máquina, Bartley Walker, da Pacific Ag Rentals, cuja empresa com sede em Salinas, na Califórnia, aluga equipamentos para agricultores, ouve atentamente. Walker está preocupado com a forma como os agricultores conseguirão manter os tratores carregados nos campos, mas está impressionado com os recursos de direção autônoma. “Entendemos que este é o futuro”, diz ele.

Nos dias atuais, é fácil encontrar Penmetsa, 45 anos – que passou quase duas décadas trabalhando em carros elétricos e autônomos antes de se dedicar à agricultura –, lutando para convencer agricultores, investidores e advogados de que mudar para tratores elétricos e autônomos é importante e viável. Ele prega que os tratores a diesel são uma importante fonte de poluição na agricultura, e os agricultores há muito lutam para contratar trabalhadores suficientes em um ambiente escasso de mão de obra. As máquinas da Monarch prometem resolver ambos os problemas.

Lançar uma empresa de equipamentos agrícolas é difícil. É intensivo em capital e os agricultores pouco capitalizados tendem a ser conservadores e resistentes a mudanças. Mas a Monarch, com sede em Livermore, que levantou US$ 116 milhões (R$ 578 milhões) em ações de investidores e atingiu uma avaliação de US$ 271 milhões (R$ 1,350 bilhão) em seu financiamento de ações mais recente, em novembro de 2021, parece ter atingido um ponto crítico. No ano passado, registrou US$ 22 milhões (R$ 110 milhões) em receita, acima dos US$ 5 milhões em 2021.

Este ano, a Penmetsa espera que a receita aumente de três a cinco vezes. Isso elevaria para mais de US$ 66 milhões, e possivelmente mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 330 milhões), com o número de seus tratores no campo passando de cerca de 100 unidades para 1.000 unidades. À medida que se expande, Penmetsa espera que mais de sua receita venha de assinaturas de software – até US$ 8.376 (R$ 42 mil) por trator, por ano – que fornecem aos agricultores alertas em tempo real sobre plantas doentes e riscos de segurança, além de coletar e processar uma tonelada de dados para melhorar a produtividade das lavouras.

Esses números ajudaram a Monarch a entrar na lista Forbes Next Billion-Dollar Startups deste ano, vitrine anual das 25 empresas com maiores probabilidades de atingirem uma avaliação de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5 bilhões). Penmetsa acredita que pode vender dezenas de milhares de tratores e alcançar uma receita “na casa das centenas de milhões de dólares” em três anos, permitindo que a Monarch abra então seu o capital em bolsa.

Para atender a demanda, a Monarch fechou neste mês de agosto um acordo com a Foxconn, empresa taiwanesa, famosa por fabricar a maioria dos iPhones do mundo, para fabricar scooters do tamanho de SUVs. Também está licenciando sua tecnologia, principalmente para a CNH Industrial, a empresa com sede em Londres por trás das marcas Case IH e New Holland, que é a segunda maior fabricante de tratores do mundo.

É claro que a Monarch, fundada em 2018 por Penmetsa, Zachary Omohundro, Mark Schwager e Carlo Mondavi, não está sozinha no desenvolvimento de robôs agrícolas. A John Deere, gigante de equipamentos agrícolas, com receita de US$ 60 bilhões (R$ 300 bilhões), anunciou no ano passado que estava trabalhando em um trator autônomo voltado para grandes fazendas que exigem grandes máquinas.

Outras startups estão trabalhando em tratores elétricos (Solectrac) e tratores elétricos autônomos (Amos), bem como colhedores de morango autônomos (Agrobot) e robôs colaborativos que trabalham lado a lado com trabalhadores agrícolas humanos (Burro). Mas muitos desses esforços estão nos estágios iniciais e há muito trabalho a ser feito.

“A agricultura é o menos automatizado de qualquer grande mercado industrial”, diz Alastair Hayfield, pesquisador de robótica da Interact Analysis, uma empresa de inteligência de mercado com sede no Reino Unido. “Esta é uma longa transição.”

Por enquanto, os tratores de Penmetsa visam vinhedos e fazendas de frutas e legumes, que exigem máquinas menores do que as gigantes usadas por quem cultiva milho ou soja. Seus tratores existentes são equivalentes a uma máquina de 40 cavalos de potência, enquanto os que a CNH produzirá sob licença serão aproximadamente equivalentes a 75 cavalos de potência.

“Todas as reuniões que tenho terminam com ‘Como você vai enfrentar a John Deere?’ Vejo isso como uma prova de nosso sucesso”, diz Penmetsa. “Eles estão nos perguntando como podemos enfrentar Golias. Isso é extremamente fortalecedor para nós.”

