Search
Close this search box.

Preço do Bacalhau sofre variação de 300% nas capitais

7 de abril de 2023

Preços de pescados e ovos estão muito mais altos na Quaresma, período que tradicionalmente também aumenta a demanda.
Compartilhe no WhatsApp
Preço do Bacalhau sofre variação de 300% nas capitais

Na semana que antecede a Páscoa, muitos brasileiros possuem o hábito de consumir peixes, bacalhau, ovos, azeitonas pretas e azeite de oliva durante o período e principalmente nos almoços da sexta-feira Santa e Páscoa. Mas os preços de pescados e ovos estão muito mais altos na Quaresma, período que tradicionalmente também aumenta a demanda.

Segundo pesquisadores do Cepea, isso se deve principalmente devido às altas nos preços dos ingredientes básicos da ração – de galinhas e de peixes – como o farelo de soja e o milho. De acordo com o Centro de Estudos de Economia Aplicada (Cepea/USP), as fortes altas acumuladas nas três primeiras semanas de fevereiro elevaram significativamente os preços médios mensais dos ovos, que atingiram recordes.

O custo de produção tem crescido bastante ao longo dos últimos anos, principalmente os custos com milho e farelo de soja que são os principais componentes da ração animal. Mas o que antes era uma alternativa, agora vai complicar ainda mais a vida dos brasileiros. É que o ovo está mais caro também.

Para Fábio Pizzamiglio, diretor da Efficienza, empresa especializada no comércio exterior, o cenário é uma oportunidade para o aumento das importações. “Com valores mais elevados no mercado e com uma demanda aquecida, podemos apostar no aumento da importação desses produtos, algo que pode passar no período das festividades e ter sequência em todo o ano”, afirmou o executivo.

Em algumas cidades, como em Belo Horizonte (MG), os preços podem estar até 20% mais altos. No entanto, na média nacional, a alta é de 14%. A caixa do ovo branco, com trinta dúzias subiu 14% desde o começo do ano. O tipo vermelho aumentou 15,7% no mesmo período. Uma elevação recorde desde que o índice começou a ser medido, há dez anos, pelo Cepea.

No Nordeste, os preços dos ovos também continuam subindo, no Maranhão a cartela com 30 ovos brancos está custando na média R$ 31,90 e em Teresina no Piauí os preços variam em torno de R$ 20,90, enquanto os ovos vermelhos R$ 30,00.

Para economizar no almoço de Páscoa, a educadora financeira da fintech Acordo Certo, Bruna Allemann, dá algumas dicas: “Uma alternativa para fugir dos altos preços é recriar receitas tradicionais e substituir produtos por opções parecidas e mais baratas. Outra dica é compartilhar o cardápio com os convidados e dividir qual prato cada um irá levar”, recomenda. “Também é importante fazer uma lista de compras e ir ao mercado com antecedência para evitar os preços superfaturados na véspera”, complementa.

Exportação do produto

Os dados preliminares divulgados pela secretaria de comércio exterior sinalizam que os embarques de ovos e outros produtos apresentaram pequena evolução em volume, enquanto a receita alcançou índice positivo extremamente elevado.

O total embarcado atingiu quase 3.307 toneladas, significando incremento de 1,2% sobre o embarcado no ano passado. De toda forma, o embarque diário mostrou elevação de 6,8%, significando que o volume mensal só não foi maior porque em fevereiro deste ano teve contabilizado um dia a menos.

Para Fábio Pizzamiglio, a exportação pode ser beneficiada pela alta do preço. “Com os preços dos ovos e peixes em alta durante a Quaresma, os produtores brasileiros podem se beneficiar das exportações para diversificar seus mercados e aumentar suas receitas. Os dados preliminares divulgados pela secretaria de comércio exterior mostram que há espaço para crescer nas exportações de ovos e ovoprodutos, e a Efficienza está pronta para ajudar os produtores a encontrar novos mercados e expandir seus negócios no comércio exterior”, completou.

Bacalhau com variação de mais de 330% 

O quilo do bacalhau pode variar muito de uma região para outra, segundo pesquisa do Mercado Mineiro, em Belo Horizonte, O bacalhau tipo cod foi de R$ 152,68 para R$ 171,57 (12,37%). O bacalhau tipo porto imperial, dos R$ 177,88 para R$ 196,43 (10,43%). E o bacalhau tipo saithe, dos R$ 78,83 para R$ 83,32 (5,7%). Das opções mais “em conta”, o quilo da tainha, que custava em média R$ 25,90, subiu para R$ 39,90, com aumento de 28%. O do filé de merluza subiu de R$ 26,79 para R$ 32,76, alta de 22%.

O Procon de Goiás realizou uma pesquisa de preços com peixes de água salgada, doce e frutos do mar. O levantamento apontou uma variação de até 332% e um aumento médio de 58% em alguns produtos comparados ao ano passado. A maior variação foi entre o bacalhau tipo saithe, que custa de R$ 34,90 a R$ 150,90 – uma diferença de 332% no mesmo produto. Já o famoso “Gadus Morhua” pode ser encontrado entre R$ 99,00 e R$ 239,90 o quilo.

Em São Paulo, o preço do quilo do bacalhau tipo “Gadus Morhua” pode ser encontrado o quilo entre R$ 149,00 a R$ 290,99. O bacalhau tipo saithe chega à sacola do consumidor com uma variação de R$ 26,90 a R$ 81,90. No Rio de Janeiro, o preço do quilo do bacalhau tipo “Gadus Morhua” pode ser encontrado a partir de R$ 132,50 chegando a casa dos R$ 315,90. No tipo saithe a variação é menor ficando entre R$ 28,90 a R$ 75,90 o quilo.

Mesmo buscando alternativas para deixar o almoço mais em conta, os brasileiros ainda sofrem com a alta dos preços de outros ingredientes, como por exemplo, o ovo, a azeitona preta, azeite extra virgem etc. Para Fábio “É claro que podemos ver uma diminuição nos valores, mas enquanto tivermos o dólar alto, e os custos gerais elevados, será complexo manter as tradições desse período”, afirmou o executivo.

No nordeste, um levantamento feito pela Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor da Paraíba (Procon-PB) mostra que o quilo do lombo de bacalhau está custando entre R$ 74,50 e R$ 99,99 em João Pessoa. Segundo dados do Procon em Juazeiro da Bahia, o quilo do bacalhau tipo Saithe varia de R$ 52,90 a R$ 59,90. Do total de entrevistados pela pesquisa feita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso do Sul (Fecomércio), 34,94% dos sul-mato-grossenses informaram que o peixe não pode faltar em suas compras de páscoa para a comemoração.

Por SouAgro

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

42 ª Exposição Internacional do Cavalo Puro Sangue Lusitano acontece de 20 de maio a 02 de junho no Parque da Água Branca
O aumento do uso de coprodutos representa uma solução sustentável para a destinação de resíduos
São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Volume alcançou em 178,8 mil toneladas até a quarta semana, sendo que no ano anterior foram exportadas 168,4 mil toneladas