Search
Close this search box.

Safra da uva inicia na Cooperativa Vinícola Aurora e estimativa é chegar aos 63 milhões de quilos

10 de janeiro de 2024

Volume é levemente inferior à média dos últimos 10 anos. Primeiras variedades a serem entregues por produtores familiares são Chardonnay, Pinot Noir, Malvasia de Cândia Aromática, BRS Magna, BRS Violeta, Bordô e Isabel Precoce. Colheita segue até março
Compartilhe no WhatsApp
Safra da uva inicia na Cooperativa Vinícola Aurora e estimativa é chegar aos 63 milhões de quilos
Divulgação

Prestes a completar 93 anos de história, a Cooperativa Vinícola Aurora iniciou o recebimento da safra 2024 com a projeção de colher 63 milhões de quilos de uva até março. O volume deverá ficar 2,5% abaixo da média dos últimos 10 anos. Na comparação com a vindima de 2023, a redução é de 10,6% e foi provocada pelos efeitos climáticos do fenômeno El Niño na Serra Gaúcha. Na última década, a média anual de volume foi 64,4 milhões de quilos, sendo que a maior safra registrada foi em 2021 (90 mi) e o menor volume em 2016 (33,6 mi).

Nesta semana estão agendadas as entregas das variedades viníferas Chardonnay, Pinot Noir e Malvasia de Cândia Aromática e das americanas e híbridas BRS Magna, BRS Violeta, Bordô e Isabel Precoce. Para a próxima quinzena deverão ser colhidas castas como Riesling Itálico, Egiodola e Viognier.

O gerente Agrícola da Cooperativa Vinícola Aurora, Maurício Bonafé, informa que nesta semana os volumes recebidos ainda são baixos na comparação com as primeiras semanas de fevereiro. Ele diz que a média diária é de cerca de 200 mil quilos, mas que na próxima semana esse volume deverá ser ampliado para quase 1 milhão por dia.

“No auge da safra, no mês de fevereiro, chegamos a receber até 2,5 milhões de quilos por dia. Toda essa operação é realizada com horário marcado para preservar a qualidade da matéria-prima e para que consigamos fazer o processamento da uva no menor tempo possível”, explica Bonafé.

O gerente acrescenta que a qualidade e a sanidade da uva nesta safra estão dentro dos padrões, com destaque para a variedade Chardonnay utilizada para a elaboração de espumantes e para as uvas que são destinadas para o suco integral.

“A Charddonay está com ótimo nível de acidez e grau brix, ideal para a produção de espumantes, enquanto que variedades como Magna, Violeta e Bordô estão com excelente padrão de cor e sanidade para elaboração de um dos nossos principais produtos em volume, que é o suco de uva integral”, garante Bonafé.

Mecanização auxilia na safra

A Aurora é a maior cooperativa vinícola brasileira e responde por cerca de 10% da safra gaúcha da fruta para processamento. Cerca de75% são de variedades americanas e híbridas, destinadas para sucos de uva integrais e vinhos de mesa, e 25% de vitis viniferas, usadas na elaboração de vinhos finos e espumantes.

A empresa desenvolveu um programa para acelerar a substituição das antigas caixas de 20 quilos por bins com capacidade de até meia tonelada. A iniciativa tem objetivo de ajudar em todo o processo, desde a colheita nas propriedades dos 1,1 mil associados, até chegar à entrega nas três unidades de recebimento (Matriz, Vale dos Vinhedos e unidade 2), em Bento Gonçalves (RS).

Atualmente, 85% do volume de uvas já é colhido pelos produtores cooperados com o auxílio do equipamento que é carregado com empilhadeiras e que reduz o esforço excessivo durante a safra, além de diminuir a necessidade de mão de obra contratada.

“Nos próximos três anos teremos toda a colheita realizada com auxílio de bins. O principal benefício é com a saúde e o bem-estar dos viticultores. Além disso, os produtores ainda estão se adequando ao Programa de Boas Práticas Agrícolas e à reestruturação operacional da cooperativa, já que reduz o tempo de descarregamento, o uso de mão de obra temporária e a perda de mosto no percurso entre a propriedade e a vinícola”, explica Bonafé.

Mudanças para uma safra mais segura

Ao longo de 2023 a Cooperativa Vinícola Aurora trabalhou para proporcionar aos associados todo o suporte necessário para a vindima deste ano. Dentro do programa Boas Práticas Agrícolas, a empresa orientou os viticultores para aspectos como a exigência de contratação formal dos trabalhadores temporários e as condições para os alojamentos.

Para isso, todos os 1,1 mil cooperados receberam visitas técnicas da equipe agrícola, com orientações sobre as adequações e construções necessárias para estarem de acordo com as normas que garantem as condições de trabalho justo e decente, tanto para os próprios viticultores como para os funcionários temporários.
O presidente do Conselho de Administração da Cooperativa Vinícola Aurora, Renê Tonello, reforça o comprometimento da companhia em alcançar as condições de trabalho seguras e justas nas propriedades rurais dos cooperados.

“Temos uma média de contratação de 3 a 4 pessoas por propriedade rural e queremos que a safra transcorra da melhor forma possível. Todos os cooperados receberam o auxílio para os procedimentos para a contratação forma de trabalhadores, orientação para o uso de equipamento de proteção individual, além de instruções sobre carga horária de trabalho e outros cuidados que o viticultor precisa tomar”, arremata.

Produção se estende em 11 municípios

A produção dos viticultores cooperados é realizada em 11 município da Serra Gaúcha. São 2,8 mil hectares de área cultivada por 1,1 mil produtores familiares em Bento Gonçalves, Veranópolis, São Valentim do Sul, Guaporé, Cotiporã, Monte Belo do Sul, Santa Tereza, Pinto Bandeira, Vila Flores, Farroupilha e Garibaldi. São produzidas 56 variedades de uvas. Entre as principais estão a Merlot, Cabernet Sauvignon, Chardonnay e Pinot Noir (vitis viniferas) e Isabel, Concord, Seibel e Bordô (americanas e híbridas).

A colheita da Aurora nos últimos anos*
2014 – 57 milhões
2015 – 65,5 milhões
2016 – 33,6 milhões
2017 – 71,5 milhões
2018 – 61,8 milhões
2019 – 68,2 milhões
2020 – 61,9 milhões
2021 – 90 milhões
2022 – 66 milhões
2023 – 70,5 milhões
* (quilos de uva)

Por Notícias Agrícolas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com 2,8 milhões de toneladas, o Brasil se posiciona como o maior exportador global de algodão, ultrapassando os Estados Unidos
Medida é para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes de eventos climáticos extremos no Rio Grande do Sul. O arroz será vendido ao consumidor pelo preço tabelado de R$ 4 por quilo
Projetos de lei que reduziriam a dependência brasileira da importação de fertilizantes, impulsionando a produção agropecuária sustentável e tornando o País mais competitivo.
Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca