Search
Close this search box.

Produção paulista de abacate cresce mais de 8,5% em 2023

12 de abril de 2024

Estado de São Paulo produziu 192 mil toneladas de abacate no ano passado
Compartilhe no WhatsApp
Produção paulista de abacate cresce mais de 8,5% em 2023

São Paulo é líder nacional na produção de abacate e a cada safra o volume colhido vem crescendo significativamente. De acordo com o balanço realizado pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA – Apta), órgão ligado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA), em 2023, o estado chegou a produzir a incrível marca de 192 mil toneladas, 8,54% maior que o registrado no ano anterior. Vale destacar que em 2021 foram colhidas 189 mil toneladas.

Números que posicionam a fruticultura paulista, no segmento abacateiro, à frente de principais estados produtores do Sul e Sudeste como, por exemplo, Minas Gerais, Paraná e Espírito Santo.

Ainda não há uma estimativa de produção para este ano, mas a tendência é que seja muito semelhante ao verificado em 2023.

“Normalmente, as variações ano a ano de culturas perene são muito pequenas”, explica o pesquisador do IEA – Apta, Celso Vegro.

A região de Campinas é o principal polo produtivo da fruta. No ano passado, foram colhidas mais de 85 mil toneladas de abacates, sendo o município de Jardinópolis, maior produtor estadual, com uma média anual de 8,6 mil toneladas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com sede em Bauru, a agropecuária Jaguacy lidera a produção nacional da variedade Hass, conhecida como avocado. Apesar de apostar na irrigação para produzir a fruta, a empresa acredita que este ano, por conta da seca, a safra pode ser afetada.

“A produção de 2023 foi excelente, porque no ano passado o clima favoreceu bastante o desenvolvimento das plantas. O problema é agora, depois de uma seca muito grande”, relatou Lígia Carvalho, produtora rural e diretora da Jaguacy.

Vale destacar que a agricultura irrigada é um dos focos principais da atual gestão da Secretaria de Agricultura. O secretário Guilherme Piai, esteve em março deste ano, nos Estados Unidos, para desenvolver um novo Plano de Irrigação.

“Nossa meta é dobrar essa cobertura em no máximo quatro anos e chegar a 15% até 2030”, anunciou Guilherme Piai.

Atualmente, apenas 6% da área produtiva paulista é irrigada. O plano está sendo desenvolvido em parceria com a universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, e com a empresa Lindsay, que opera em mais de 90 países com sistemas de irrigação.

Crescimento da Área de Cultivo 

Conforme o estudo realizado pela Embrapa, as principais exigências do cultivo do abacate ficam por conta da temperatura e da precipitação. Em relação ao clima, comportam-se diferentemente de acordo com as suas origens.  Regiões expostas a ventos fortes e frios, por exemplo, não são indicadas, pois propiciam a queima e queda dos frutos, nas regiões semiáridas e subúmidas.

As principais variedades cultivadas no país são o avocado (Hass), além de breda, fortuna, geada, margarida, ouro verde e quintal. De acordo com os dados divulgados pelo IEA – Apta, o estado registrou uma área de 7.753 hectares, distribuídos em 5.327 estabelecimentos agropecuários e o valor bruto da produção (VBP) calculado em R$ 517 milhões.

“Nos últimos anos, a área destinada ao cultivo da fruta registrou aumentos constantes: considerando-se os cinco últimos anos, a taxa de crescimento da área foi de 22% (2022×2018) e nos últimos dez anos esse aumento foi de 86%. Os motivos que impulsionam a área produzida se dão principalmente pela demanda crescente do produto, tanto no mercado interno como no mercado externo e os resultados econômicos favoráveis da atividade”, pontuou Marina Marangon, assessora técnica do Departamento Econômico da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP).

