Search
Close this search box.

Produção de arroz e feijão cai e chega ao limite do consumo

9 de junho de 2023

O consumo do arroz e feijão é uma tradição cultural no País, estando presente em mais de 60% das mesas brasileiras, segundo uma pesquisa do IBGE.
Compartilhe no WhatsApp
Produção de arroz e feijão cai e chega ao limite do consumo

feijão e o arroz são fundamentais para a alimentação dos brasileiros, tanto do ponto de vista nutricional quanto cultural. Esses produtos são a base da dieta de muitas famílias, mas o nível da produção agrícola está chegando no limite do consumo, alerta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dois alimentos são de baixo custo e fáceis de preparar, o que os torna acessíveis para grande parte da população brasileira, especialmente para as famílias com menor renda. O consumo desses alimentos é uma tradição cultural no País, estando presente em mais de 60% das mesas brasileiras, segundo uma pesquisa do IBGE.

Embora o Brasil seja um dos principais produtores agrícolas do mundo, as lavouras são concentradas em poucos itens com destino à exportação. Somente a soja representa a metade da quantidade produzida de grãos para a safra 2022/2023, com um volume previsto de R$ 151,4 milhões de toneladas, sendo mais de 60% destinado ao mercado externo.

Arroz no menor nível em 25 anos

A produção brasileira de arroz atingirá este ano seu menor patamar em mais de duas décadas. A estimativa é de que o Brasil colha 9,84 milhões de toneladas do grão, menor produção desde 1998. O volume é insuficiente para atender a demanda interna, projetada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 10,25 milhões de toneladas.

O enxugamento de 51,7% na área plantada ao longo de 20 anos, além dos problemas climáticos, resultou em uma queda de 7,6% na produção em comparação ao ano passado, uma perda de 812 mil toneladas. A estiagem registrada no Rio Grande do Sul, que é responsável por mais de dois terços da produção nacional, influenciou os números do Brasil.

Produção de feijão estagnada

O volume produzido de feijão deve ficar em cerca de 3,1 milhões de toneladas este ano, o mesmo volume obtido em 2022. A redução na estimativa de produção do grão pode ser explicada, em parte, pela perda da área de plantio para a cultura da soja, que apresenta uma rentabilidade maior e vem aumentando nos últimos anos.

Por enquanto, a produção deve atender a demanda interna. No entanto, para abastecer o mercado nacional, o Brasil precisa aumentar a produção em 44% até 2050, apontou um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (Embrapa) em conjunto com a Universidade de São Paulo (USP).

Vai faltar feijão e arroz?

O risco de falta de feijão e arroz na mesa dos brasileiros é baixo, porque os grãos podem ser importados de países vizinhos. No caso do arroz, uma isenção de imposto de importação já foi adotada no passado quando houve desabastecimento do produto, sendo o Uruguai o fornecedor mais provável em caso de necessidade.

A medida pode ser adotada no caso do feijão e também não será inédita. O Brasil já importa todo o volume consumido do feijão-alúbia, utilizado no preparo da dobradinha, da Argentina. Contudo, alguns tipos preferidos pelos brasileiros, como o carioquinha, que responde por mais de 70% da produção nacional, são mais difíceis de achar no mercado global.

O aumento das importações deverá elevar os preços do feijão e do arroz e impactar diretamente a segurança alimentar brasileira. A retomada da formação dos estoques públicos pela Conab deve aliviar o valor pago pelo consumidor, mas pode ser insuficiente para segurar a alta desses alimentos.

Por Estadão

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.