Search
Close this search box.

Mato Grosso tem 406 propriedades aptas para exportação de olho na União Europeia

5 de janeiro de 2023

Estado possui cerca de 5,7 milhões de bovinos rastreados dentro do Sisbov, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Compartilhe no WhatsApp
Mato Grosso tem 406 propriedades aptas para exportação de olho na União Europeia

Mato Grosso é responsável por 30,4% das propriedades brasileiras com animais rastreados dentro do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos (Sisbov), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e aptos para exportação aos países mais exigentes, como os integrantes da União Europeia.

Segundo dados do Sisbov, no Brasil existem 1.335 propriedades inscritas no sistema com rebanho bovino rastreados, das quais 406 estão localizadas em Mato Grosso. Juntas as propriedades mato-grossenses somam cerca de 5,7 milhões de animais rastreados.

O estado possui um rebanho bovino de aproximadamente 33 milhões de cabeças.

Conforme o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), apesar de ser uma atribuição do Mapa, o estado também realiza as auditorias de certificação e habilitação para exportação. Somente em 2022 foram realizadas 58 auditorias.

“Para habilitação da propriedade, é necessária a aprovação em auditoria realizada pelo Serviço Veterinário Oficial (SVO), pelos auditores do Mapa e do Indea, no caso de Mato Grosso. Esta é uma exigência da União Europeia. Para a manutenção desta habilitação, é preciso o acompanhamento periódico e aprovação na auditoria de acompanhamento”, explica o médico veterinário e fiscal do Indea, Aruaque Lotufo.

Animais rastreados possuem preço da arroba diferenciado

Lotufo pontua que em termos de mercado, frigoríficos pagam um preço mais alto pela arroba do animal rastreado em relação ao que não está inscrito no Sisbov.

De acordo com o Indea-MT, a adesão ao Sisbov é voluntária. Para se inscreverem no sistema, os produtores devem escolher uma certificadora credenciada junto ao Mapa e cumprir uma série de exigências e padrões estabelecidos.

Após aprovação pela certificadora, a propriedade é submetida a auditorias realizadas pelo Serviço Veterinário Oficial, antes da inclusão na lista ERA TRACES UE das propriedades aptas ao fornecimento de bovinos e bubalinos para abate, com destino a mercados onde a rastreabilidade é exigida, como nos dos países da União Europeia.

Cada animal da propriedade é identificado com os brincos do Sisbov.

Fonte: Canal Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O decreto deve ser publicado nesta sexta-feira (19/04) no Diário Oficial do Estado e passa a vigorar a partir de 2025
Número de empregados no setor atinge maior patamar desde 2012; informação é do boletim sobre o Mercado de Trabalho do Agronegócio em Goiás
Descubra como a GENEX Brasil está comprometida com o desenvolvimento da pecuária brasileira através do programa “Encontros que Conectam”, focado no aprimoramento da pecuária de cria e destacando a liderança feminina no setor.