Search
Close this search box.

Pluma do MT tem comercialização afetada por conta de incerteza global

27 de dezembro de 2022

De acordo com o Imea, incerteza global tem causado desaceleração na comercialização de pluma no Mato Grosso
Compartilhe no WhatsApp
Pluma do MT tem comercialização afetada por conta de incerteza global
Incertezas quanto à economia mundial, somadas às restrições comerciais na China têm gerado desconfianças – Foto: CNA/Wenderson Araujo/Trilux

Os atrativos preços da pluma registrados no início do ano de 2022, atrelado à expectativa de um maior percentual de áreas semeadas dentro da janela ideal, estimulou os cotonicultores a investirem no algodão.

Desse modo, a área da safra 2021/22 ficou 22,41% superior ao registrado na safra passada, totalizando 1,18 milhão de hectares em Mato Grosso. Esse cenário refletiu em uma adição de 9,26% na produção do estado, mesmo com a produtividade atingindo o menor patamar dos últimos anos.

Cabe destacar que, no decorrer do ano, as cotações exibiram expressivas quedas, pautadas pelas incertezas quanto à economia global. Diante disso, houve uma desaceleração na comercialização da pluma da safra 2021/22, que em novembro/22 ficou 4,66 p.p. atrás do mesmo período da safra 2020/21.

Por fim, o adiantamento da colheita no ciclo contribuiu para o ritmo das exportações, que está 31,31% à frente do acumulado (agosto a novembro) do mesmo período de 2021, e é projetado que sejam escoados 1,37 milhão de t de pluma deste ciclo, alta de 13,00% ante a safra 20/21.

Perspectivas para a pluma

Com as incertezas quanto à economia mundial, somadas às restrições comerciais na China, que visam conter o avanço da Covid-19 no país, o USDA estima uma redução de 2,84% no consumo do algodão na safra 2022/23 ante a 2021/22, fator que vem afetando negativamente os preços da pluma na bolsa de NY.

Esse cenário tem desestimulado as negociações em Mato Grosso, sendo observada uma desaceleração nas vendas da pluma da safra futura, que em novembro/22 atingiu 52,51% da produção estimada para o ciclo, 0,13 p.p. atrás da média dos últimos cinco anos. Com isso, a expectativa para a safra 2022/23, é que não haja incremento na área, mantendo os 1,18 milhão de hectares registrados na safra 2021/22.    

No entanto, estima-se uma produção de 4,91 milhões de toneladas de algodão em caroço, 12,19% superior à do ciclo 2021/22, pautada pela expectativa de um melhor rendimento para a temporada. Por fim, há fatores ainda em aberto, como o clima, que serão determinantes para que essa projeção se concretize.

As informações constam no Boletim Semanal do Imea – Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola.

Fonte: SAFRAS & Mercado

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Valor é 4,4% maior que os US$ 35,85 bilhões em exportações registrados no primeiro trimestre do ano passado
Impulsionadas pela soja em grão, pelo açúcar bruto e açúcar refinado, as exportações do Paraná cresceram 4,7% em valor no primeiro trimestre do ano em relação a igual período do ano passado, informou em nota a Agência Estadual de Notícias.
ABCZ foi escolhida para sediar a segunda edição do COMCEBU; evento é aliado à 89ª ExpoZebu
Desembolsos nos primeiros oito meses da safra cresceram 13%, diz Seapa