O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Raça Angus registra expansão na comercialização de sêmen produzido no Brasil

Resultado do primeiro trimestre de 2021, com alta de 53% nas vendas, revela a força que a genética nacional da raça Angus tem conquistado no mercado
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

No primeiro trimestre de 2021, a raça Angus registrou expansão de 53,39% na comercialização de sêmen produzido no Brasil. Neste período, a representatividade da genética local chegou a 28,99 % do mercado doméstico de sêmen Angus, segundo levantamento da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia). A marca é cerca de 10 pontos percentuais maior do que a alcançada no mesmo período de 2020 e contribuiu para consolidar a Angus como uma raça de destaque para a produção da pecuária nacional.

Fortalecimento da raça Angus no país

Para o gerente de fomento da Associação Brasileira de Angus, Mateus Pivato, o resultado desse primeiro trimestre revela a força que a genética nacional tem conquistado no mercado. “Os criadores têm optado, cada vez mais, por reprodutores brasileiros, que têm se destacado por sua qualidade. E isso ocorre graças a um trabalho de seleção e de melhoramento genético que é realizado dentro das porteiras pelos pecuaristas”, acrescentou.

Outro dado destacado por Pivato foi a produção de sêmen Angus no Brasil, que cresceu 117,14% em relação ao mesmo período do ano passado. Isso representa, em doses, 63,13% do volume total importado no primeiro trimestre. Ou seja, ao mesmo tempo que importa dez doses, o Brasil produz seis. Em 2020, a genética produzida no Brasil representava três de cada dez (34,46%).

Ultrablack – Foto: Eduardo Rocha
Ultrablack se destaca

Pela primeira vez desde que passou a ser registrada no Brasil, a raça Ultrablack se destacou no ranking de venda de sêmen nacional da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia) no primeiro trimestre do ano. A raça, que já havia aparecido de forma tímida no relatório anual da Asbia de 2020, apresentou volume significativo de genética comercializada nos primeiros três meses de 2021.

Apesar de a raça ser novata no mercado de venda de sêmen, o gerente de Fomento da Associação Brasileira de Angus, Mateus Pivato, avalia o resultado desse primeiro trimestre como promissor. “A raça começou a ser desenvolvida no Brasil há apenas quatro anos e já está bem posicionada no ranking de comercialização de sêmen do país. Isso revela que a Ultrablack está sendo utilizada como mais uma opção para a pecuária nacional. E não é para menos. Esses animais são uma importante ferramenta para o aumento da produção de carne, além de terem versatilidade para se encaixarem em diversos sistemas de produção de nosso país”, afirmou. A expectativa, segundo Pivato, é que a participação da raça aumente assim que os resultados de sua utilização começarem a ser comprovados pelos criadores.

Raça pura sintética resultante do cruzamento de reprodutores Aberdeen Angus com Brangus, mantendo uma composição de no mínimo 80% de genética Angus e 20% Zebuína, a Ultrablack desponta entre criadores que buscam conciliar a demanda por qualidade de carne, heterose e adaptabilidade. Assim como exemplares Angus, os animais Ultrablack possuem predisposição a ser dóceis, com aptidão materna e baixo peso ao nascer, facilitando a reprodução.

Fonte: Associação Brasileira de Angus

Leia outras notícias no portal MAB