Search
Close this search box.

Produção mundial de tangerinas atinge 44,2 milhões de toneladas

6 de maio de 2024

O Brasil é o quinto maior produtor mundial
Compartilhe no WhatsApp
Produção mundial de tangerinas atinge 44,2 milhões de toneladas

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) divulgou dados sobre a produção global de tangerinas em 2022, totalizando 44,2 milhões de toneladas do cítrico. Essa produção ocupou uma área de 3,3 milhões de hectares em 68 países. A China se destaca como líder nessa atividade, contribuindo com 61,5% das colheitas mundiais e cultivando 73,1% da área dedicada à espécie. Enquanto isso, o Brasil figura como o quinto maior produtor mundial, respondendo por 2,5% das quantidades obtidas.

Os dados foram divulgados no Boletim de Conjuntura Agropecuária, elaborado pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Em território brasileiro, a colheita de tangerinas em 2022 totalizou 1,1 milhão de toneladas, provenientes de 56,4 mil hectares, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

São Paulo se destaca como o principal fornecedor da fruta para o país, contribuindo com 34,0% do volume das tangerinas colhidas. A produção comercial está distribuída em 21 unidades da federação.

O Paraná ocupa o quarto lugar no ranking nacional de produção de tangerinas, com destaque para Cerro Azul, no Vale do Ribeira, que é responsável por 9,2% da produção nacional e 8,4% do Valor Bruto de Produção (VBP) da fruta. Além disso, o cítrico é explorado em outros 1.357 municípios do país.

Segundo o Deral, o Paraná contabilizou uma área de 6,9 mil hectares e uma colheita de 135,2 mil toneladas de tangerinas em 2022. Houve uma redução de 21,1% na área e de 1,0% nos volumes colhidos no estado entre 2013 e 2022.

A safra de tangerinas de 2024 no Vale do Ribeira está em início de colheita, e a expectativa é de uma produção superior à safra passada, devido ao bom desenvolvimento das plantas e aos investimentos realizados pelos citricultores nos pomares. A intenção é oferecer ao mercado frutas com alto padrão de qualidade de casca e sabor.

Nas Centrais de Abastecimento do Paraná (CEASA) em 2023, foram comercializadas 40,5 mil toneladas e R$ 129,5 milhões em tangerinas nacionais até novembro passado, com um preço médio de R$ 3,20/kg. As principais origens foram os pomares estaduais (52,2%), São Paulo (27,8%) e Rio Grande do Sul (14,7%).

De Abrafrutas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob