O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Seguro contra influenza aviária é renovado pela Amav-MT

Cerca de 300 milhões de aves para corte e 10,5 milhões de aves de postura foram asseguradas contra eventuais ocorrências das duas doenças
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

O seguro avícola contra influenza aviária e a Doença de Newcastle foi renovado pela Associação Matogrossense de Avicultura (Amav-MT). Portanto, cerca de 300 milhões de aves para corte (produção de carne) e 10,5 milhões de aves de postura (produção de ovos) foram asseguradas contra eventuais ocorrências das duas doenças.

Antes de mais nada vale destacar que, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o fundo indenizatório soma o montante de R$ 22 milhões, além de R$ 2 milhões para fins de contenção de eventuais foco. De acordo com a entidade, esta é a primeira modalidade de seguro implantado no setor avícola mundial, assinado em conjunto com a associação matogrossense, a ABPA e as seguradoras Proposta e FairFax.

No estado do Mato Grosso do Sul, de acordo com a Amav-MT, operam cinco plantas avícolas e 16 granjas de ovos. O presidente da entidade, Lindomar Rodrigues disse em nota que este seguro gerou mais tranquilidade para investirmos em defesa sanitária. Sendo, portanto, visto com bons olhos pelos importadores dos produtos nacionais. Além disso, afirmou que o seguro é uma vantagem nas negociações para abertura de mercados, como também para a implantação de novas instalações avícolas em nosso estado.

Já o presidente da ABPA, Ricardo Santin, disse que existe uma expectativa para que esse modelo de seguro em vigor no Mato Grosso seja implantado em outras regiões do país. Segundo ele, o Brasil – como uma nação livre de Influenza Aviária e de Doença de Newcastle – tem empenhado esforços para fortalecer sua defesa agropecuária, bem como a sua capacidade de reação diante de crises.

Portanto, Santin reforça que o seguro avícola é um grande diferencial, reforçando o papel dos fundos indenizatórios privados e públicos que temos hoje nos estados”, disse.

Fonte: Associação Brasileira de Proteína Animal