Search
Close this search box.

A resistência genética como uma aliada do produtor de trigo

25 de outubro de 2023

Na reta final da safra de trigo, dia de campo realizado em Passo Fundo (RS) destaca boas práticas de manejo que visam mais segurança na produção
Compartilhe no WhatsApp
A resistência genética como uma aliada do produtor de trigo
Os três lançamentos da Biotrigo em 2023 passarão pelo processo de multiplicação a partir da próxima safra e estarão disponíveis ao agricultor em 2025.

A safra gaúcha de trigo de 2023 vem sendo marcada por desafios aos agricultores. O já previsto El Niño ocasionou uma média de mais de 500 milímetros de chuvas registradas no estado no mês de setembro, período em que a maior parte das lavouras gaúchas passam pela fase de florescimento. Esse fator, somado às altas temperaturas registradas, foi a porta de entrada para doenças incomuns na realidade rio-grandense, como é o caso da brusone da espiga e da estria bacteriana (causada por bactérias do gênero Xanthomonas), enfermidades típicas do Cerrado. Na região do Planalto Médio, outra importante doença de espiga se fez presente nas lavouras, a giberela.

            Nesse cenário de desafios, o produtor vem contando com a resistência genética como uma aliada no manejo de sua lavoura. “Se olharmos uma década para o passado, tínhamos epidemias que acabavam com a produção. Hoje em dia, isso mudou bastante. Atualmente, temos materiais em que, mesmo sendo afetados em algum nível, conseguimos tirar boas produtividades. Então a genética realmente evoluiu”, pontua o supervisor comercial da Biotrigo, Felipe Carlotto. E para se extrair o melhor que essa genética tem a oferecer, mais de 300 pessoas, dentre multiplicadores de sementes, assistentes técnicos e representantes da indústria moageira, especialmente da região do Planalto Médio, participaram do Dia de Campo Biotrigo 2023. O evento ocorreu nesta quarta-feira (18), em Passo Fundo (RS).

            Em anos com essa característica, esses eventos ganham uma importância ainda maior que o usual. “Estamos vindo de três invernos mais secos. Então quando temos um inverno mais úmido, que é a realidade da nossa região, podemos tirar conclusões de quais são os melhores materiais a se utilizar e como realizar o manejo mais adequado a eles”, destaca Felipe. Nesse dia de campo, além da apresentação das novidades que a Biotrigo traz ao mercado, os presentes também puderam conferir três estações técnicas, que apresentaram informações sobre nutrição do solo, plantabilidade e manejo de doenças de difícil controle.

“As informações repassadas no dia de campo serão multiplicadas, para que todo esse conteúdo, aliado com a nossa genética, com o manejo adequado e com a transferência de tecnologia, papel relevante da assistência técnica, aumente a taxa de sucesso do produtor com a cultura do trigo”, afirma o gerente regional comercial sul da Biotrigo, Tiago de Pauli.

Excelente nível de resistência à giberela

            Em 2023, a Biotrigo lançou três cultivares. Uma delas, Biotrigo Talismã, oferece um excepcional nível de resistência à giberela, em um patamar similar a TBIO Trunfo, material com a melhor reação frente à doença do mercado. “Nesta safra, Talismã vem chamando a atenção, tanto nos campos comerciais, quanto nos de pesquisa, pela segurança que está apresentando para brusone da espiga, bacteriose e, especialmente, giberela. Esses fatores vêm confirmando a alta expectativa colocada em cima da cultivar, o que deve fazer com que ela seja uma das mais semeadas do Sul do país a partir de 2025, ano em que estará disponível aos produtores”, indica Tiago.

            No que diz respeito a potencial produtivo, Talismã atestou, nos ensaios realizados pela Biotrigo, ao longo de três anos, um rendimento médio maior que o de TBIO Audaz, segunda cultivar de trigo mais semeada do estado. Ainda, Talismã conta com uma farinha melhoradora e excepcional performance de panificação, características desejadas pela indústria moageira.

Mercado de ciclos médios ganha cultivar de trigo elite

            Biotrigo Titan, cultivar de ciclo médio, é outro lançamento exibido no dia de campo. Segundo Tiago, a cultivar atende aos quatro principais pilares que fazem com que uma cultivar possa ser a mais semeada do país. “Esses pontos essenciais se resumem em um alto potencial produtivo, boa sanidade no campo, ótima estabilidade produtiva, ou seja, possibilitar ao produtor a colheita desse trigo em todos os anos, e uma boa qualidade industrial. E Biotrigo Titan atende com excelência a esses requisitos”, cita.

