Santa Catarina entrega Selo Arte para queijo produzido com receita de tropeiros

A conquista do Selo permite aos produtores rurais a comercialização de queijos, embutidos, pescados e mel em todo território nacional
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

No dia 27 de abril, o queijo artesanal serrano produzido pela família Rissi recebeu o Selo Arte, certificação dada a produtos considerados artesanais. A receita da família remonta ao tempo dos tropeiros, e foi passada de geração em geração de maneira empírica, o chamado “saber-fazer”. A entrega oficial do selo foi realizada na queijaria da família, na localidade de Luizinho, em São Joaquim, pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). 

“A entrega do Selo Arte é a celebração de uma história, tradição e cultura, que vieram de longas gerações, dos tropeiros. A Cidasc está dando uma dinâmica ainda mais forte para o Selo Arte e nós esperamos que esses bons exemplos irradiem para várias regiões de Santa Catarina. Um ato como esse é de extrema importância para que os produtores acreditem que juntos é possível criarmos condições de mais desenvolvimento econômico”, ressalta o Secretário da Agricultura, Altair Silva. 

A conquista do Selo permite aos produtores rurais a comercialização de queijos, embutidos, pescados e mel em todo território nacional. Para ser considerado artesanal, o produto deve ser individualizado, genuíno e manter as características tradicionais, culturais ou regionais. Além disso, deverá ser regulamentado e reconhecido como artesanal pelo Estado de Santa Catarina. 

O estabelecimento também deve estar submetido ao serviço de inspeção oficial (municipal, estadual ou federal) para receber a certificação. A Queijaria Tio Tácio, por exemplo, optou pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM), obtido em dezembro de 2020 e, desde então, almejava a obtenção do Selo Arte. 

“Com o SIM a gente só conseguia comercializar nos dezoito municípios da AMURES (Associação dos Municípios da Região Serrana), com o selo eu vou conseguir entregar em qualquer município do Brasil, essa é a chave de ouro”, destaca André Risse, atual proprietário da queijaria. 

santa catarina entrega selo arte para queijo produzido com receita de tropeiros2
A entrega ofical do selo foi realizada na queijaria da família na localidade de Luizinho, em São Joaquim – Foto: Reprodução/Balde Branco
Produção Artesanal 

O queijo da família iniciou com Fortunato Rissi, avô do atual proprietário. Fortunato produzia as peças durante o verão, em sua fazenda localizada no Rio Grande do Sul. No início do inverno, a família retornava a Santa Catarina e trocava parte da produção por mantimentos, como açúcar, sal, café, farinha. O excedente era levado à cidade para ser comercializado. 

A receita do queijo artesanal serrano é um “saber-fazer” passado de geração a geração. Na Queijaria Tio Tácio, a mãe de André, dona Neiva Rissi, de 58 anos, foi a responsável por passar o conhecimento a todos da família. “O selo representa a história e a cultura trazida por toda a minha família, desde o meu sogro, que foi quem fazia o queijo antes, até chegar a geração atual”, completou Neiva. 

A produção da Tio Tácio chega a aproximadamente seis peças por dia, elaboradas num processo 100% artesanal, a partir de leite cru produzido por vacas criadas em pasto nativo, mantendo a qualidade e a tradição. 

Concessão do Selo Arte para queijo 

Cidasc, por meio do Departamento Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DEINP), é responsável por conceder o Selo Arte aos produtos que atendem aos requisitos  previstos nas normativas estaduais e federais. 

O presidente da Cidasc, Plínio de Castro, reforça a importância deste reconhecimento para o desenvolvimento da familiar. “Nós acreditamos que vá ampliar as oportunidades de trabalho e de negócios de sucessão familiar. Isso é importante também para o desenvolvimento da economia da região”, completa Plínio. 

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural (SAR)
Crédito da fotos: Reprodução/Balde Branco

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.