História que começa na Índia
Penmetsa nasceu em Guntur, na Índia, mas cresceu a cerca de 270 quilômetros de distância, em Hyderabad, um centro tecnológico com uma população atual de 11 milhões. Ele foi um garoto da cidade, mas seus avós eram os últimos de uma longa linhagem de produtores de arroz. “Voltávamos todo verão para a casa dos meus avós”, diz ele. “Uma das primeiras vezes que segurei um volante, foi um volante de trator.”

Quando criança, era fascinado por carros velozes. (E ainda é. Muitos anos atrás, Penmetsa comprou um velho BMW por US$ 800 e o transformou em um carro de corrida.) Depois de obter um mestrado em engenharia mecânica na Universidade de Cincinnati, em 2002, ele conseguiu um emprego na MillenWorks, uma Huntington Beach, empresa de carros de ponta com sede na Califórnia, fundada pelo lendário piloto de corridas da Nova Zelândia, Rod Millen.

“Sabia o suficiente sobre negócios para entender que as empresas de carros de corrida não são empreendimentos sólidos, então queria encontrar uma empresa que fizesse carros de corrida e também outras coisas”, diz Penmetsa.

Na MillenWorks, ele ajudou a desenvolver um robô experimental para a Darpa, o braço de pesquisa do Departamento de Defesa dos EUA, e projetou uma bateria para um dos primeiros carros elétricos que a Mitsubishi estreou no Salão do Automóvel de Detroit, em 2004. Quando Millen vendeu a empresa para a Textron, em 2010, Penmetsa decidiu abrir sua própria empresa, a Motivo. Juntando-se a ele estava um ex-aluno da MillenWorks, Omohundro, agora com 43 anos, que possui um Ph.D. em robótica pela Carnegie Mellon.

Na Motivo, eles trabalharam com veículos elétricos, inclusive demonstrando como um Toyota Prius poderia ser reaproveitado em um gerador de energia de emergência. Em 2012, Penmetsa voltou para visitar a família na Índia e ficou frustrado com as interrupções regulares de energia. “Eu estava tipo, ‘Gostaria de ter meu Toyota Prius aqui para poder recuperar minha energia’”, diz ele. A ideia, uma espécie de brincadeira na época, o fez pensar em como a eletricidade poderia ser levada para as áreas rurais.

Em 2013, quando Omohundro se deparou com uma doação da USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional), para alimentar a agricultura nos países em desenvolvimento, ele e Penmetsa aceitaram o desafio. Na Motivo, construíram seu primeiro trator elétrico, uma pequena máquina movida a energia solar chamada Harvest. Em seguida, construíram três tratores, testando dois deles na aldeia dos avós maternos de Penmetsa, Maharajpei.

Ao conversarem com fazendeiros na Índia e depois nos Estados Unidos, ouviram o mesmo refrão: não há futuro na agricultura. “Há uma escassez global de mão de obra na agricultura; estão lutando com as margens apertadas de lucro e há uma pressão crescente sobre eles por sustentabilidade”, diz Penmetsa.

De volta aos EUA, construíram robôs agrícolas experimentais, incluindo um colhedor de batatas e um coletor de alface. Mas eram equipamentos tão caros (mais de US$ 500 mil) que nunca poderiam ser mais do que projetos de demonstração sofisticados. Mais promissor comercialmente era se debruçar sobre tecnologia para veículos autônomos. Enquanto trabalhavam para a DriveAI (adquirida pela Apple em 2019) e para a Faraday Future, eles começaram a sonhar com um trator elétrico autônomo a um preço que os agricultores pudessem pagar.

“A compensação de custo do combustível diesel não é atraente o suficiente, mas se você tiver a compensação de diesel e a compensação de mão-de-obra, isso o torna atraente para o agricultor, e então você tem um negócio viável”, diz Omohundro, agora chefe de tecnologia da Monarch.

Logo, a dupla se uniu a Schwager, 39, que anteriormente liderou a Gigafactory, da Tesla, em Nevada, e que tinha experiência na ampliação de grandes projetos de fabricação. Com Mondavi, 43 anos – neto de Robert Mondavi, que agora administra seus próprios vinhedos na Califórnia e na Itália – como o quarto cofundador e diretor agrícola, a Monarch nasceu em dezembro de 2018. O nome é uma homenagem à borboleta monarca migratória, ameaçada de extinção nos EUA, devido ao uso de produtos químicos nas fazendas.

Apoiando-se na Mondavi, eles visaram os vinhedos, com suas fileiras estreitas de videiras, altos custos de mão-de-obra e clientes dispostos a pagar mais por um produto “verde”. A esperança de Mondavi: com a agricultura de precisão com o robôtrator da Monarch, os produtores podem usar menos produtos químicos sem diminuir o rendimento ou a lucratividade. “Mudamos o roteiro de que fazer o bem pelo planeta custa mais caro”, diz Mondavi. “A parte econômica é onde abrimos a porta.”

