O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Rastreabilidade de culturas e produtos do mercado para análise

No Espírito Santo, a coleta de produtos como tomate, mamão, pimentão, abacaxi, morango e banana já estão sendo realizadas e estão na lista dos alimentos a serem analisados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Ceasa do Espírito Santo iniciou a rastreabilidade de culturas de produtos do mercado para análise. A ação vem sendo realizada em parceria com o MPES e a Vigilância Sanitária Estadual para rastrear a cadeia de produção dos alimentos e a qualidade dos produtos.  

No final de abril, o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) deu início à coleta de culturas na Centrais de Abastecimento do Espírito Santo S.A. Alguns produtos de trabalhadores rurais do Estado foram coletados para análise. As coletas serão enviadas para São Paulo e serão analisadas no laboratório credenciado pela Secretaria de Saúde (Sesa). Produtos como tomate, mamão, pimentão, abacaxi, morango e banana estão na lista dos alimentos a serem analisados. Outras amostras serão coletadas no mês de maio. 

O processo de Rastreabilidade consiste em rastrear toda a cadeia produtiva de um produto ou alimento. Por meio dessa cadeia é possível descobrir todas as etapas do desenvolvimento do produto e do histórico dele. Esse procedimento é capaz de identificar o grau de toxidade de um produto e se ele está contaminado por qualquer substância. Por meio da Rastreabilidade, todos os produtos devem estar devidamente identificados com etiquetas que contenham caracteres alfanuméricos (letras e números), código de barras, QR Code ou qualquer outro sistema que permita identificar os produtos de forma única e inequívoca. 

A rastreabilidade surgiu a partir de uma Portaria Conjunta da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) com a Secretaria da Saúde (Sesa), em novembro de 2017. A portaria dizia que era obrigatório ser feita a Rastreabilidade de todos os produtos em todos os estados. Para se adequar a essa resolução, o diretor-presidente da Ceasa, Guilherme Gomes de Souza, criou na unidade de Cariacica a Comissão de Rastreabilidade. 

A equipe da comissão consistia em cinco pessoas, que passaram a desenvolver esse trabalho diretamente com produtores, lojistas e comerciantes individuais, tanto no mercado da Ceasa quanto no interior.  

A partir dessas ações, o MPES mostrou a necessidade de haver uma gerência de rastreabilidade que pudesse atuar juntamente com a Vigilância Sanitária. Em seguida, o diretor-presidente da Ceasa-ES criou a Subgerência de Rastreabilidade, que é vinculada ao mercado da Central. 

“Agora, a subgerência deu esse passo importante (juntamente com o MPES e a Vigilância Sanitária), que foi a primeira coleta de amostras para análise de produtos que são comercializados dentro da Ceasa”, afirma o subgerente e presidente da Comissão de Rastreabilidade da Ceasa-ES, Marcos Magalhães. Ele enfatiza a importância desse processo na descoberta da qualidade do produto no Estado, tanto aquele que é consumido no Espírito Santo quanto o que é consumido fora do Estado. “É importante esse passo marcante da diretoria da Ceasa em estar realizando o melhor para a população capixaba”, destacou Magalhães. 

O diretor-presidente da Ceasa-ES, Guilherme Gomes de Souza, assegurou que a rastreabilidade significa a garantia de origem para que as pessoas consumam alimentos de melhor qualidade. “A Ceasa, em parceria com o MPES, vem se empenhando na aplicação dessa realidade, que é uma exigência prevista na legislação. Esse trabalho conjunto surgiu para avaliar a origem dos alimentos, desde o processo de produção até o consumo”, observou Souza. 

“A ação marca um novo momento no combate aos alimentos com uso irregular de agrotóxicos no Estado e no acompanhamento da Portaria da Rastreabilidade. As fiscalizações, que antes eram feitas apenas nos supermercados e hortifrutis, passam a ser realizadas também na Ceasa. Esta é uma forma de verificar os produtos comercializados diretamente pelos produtores”, declara Sandra Lengruber, promotora de Justiça e presidente da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor (MPcon). 

Fonte: Ceara/ES
Crédito da foto: Reprodução/AgEvolution

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil