Search
Close this search box.

Safra 23/24: projeção de 319,5 milhões de toneladas de grãos é sinônimo de rentabilidade para o produtor?

4 de outubro de 2023

Segundo dados do relatório “Perspectivas para Agropecuária 23/24”, divulgado pela CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), o Brasil deverá alcançar 319,5 milhões de toneladas na produção total de grãos na safra 23/24 
Compartilhe no WhatsApp
Safra 23/24: projeção de 319,5 milhões de toneladas de grãos é sinônimo de rentabilidade para o produtor?

Para a soja, a companhia estima uma safra recorde de 162,4 milhões de toneladas. O número representa um crescimento de 5,1% em relação à safra anterior. O avanço é embasado por um aumento de 2,8% na área de plantio, abrangendo 45,3 milhões de hectares, e um aumento de 2,2% na produtividade, atingindo 3.585 quilos por hectare.

A informação de “novo recorde” pode abrilhantar os olhos e ser facilmente associada a uma forte rentabilidade, no entanto, outros fatores devem ser considerados na hora da análise financeira de uma safra.

De acordo com Enrico Manzi, country manager da Biond Agro, a rentabilidade pode ser vista pelo lado da receita e  dos  custos. “A receita é medida através de: volume x preço. Dito isso, por conta do evento climático El Niño, até o momento, é esperado que o produtor produza bem e com bons volumes, já que este fenômeno costuma provocar chuvas no centro-sul da américa do sul”, comenta o gestor. 

A relação dos custos de produção e a interferência na rentabilidade 

Um ponto fundamental de análise para a rentabilidade é a comparação de custos de produção em relação à safra anterior. Para 23/24, segundo o Conab, o produtor Mato Grossense deve observar uma rentabilidade de 39,66%, visto a redução de custos na produção registrada em -21,63%, com destaque para queda de -48,72% nos fertilizantes.

Com o produtor plantando uma safra menos custosa em relação ao ano anterior e uma boa produtividade, caso consiga vender a níveis de preços favoráveis, poderá encontrar uma boa rentabilidade.

Já o preço determinado para o grão é decorrência de oferta e demanda global. “Estamos vindo de uma grande safra brasileira e uma argentina, com quebra de produção. Entramos em uma safra norte-americana com problemas, produzindo menos do que o esperado e estamos voltando a uma safra esperada grande para América do Sul. Tudo isso somado a uma demanda que não cresceu no mesmo ritmo da produção”, afirma Manzi. 

O balanço de maior oferta com demanda crescendo de forma lenta pode ser um indicativo de preços mais baixos para o produtor sulamericano como um todo. Como a comercialização está atrasada, caso o preço siga caindo e com a confirmação de dados produtivos positivos na América do sul, a rentabilidade pode estar em risco.

A capacidade de armazenagem e logística pode afetar a rentabilidade do produtor?

“Nem tudo o que é colhido é necessariamente vendido dentro do ano. Um fluxo de venda mais contínuo durante a colheita se dá por conta da capacidade menor de armazenagem. O processo de armazenamento facilita o escape da janela de colheita, momento repleto de ofertas de produtos, ocasionando no queda dos preços dos produtos e maior custo para logística e transporte, consequentemente afetando a rentabilidade do produtor”, diz.

Para atuar fora do período de colheita, é possível contratar armazenagem de terceiros. Os custos de armazenagem complementar devem ser sempre levados em conta nestes casos. Já os produtores que possuem estrutura própria de armazenagem – silos e armazéns –  atuam no fluxo de “vender parte e armazenar a outra”. 

Uma possível “safra perfeita” gera grande rentabilidade?

“Imagine uma safra, plantada na janela perfeita, com chuvas perfeitas, com sol perfeito, com produtividade máxima esperada e colheita perfeita (bastante improvável, mas sigamos o exemplo). Se este cenário acontecer, há grandes chances de que a armazenagem seja insuficiente, a execução da logística possa ter problemas para executar todo o volume e, se o cenário de demanda não é otimista, pode indicar preços baixos”, afirma.

Caminhando para um panorama de boa produtividade e rentabilidade, o produtor deve possuir um bom planejamento e execução de compra dos seus insumos, e assim reduzir o custo de produção, ao mesmo tempo ter uma estratégia clara de gestão da comercialização da produção, tentando assegurar e otimizar suas receitas, e assim, reduzindo riscos.

Por Dinheiro Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mais que um café premium, o café de Jacu, produzido a partir de fezes desta ave, carrega um legado importante na preservação ambiental.
Volume da moagem representa um avanço de 18,95% em relação ao mesmo período do ciclo 2022/23
Durante a cerimônia da Abertura da Colheita também foi assinado um convênio entre o Ibraoliva e o Ministério da Agricultura e Pecuária
Um estudo recente realizado pela consultoria Agrifatto analisou a evolução da produtividade na pecuária brasileira ao longo dos últimos anos.