Aumento do Consumo Interno

A produção atual brasileira de abacate é autossuficiente para o abastecimento do mercado interno e externo. Entretanto, o consumo da fruta no país, ainda fica muito aquém, em relação a outros países. Dados do IBGE relatam que apenas 1,9 kg/ano é consumido por brasileiros. Enquanto, nos Estados Unidos, o consumo per capita chega a quase 4 kg/ano, no Canadá 3 kg/ano e no México, entre 6,5 e 7 kg/ano, aponta a revista Fruit Trop.

“O consumo per capita de avocado e abacate, no Brasil, ainda é muito pequeno. Nós tivemos um leve aumento no consumo, mas ainda há uma possibilidade gigantesca. Porém, é uma questão de costume, cultura, acessibilidade e também de conhecimento sobre os benefícios da fruta”, Lígia Carvalho.

O crescimento leve já é notório, principalmente, por três setores que estão alavancando o mercado de abacate: culinária, saúde e estética.

“O mercado de abacate vem se expandindo nos últimos anos, pelos seus benefícios à saúde, pois é considerado um superalimento. É uma fruta versátil, podendo ser consumida de várias formas”, ressaltou  a Coordenadora da Rotas Rurais, Priscila Fagundes.

A polpa é a principal parte utilizada para consumo in natura, na forma de sobremesa, saladas e molhos. Também, é um produto de extrema relevância comercialmente para outros setores. No caso da indústria de cosméticos, a extração do óleo da fruta é utilizado para diversos produtos de beleza.

No ramo alimentício, voltado aos produtos saudáveis, para a nutricionista do Departamento de Segurança Alimentar da COSALI, da SAA, Sizele Rodrigues, o consumo de abacate torna-se essencial no cardápio dos brasileiros, já que é rico em nutrientes que contribuem para prevenção de doenças, entre outros benefícios.

“Além de conter quantidades significativas de vitaminas E, o abacate é rico em gorduras boas que auxiliam no controle do colesterol e ajudam a prevenir doenças cardiovasculares. O ácido oleico, um dos tipos de gordura presente no abacate, aumenta a sensação de saciedade e leva a uma menor ingestão no volume de alimentos. Ainda, algumas pesquisas apontam que o consumo frequente de abacate pode reduzir o risco de algumas desordens metabólicas”, explica a nutricionista.

Segundo o pesquisador Celso Vegro (IEA – Apta), o investimento na fruticultura situa-se dentre os que maior rentabilidade oferece diante das demais alternativas de inversão na agropecuária.

“Particularmente, no caso do abacate, a fruta tem se beneficiado pela disseminação das dietas vegana/vegetariana, fitness e a incorporação nos hábitos alimentares da população a culinária mexicana”, frisou o pesquisador.

Mercado Mundial de Abacate

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), a estimativa é que o abacate se torne a fruta tropical mais comercializada até 2030, com as exportações globais superando as quatro milhões de toneladas, acima das vendas externas de manga e de abacaxi, atrás apenas da banana.

O Brasil é o sétimo maior produtor mundial de abacate. Em 2022, o país produziu cerca de 330 mil toneladas de abacate, sendo que a produção paulista corresponde a quase 50% do cultivo nacional. Além de contribuir com o mercado interno, o estado de São Paulo é um dos principais exportadores de abacate.

“Foram exportados aproximadamente 784 contêineres dos produtores paulistas, isto representa 90% da exportação total de abacates do Brasil”, disse Lígia Carvalho, produtora rural e diretora da Jaguacy.

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), 31,5% do total exportado pelo Brasil, entre os meses de janeiro a outubro de 2023, foi para a Argentina. Em 2023, foram exportadas mais de 9,7 mil toneladas e a expectativa, segundo a diretora, é manter a mesma média, com envio de 400 contêineres, por conta da quantidade maior de produtores parceiros.

“Nós exportamos para países como a Argentina e o Uruguai, na Europa: Espanha, França, Holanda, Alemanha, Inglaterra. Além do leste europeu, a Rússia. Também exportamos para Marrocos e este ano pretendemos iniciar um trabalho com a Malásia”, destacou Lígia Carvalho.

Fonte: SEC AGRICULTURA SP

De Abrafrutas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob