Search
Close this search box.

Projeto da Ufopa de produção de peixes na Flona Tapajós inicia novo ciclo com matrinxã e tambaqui

21 de março de 2024

Iniciativa tem financiamento do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) e apoio de instituições parceiras.
Compartilhe no WhatsApp
Projeto da Ufopa de produção de peixes
Aproximadamente 2.300 kg de tambaquis foram produzidos no primeiro ciclo do projeto — Foto: Acervo do projeto

Um novo ciclo do projeto “Produção de tambaqui (Colossoma macropomum) em tanque-rede: capacitação, transferência de tecnologia e geração de renda para as comunidades ribeirinhas de Santarém – Pará”, da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), está iniciando neste mês de março com inclusão da espécie mantrinxã.

O projeto é desenvolvido com moradores das comunidades Tauari e Aldeia Bragança, situadas na Floresta Nacional do Tapajós, em Belterra.

“O projeto está iniciando em março um novo ciclo de produção com a estocagem de mais 2.100 juvenis, incluindo a produção de matrinxã, além do tambaqui”, comemora a professora Michelle Fugimura, do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) da Ufopa.

O projeto nasceu a partir da constatação de que o intenso crescimento da população tem aumentado a demanda por pescado, gerando maior pressão sobre os estoques naturais, diminuindo a quantidade de peixes capturados e elevando o preço das espécies preferidas para consumo.

image 12
Tanques-rede para produção de pescado na Flona do Tapajós — Foto: Acervo do projeto

A iniciativa desenvolvida pelos professores Luciano Jensen e Michelle Fugimura, do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA), e Gustavo Claudiano, do Instituto de Biodiversidade e Florestas (Ibef), conta com financiamento do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) e apoio de outras instituições parceiras, como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cooperativa Mista da Flona Tapajós (Coomflona) e Funai.

Renda e segurança alimentar

O projeto teve início em fevereiro de 2023 com a realização de cursos de capacitação para a produção de peixes em tanques-redes junto aos moradores das comunidades da Flona Tapajós e demais interessados na região. Mas a produção acabou sendo impactada pela seca extrema na região.

“O primeiro ciclo de produção nas comunidades de Tauari e Aldeia Bragança, na Flona Tapajós, foi fortemente influenciado pela seca extrema do ano passado. Porém, ainda assim foi possível a produção de cerca de 2.300 kg de peixes em ambas as comunidades”, contou a pesquisadora Michelle Fugimura.

Parte da produção é consumida pelos próprios integrantes que produzem os peixes, e parte é distribuída nas comunidades que estão envolvidas diretamente no projeto, contribuindo com a segurança alimentar dos comunitários.

Os primeiros resultados têm mostrado que o projeto também gera renda por meio da comercialização de pescado diretamente para a Coomflona, que destina o produto à alimentação de seus funcionários.

Por G1 PA

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nelore e anelorados representam 80% do rebanho bovino nacional. Entidade desenvolve ações de fomento e valorização da raça
Tudo pronto para a realização do 2º Fórum Nacional do Leite, dias 16 e 17 de abril, na sede da Embrapa, em Brasília (DF); organização promete abrangência nas discussões.
O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil. Foram 3.626.378 de litros entregues a laticínios em 2023
Família Alberti recebe amigos e competidores para a 1a. etapa das Copas CHBV de Ranch Sorting e Team Penning.