O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Redução das importações de lácteos do Mercosul

O pleito da Abraleite e de outras entidades do setor foi de suspensão imediata até que se estabeleçam tratativas de convivência mútua
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Esta semana, em reunião com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a Abraleite – Associação Brasileira dos Produtores de Leite -, bem como outras entidades do setor, solicitaram a redução das importações de lácteos do Mercosul. A base do pleito se sustenta pela alegação de que tais compras estão prejudicando a cadeia produtiva desde o ano passado, mais precisamente com alterações desde o mês de setembro.

Em nota assinada por várias entidades, foi sugerida a tributação para os produtos vindos de fora do país. “Apresentamos à ministra um pleito pela suspensão imediata das importações de lácteos da Argentina e do Uruguai, até que os setores produtivos do Brasil e dos países vizinhos estabeleçam tratativas de convivência mútua”.

“Como medida equitativa, sugerimos tributar os lácteos importados, da mesma forma que o açúcar brasileiro é tributado para entrar no Mercosul, especialmente na Argentina”. Ainda durante a reunião, as entidades elencaram outras dificuldades dos produtores, como a alta nos preços dos insumos, o que elevou o custo de produção da atividade, e ainda a retração no mercado de derivado de lácteos, provocado por um descompasso entre oferta e demanda.

Demanda

“No caso da demanda, 2021 se inicia com enfraquecimento devido à diminuição do poder de compra dos consumidores, especialmente após o fim do auxílio emergencial. Pelo lado da oferta, o elevado volume das importações gera um aumento na disponibilidade do produto, ao mesmo tempo em que a demanda se retrai. A soma desses fatores impõe forte queda do preço do leite pago aos produtores”, reforça a nota.

Fonte: Abraleite