Search
Close this search box.

Produção de biogás entre empresas paranaenses permite abastecer 120 casas ao mês

18 de janeiro de 2023

Cooperativa Castrolanda e Vapza promovem desenvolvimento sustentável e geração de energia limpa por meio de resíduos industriais.
Compartilhe no WhatsApp
Produção de biogás entre empresas paranaenses permite abastecer 120 casas ao mês

Na região dos Campos Gerais, no Paraná, uma parceria entre a Cooperativa Castrolanda e a Vapza, companhia especializada em alimentos cozidos no vapor e embalados a vácuo, permite utilizar resíduos orgânicos da produção industrial para gerar biogás destinado à energia elétrica. A energia gerada no processo consegue abastecer o equivalente a demanda elétrica de 120 casas ao mês com o reaproveitamento de 100 toneladas de resíduo industrial.

“A parceria surgiu a partir da busca por novas alternativas de destinação de resíduos e encontramos no biodigestor a melhor escolha, pois ele é considerado a forma mais limpa e sustentável de destinação de resíduos orgânicos, sendo a única com pegada de carbono negativa”, comenta o CEO da Vapza, Enrico Milani.

A energia é direcionada para a Cooperativa de Geração Compartilhada de Energia Elétrica (Cogecom), responsável por receber o insumo também de outras usinas que atuam de forma renovável e direcionar aos clientes que acessam os créditos em suas faturas.

O que é o Biogás

O biogás gerado é constituído principalmente por metano, gás carbônico e sulfeto de hidrogênio. O sulfeto, por ser um elemento corrosivo, precisa ser removido e, por isso, o biogás passa por um tratamento com filtros de carvão ativado. Em sequência, o biogás já tratado alimenta os motogeradores a combustão, que utilizam o metano proveniente desse processo para a geração de energia.

O coordenador de Energias Renováveis da Castrolanda, Gilvan Plodowski, explica que o biodigestor da unidade industrial da Cooperativa tem capacidade para recebimento de resíduos de terceiros, viabilizando a parceira com a Vapza. “O mais interessante é que se trata de um modelo de tratamento de resíduos que é circular, ou seja, nada se perde. O resíduo recebido passa por fermentação e gera biogás, que é convertido em energia elétrica. Já o material fermentado vira biofertilizante que é aplicado nas lavouras dos cooperados”, explica Plodowski.

O biogás tem ganhado espaço no Brasil como fonte limpa de energia. Segundo dados do CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis – Biogás), em 2021, o país produziu 2,35 bilhões de Nm³ (metro cúbico normal) do composto e chegou a 755 plantas em operação. De acordo com a entidade, o aumento na produção foi de 10% em comparação com o ano anterior.

A parceria foi iniciada em julho deste ano a partir da destinação de resíduos orgânicos da Vapza. Para ser inserido no biodigestor da Castrolanda, o composto é homogeneizado e dosado de forma contínua. No equipamento, ocorre um processo biológico de decomposição anaeróbia da matéria orgânica, gerando biogás e biofertilizante.

A Vapza tem realizado investimentos para promover o desenvolvimento sustentável. No início deste ano, a empresa recebeu certificação “Aterro Zero” em razão do reaproveitamento de todo o resíduo industrial da companhia. Outra iniciativa que preza pela sustentabilidade é a parceria com a ACMRC (Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Castro), que promove a doação de recicláveis como papel, plástico, vidros e eletrônicos gerados na fábrica a catadores de resíduos sólidos.

“Com essas mudanças, esperamos evoluir e agregar com ações cada vez mais sustentáveis. Acreditamos que com pequenas atitudes, juntos podemos transformar o mundo em um lugar melhor”, finaliza Milani.

Por: Castrolanda

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O saldo alcançou US$9,42 bilhões, aumento de 14,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior
Programas de destaque incluem “Vivenciando a Prática”, que já mostrou realidade do agronegócio a mais de 30 mil estudantes e professores, e a Agroteca Digital
O estudo foi realizado pela HR Tech Mereo, plataforma integrada de gestão de pessoas presente em cerca de 40 países, responsável por atender a 10% das 500 maiores empresas do Brasil.
Totalizando R$ 228,6 bilhões o valor representa 22,2% do total do PIB estadual