            Para Tiago, o ciclo da cultivar também é um dos fatores que farão com que ela tenha grande potencial de ser a mais semeada do país. “O ciclo médio oferece uma grande versatilidade de semeadura, algo requisitado pelos agricultores”, acrescenta. Na indústria moageira, sua alta força de glúten (W) e cor de farinha clara vem se destacando nos testes realizados.

Agricultura sustentável em pauta

            Para o produtor, seu bem mais valioso é o solo. Portanto, quanto mais conservado ele estiver, maior será o benefício para a propriedade e para todas as culturas que ali serão cultivadas. É com esse propósito que surge o conceito de ciclos largos e seu primeiro lançamento, Biotrigo Sentinela. O ciclo se caracteriza por um período vegetativo ainda maior em comparação aos ciclos mais longos disponíveis no mercado. Isso se traduz em uma proteção de solo mais eficiente, o que contribui para um melhor manejo integrado de ervas daninhas, proteção contra erosão e ciclagem de nutrientes.

            “Se compararmos Sentinela com TBIO Ponteiro, cultivar de maior ciclo do portfólio até então, teremos 10 a 12 dias a mais de ciclo no campo, o que permite com que a lavoura seja semeada mais cedo, sem gerar impactos à semeadura da soja, e reduz o tempo de exposição do solo”, elucida Tiago. Agronomicamente, Sentinela se apresenta como um material que faz frente a diversas outras cultivares amplamente semeadas na região, como é o caso do próprio Ponteiro. “Na média de nossos ensaios, observamos que quando Sentinela é semeado em sua janela adequada, de forma antecipada, ele apresentou ainda mais produtividade que Ponteiro”, conta Tiago.

No campo, a cultivar vem chamando atenção pela sua rusticidade, aspecto que, junto a um período vegetativo maior, agrega em uma ótima estabilidade produtiva na lavoura. Ainda como um ponto positivo ao sistema, Sentinela se destaca por sua elevada produção de biomassa.

Novidades disponíveis em 2024

            Os dois lançamentos do portfólio da Biotrigo em 2022, TBIO Motriz e TBIO Capaz, também foram exibidos no dia de campo. Em relação a Motriz, Felipe acredita que o material será um dos mais procurados da próxima safra, devido às suas similaridades em termo de ciclo a TBIO Ponteiro. “Quando comparamos as duas cultivares, Motriz tem um potencial de rendimento ainda maior, com um pacote fitossanitário equilibrado. A expectativa em cima de TBIO Motriz está bem elevada, pois deverá agradar agricultores e moinhos”, salienta.

            De acordo com Felipe, Motriz vem apresentando um bom nível de resistência para doenças como brusone da espiga, prevalente nesta safra, assim como para mancha amarela e ferrugem da folha, típicas de anos mais úmidos.

            Já TBIO Capaz deverá se tornar altamente demandada em regiões focadas na produção de trigos branqueadores. O material possui característica de farinha extremamente clara, aspecto valorizado pela indústria moageira e que costuma gerar bonificações ao agricultor. “Historicamente, quando o produtor pensa em branqueadores, ele possui receios quanto à condução no campo. Porém, Capaz vem os desmistificando. Isso porque a cultivar se apresenta em uma plataforma de ciclo superprecoce, novidade para o segmento, e com porte baixo, ótima segurança para o complexo de manchas foliares e excelente potencial produtivo. Não há nada que diferencie TBIO Capaz de um trigo elite de portfólio”, destaca Felipe.

            Os trigos apresentados durante o Dia de Campo Biotrigo 2023 variam em diversas características. Mas algo que todos eles possuem em comum é o foco em desenvolver cada vez mais resistência genética a doenças de difícil controle e à germinação na espiga, fatores cruciais dentro do programa de melhoramento da Biotrigo. “A empresa possui como propósito a procura constante pelo lançamento de mais e melhores cultivares nesses quesitos, para que o produtor tenha na genética Biotrigo uma aliada na busca por mais segurança na lavoura”, finaliza Tiago.

Por Biotrigo Genética

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mais que um café premium, o café de Jacu, produzido a partir de fezes desta ave, carrega um legado importante na preservação ambiental.
Volume da moagem representa um avanço de 18,95% em relação ao mesmo período do ciclo 2022/23
Durante a cerimônia da Abertura da Colheita também foi assinado um convênio entre o Ibraoliva e o Ministério da Agricultura e Pecuária
Um estudo recente realizado pela consultoria Agrifatto analisou a evolução da produtividade na pecuária brasileira ao longo dos últimos anos.