O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Relatório da Reforma Tributária preocupa o setor da cachaça

Atualmente, o setor da cachaça é responsável pela geração de mais de 600 mil empregos diretos e indiretos. O destilado é o mais consumido pelos brasileiros e um dos quatro mais consumidos em todo mundo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

O relatório da Reforma Tributária anunciado no dia 04/05 pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB,) pode acelerar o crescimento da informalidade e da ilegalidade que o setor da cachaça enfrenta atualmente no país, além de onerar uma categoria que já detém uma das mais altas cargas tributárias do Brasil. A afirmação é do diretor executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC), Carlos Lima. 

O relatório e a proposta de Emenda Constitucional apresentados esta semana preveem a criação de um Imposto Seletivo, de caráter extrafiscal, para alguns setores, entre eles de bebidas alcoólicas, o que impactará diretamente no destilado verde e amarelo: a cachaça. 

Segundo Carlos Lima, a cachaça é hoje um dos produtos mais taxados do Brasil. Considerando apenas os principais impostos (PIS, COFINS, ICMS e IPI) e, com base em alíquotas nominais e tendo como referência o estado de São Paulo, a carga direta é de 59,25%. Considerados impostos diretos e indiretos esse número chega a mais de 80%. 

Lima pontua que a categoria ainda não absorveu o impacto resultante do aumento do IPI no começo de 2015 para o setor de destilados. “O cenário se agravou quando, naquele ano, houve uma alteração que alterou a sistemática de cobrança de IPI. Essa alteração, no caso da cachaça, em alguns casos, resultou em um aumento de mais de 200% só no valor do IPI pago”, explica. 

Alta tributação e as possíveis consequências no setor da cachaça

A alta carga tributária é um dos principais fatores que contribui para a alta informalidade do setor. Segundo o último levantamento do Anuário da Cachaça, de 2020, realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o número de estabelecimentos produtores de cachaça e aguardente reduziu em 22,26%, passando em 2018 de 1.397 para 1.086 estabelecimentos em 2019. A informalidade do setor, em número de estabelecimentos, ultrapassa 90% quando comparamos ao número de estabelecimentos listados pelo IBGE, no Censo Agropecuário de 2016. 

Mercado e a ilegabilidade – A alta tributação também acelera o mercado ilegal de bebidas alcoólicas no Brasil. Dados da Euromonitor Internacional de 2018, e divulgados pelo IBRAC em 2019, registram que, em 2017, mais de 111 milhões de litros (em álcool puro) de destilados, o equivalente a 28,8% do volume comercializado, eram ilegais. 

Se considerados os diversos ilícitos, a cachaça é a categoria que mais sofre com o ilícito relacionado à produção ilegal e, segundo estimativas do IBRAC, cerca de 160 milhões de garrafas de 700 ml são fabricadas e comercializadas em desrespeito à legislação sanitária em vigor. 

Um novo estudo feito Euromonitor International em 2020, intitulado “Álcool Ilícito na América Latina – Modelo de impacto da Covid-19”, realizado também pela consultoria em setembro de 2020 e que teve como base o estudo divulgado em 2019, estima que a pandemia pode ter elevado em, aproximadamente, 10,1% o mercado ilícito de bebidas destiladas no Brasil, em comparação com o ano de 2019. Com esse aumento, o mercado ilícito de destilados em 2020 pode ter alcançando aproximados 40%. 

Segundo a consultoria, um produto ilegal pode custar até 70% menos que o legal. O estudo também revelou que com a ilegalidade de bebidas destiladas a evasão de impostos em 2017 chegou ao patamar de R$ 5,5 bilhões. 

“Qualquer medida do governo de onerar ainda mais o setor da cachaça e acentuar assimetrias já existentes no setor de bebidas alcoólicas vai acentuar a queda do número de produtores legalizados no Brasil e a contribuição do setor aos cofres públicos, além de incentivar a clandestinidade e o crescimento do mercado ilegal”, enfatiza Lima. 

“Quem perde muito com isso é o brasileiro, ao consumir produtos sem procedência comprovada, e o Brasil na luta pela valorização de um produto que é símbolo nacional e vetor de desenvolvimento regional, que contribui significativamente para gerar emprego e renda para o país”, completa. 

Atualmente, o setor da cachaça é responsável pela geração de mais de 600 mil empregos diretos e indiretos. O destilado é o mais consumido pelos brasileiros e um dos quatro mais consumidos em todo mundo. 

Fonte: Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC
Crédito da foto: Divulgação/Canva

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil