Search
Close this search box.

Robô brasileiro atrai produtores americanos na maior feira agrícola dos Estados Unidos

4 de setembro de 2023

Solinftec atrai agricultores com máquina que custa 50 mil dólares e contribuiu para a redução de aplicação dos herbicidas em 97% da área onde o robô trabalha
Compartilhe no WhatsApp
Robô brasileiro atrai produtores americanos na maior feira agrícola dos Estados Unidos
Robô desenvolvido por brasileiros tem vendas esgotadas até o final de 2024 nos Estados Unidos (Mariana Grilli/Exame)

Quem atua no agronegócio brasileiro está acostumado com o trânsito que se forma para a entrada da Agrishow, realizada em Ribeirão Preto, São Paulo. Todos os anos, a fila de carros na rodovia é assunto na maior feira agrícola da América Latina. Não é isso que acontece nos arredores da Farm Progress Show, a maior dos Estados Unidos, na cidade de Decatur, no estado de Illinois.

O trânsito organizado nos arredores da universidade pública Richland Community College, onde é realizado o evento este ano, é o oposto do que se vê nas ruas da feira. Há tráfego de carrinhos de golfe, no estilo americano, conduzidos por produtores mais velhos que a média do público no Brasil.

A cena vai ao encontro da discussão do setor sobre o fator etário e a dificuldade de sucessão familiar nos Estados Unidos. Não por coincidência, o interesse por máquinas autônomas no campo tem aumentado.

Oportunidade de mercado vivenciada pela empresa brasileira Solinftec, empresa de inteligência artificial desenvolvedora de robôs para a agricultura de precisão — nome dado a técnicas de manejo da lavoura que viabilizem a aplicação de produtos ou plantio de sementes de forma precisa.

Robôs na agricultura

“No Brasil, o produtor precisa se reinventar pelo desafio do tamanho de área, enquanto nos Estados Unidos o desafio é a mão de obra escassa, com uma população envelhecida no campo”, diz Emerson Crepaldi, chefe de operações da Solinftec na América do Sul.

Seja por este ou por aquele motivo, o robô tem adesão no campo.

A máquina não tem o estereótipo de um ciborgue humano, mas se encaixa nas necessidades de quem procura um ‘funcionário’ para agricultura de precisão, só que 100% autônomo. Capaz de trabalhar por toda a lavoura, dia e noite e sem invadir as linhas de plantio, o robô identifica a saúde das plantas e aplica fungicida, inseticida ou herbicida quando necessário.

Com a tecnologia, uma área de 200 hectares é analisada como dois mil talhões de 0,1 hectare. Isso significa que o manejo de doenças e pragas pode ser mais minucioso, cuja avaliação da incidência de invasores, sejam fungos ou insetos, é feita em cada centímetro do talhão.

O robô que integra hardware, software, câmeras, bicos de injeção e uma série de outros dispositivos sai ao custo de 50 mil dólares. “Um preço que se paga em uma safra”, afirma Crepaldi. Até o momento, a atuação principal está em soja, milho, algodão e trigo, a depender do país.

Conectado a um dispositivo de inteligência artificial chamado Alice, no estilo Alexa ou Siri, a máquina estipula a rota, faz o diagnóstico da planta e aplica o resíduo a partir de recomendações mais adequadas agronomicamente, como a velocidade do vento ou melhores horários para a pulverização das lavouras.

Solinfitec, do Brasil para o mundo

Fundada em 2007, em Araçatuba, interior de São Paulo, a companhia atua em mais de 12 milhões de hectares entre Brasil, Estados Unidos, Canadá e América Latina, operando em 11 países. Em território nacional, a principal cultura de atuação é a cana-de-açúcar, seguinda por grãos, fibra e culturas perenes, como citros e café.

Já em 2022, a empresa fechou o ano com faturamento da receita de 275 milhões de reais. Para 2023, Crepaldi diz que a estratégia é crescer com recursos próprios agora que já atingiram o breakeven.

No rol dos investidores da Solinfitec, que começou como uma startup, estão Lightsmith Group, Unbox Capital, Blue like an Orange, Endeavor, TPG e AgFunder.

Interesse dos americanos

Na Farm Progress Show, é outro brasileiro que recebe os produtores norte-americanos para falar sobre o robô.

“Enquanto os agricultores imaginam que isto está a anos luz de ser real, mostramos que os testes já acontecem aqui no Centro-Oeste, a cerca de dois quilômetros de distância da feira”, diz Guilherme Guiné, diretor de sustentabilidade da Solinftec e baseado nos Estados Unidos.

Ns Estados Unidos há cinco anos, a Solinftec rodou em campo até o momento 20 máquinas. No ano passado, primeira safra em que o produto esteve comercialmente disponível no país, o robô chegou a reduzir 97% do volume de herbicidas aplicado. A partir disso, o mercado aqueceu e até março de 2024 devem ser entregues mais 30 robôs encomendados.

Por Exame

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Produtores rurais são inundados por tecnologias, mas como fazer com que os complexos sistemas biológicos que formam uma fazenda sejam atendidos
Exportações do agronegócio cresceram 14,8% em janeiro
Produzido a partir de dados do Caged, o levantamento mostra que as atividades que envolvem a colheita da laranja foram responsáveis por 54.232 contratações
Com maior disponibilidade de lavouras, produtores visam se capitalizar e/ou adiantar a colheita, comparativamente ao padrão sazonal de anos anteriores.