Como vender milhares de tratores
Penmetsa acredita que pode vender dezenas de milhares de tratores e atingir uma receita “na casa das centenas de milhões de dólares” em três anos. Construir um trator elétrico autônomo é difícil, e fazê-lo a um preço que os agricultores possam pagar é ainda mais difícil. Nos primeiros dias, os engenheiros da Monarch armaram uma tenda nas vinhas de Wente para desenvolver e testar a máquina.

A Monarch fez apenas dois, ao custo de meio milhão de dólares cada. Em 2021, lançou uma segunda versão que custou US$ 250 mil (R$ 1,4 milhão) e começou a testar com vinhedos e produtores de leite. Para manter as coisas simples, eles se concentraram primeiro em automatizar uma das tarefas agrícolas mais básicas: cortar a grama.

Tom Chi, um dos fundadores do Google X e um dos primeiros investidores na Monarch, por meio da At One Ventures, relembra o evento de lançamento. “Eu estava me intrometendo nas conversas e os fazendeiros diziam: ‘Cortar a grama vai mudar o jogo’ ”, diz ele. “Mas meu cérebro dizia: ‘Cortar é tão fácil’. Eu estava tão ansioso pelas coisas que estavam por vir que desconsiderava esse corte, e eles diziam: ‘Temos tanto trabalho no campo que olhando no conjunto cortar grama pode ser visto como um desperdício de dinheiro.’”

Domenick Buck, diretor de serviços de suporte da Coastal Vineyards, uma empresa de gerenciamento de vinhedos, viu o trator pela primeira vez durante uma demonstração, no início de 2021. “Na verdade, funcionou; o trator dirigiu ”, diz ele com uma risada. Como o preço do diesel subiu rapidamente e com os subsídios do estado da Califórnia para tratores elétricos compensando até 75% do custo, Buck se tornou um dos primeiros clientes. Hoje, a empresa opera 18 tratores Monarch para si e para seus clientes. “Muitas pessoas não podem continuar operando na Califórnia”, diz Buck. “Estamos procurando maneiras de ficar à frente.”

Esses incentivos da Califórnia, pelos quais a Monarch fez lobby, são a chave para tornar a máquina acessível. A Penmetsa espera fazer uma versão mais barata, que possa ser vendida por menos de US$ 15 mil (R$ 75 mil) na Ásia e na África. Para isso, ele está fechando uma parceria com um fabricante de tratores na Índia e está focado em alugar as máquinas em vez de vendê-las. Ao mesmo tempo, o acordo de licenciamento da empresa com a CNH (que também é investidor da Monarch) permitirá que sua tecnologia acione tratores utilitários um pouco maiores. Esses devem chegar aos campos no final deste ano ou no início do próximo.

“A Monarch está na vanguarda do desenvolvimento de produtos”, diz Michele Lombardi, vice-presidente sênior de desenvolvimento corporativo e capital de risco da CNH. “Eu acredito que em 10 anos a 15 anos será fácil encontrar colhedores de frutas, equipamentos de colheita e equipamentos de lavoura funcionando de forma autônoma nas lavouras.”
Mas ainda há um grande problema a superar: como carregar as baterias no campo.

As máquinas da Monarch precisam funcionar por muitas horas em campos distantes de quaisquer tomadas elétricas ou até mesmo de estradas. Uma solução potencial é o carregamento solar, mas, por enquanto, a maioria dos robôs requer acesso a uma estação de carregamento que pode custar milhares de dólares para instalar. Outro obstáculo potencial: os regulamentos da Califórnia ainda não permitem que os tratores sejam totalmente autônomos – eles ainda exigem um operador humano para acompanhá-los. A Monarch pediu autonomia total e o estado concordou em reconsiderar, depois de coletar mais dados de segurança.

A longo prazo, porém, a ascensão dos robôs é inevitável, dada a persistente escassez de mão de obra no setor. Antigamente, lembra Penmetsa, os investidores os chamavam de masoquistas. “Eles têm muitos mitos que nos atingiram muito, como ‘os agricultores não vão adotar a tecnologia’”, diz. “Os agricultores são muito experientes e adotarão novas tecnologias se houver um ROI (retorno sobre investimento) para eles.” (tradução: ForbesAgro)

Por Forbes

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Colmeias podem fornecer uma colheita de aproximadamente 50 kg de mel em dois meses durante a floração de soja. Fora das lavouras, colheita de mel é estimada em 19 kg por ano.
Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.