Search
Close this search box.

Quando Ouvi a Voz da Terra terá nova fase aprofundando em questões do bem-estar animal e diversidade e entrevista Temple Grandin

20 de maio de 2023

Protagonizado por Carmen Perez, o projeto tem o objetivo de mostrar questões humanas, com ambientação no campo
Compartilhe no WhatsApp
Quando Ouvi a Voz da Terra terá nova fase aprofundando em questões do bem-estar animal e diversidade e entrevista Temple Grandin
Matheus Paranhos, Temple Grandin e Carmen Perez – Crédito das fotos Henrique Stenio

O movimento cultural “Quando Ouvi a Voz da Terra”, premiado em festivais internacionais e com uma série de episódios recém-lançados, prepara-se para entrar em sua terceira fase, trazendo ainda mais emoção. As gravações começaram nesta semana, dia 18 de maio, e desta vez com participação da norte americana Temple Grandin, referência internacional em bem-estar animal.

Protagonizado por Carmen Perez, o projeto tem o objetivo de mostrar questões humanas, com ambientação no campo. Para isso, usa como base a história da pecuarista, uma liderança feminina e referência brasileira em bem-estar animal, além de produtora, que tem sua fazenda reconhecida por uma operação sustentável.

Com a repercussão positiva do filme, premiado em 2021, e da série com 4 episódios lançados no final do ano passado, os idealizadores do projeto, Carmen, o diretor Nando Dias Gomes e a jornalista Flávia Tonin decidiram continuar ampliando essa Voz da Terra. Neste ano, as reflexões irão orbitar questões como a relação com os animais, o consumo, a diversidade e a realidade da vida no campo.

Com gravações já confirmadas, o ponto alto do próximo filme será o grande encontro entre Carmen, o professor Matheus Paranhos, referência acadêmica brasileira em bem-estar animal e a norte-americana Temple Grandin, que é um ícone mundial para os temas bem-estar animal e questões de inclusão e diversidade. Esse encontro será em 18 de maio.

“Com certeza este ano será ainda mais especial, pois podemos aprofundar, esclarecer e trazer reflexão sobre a cadeia produtiva e sua relação com os animais”, comenta a protagonista. “Precisamos ampliar a voz deste tema e mostrar como é feito nosso trabalho no campo”, completa.

Nando, que dirige o longa, já é especialista em produção do agro para a cidade, e esse projeto será uma importante continuidade. “Quando fizemos o primeiro filme, a ideia era levar, através do olhar único da Carmen Perez, a voz da terra para o mundo. O filme deu tão certo que decidimos continuar contando essas histórias de vida, de um Brasil profundo e plural, para tanto em novos lugares e situações”, explica.

Já Flávia destaca a importância dos temas para o país como um todo. “Mostrar e incentivar o bem-estar animal traz esperança a todos os lados. Há uma melhor relação entre os homens e animais por ampliar as boas práticas de produção no campo e o consumidor consciente também recebe uma resposta positiva da cadeia produtiva, de que há uma produção de alimento que respeita os animais.”

O filme será lançado no primeiro semestre de 2024, e conta com patrocínio da KWS Sementes, Corteva Agriscience, MSD Saúde animal, além de apoio da Beckhauser e DSM Tortuga.

Conteúdo em tempo real – mesmo antes do lançamento a audiência está muito ativa nos perfis digitais e terá materiais inéditos no canal do YouTube de Quando Ouvi a Voz da Terra durante todo o ano de 2023, além dos bastidores pelo Instagram @quandoouviavozdaterra

Além disso, as primeiras cenas e materiais inéditos com Carmen e Temple Grandin serão divulgados em uma mesa especial durante a 8ª edição do Congresso Nacional das Mulheres (CNMA), que acontece nos dias 26 e 27 de outubro em São Paulo.

É o campo trazendo e mostrando as respostas que a sociedade pede.

Acompanhe pelo Instagram e YouTube de “Quando Ouvi a Voz da Terra”.

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Cooperação técnica entre o Governo do Maranhão e a Conafer vai garantir o melhoramento genético e aumento da produção dos rebanhos do estado
Mapa planeja apresentar um estudo à Organização Mundial de Saúde Animal para reconhecimento internacional dos estados envolvidos como zona livre de febre aftosa sem vacinação
Além das ensacadoras, o governo também entregou um silo à Prefeitura de Nova Venécia.
A produção brasileira de sêmen bovino (raças de corte e de leite) em 2023 foi de 19,431 milhões de doses, recuo de 22% ante os 24,757 milhões de doses do ano de 2022.