Search
Close this search box.

Pirarucu ganhou destaque em evento internacional de pesca e aquicultura

7 de dezembro de 2023

Além de ser temas de painéis com a participação de produtores locais e de especialistas, a espécie foi escolhida para as peças promocionais do evento; durante os três dias de feira, o público pôde ver de perto o peixe criado em cativeiro
Compartilhe no WhatsApp
Considerado o “Gigante da Amazônia”, o pirarucu ganhou destaque em evento internacional de pesca e aquicultura

Considerado como ‘garoto propaganda’ do I IFC Amazônia, que encerrou na noite desta terça-feira (5) no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, o pirarucu tem sido uma das espécies que mais ganharam notoriedade na programação. Na última segunda-feira à tarde, a espécie, que aparece no material de divulgação do evento, foi tema de um painel que tratou dos sistemas de produção, desafios tecnológicos e de mercado na produção do “gigante da Amazônia”.

Um dos maiores criadores do pirarucu no Pará, Eduardo Arima, teve uma participação de destaque no I IFC Amazônia. A convite da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), o produtor foi um dos palestrantes que participaram do painel específico para tratar do peixe. Arima também disponibilizou para o evento dois filhotes de pirarucu de 70 centímetros (com peso de 50 quilos cada) que têm despertado a atenção de muitos participantes da programação.  Os pirarucus fazem parte da leva criada em cativeiro na propriedade localizada no município de Benevides.

O grupo, formado por quatro estudantes de engenharia de pesca da Universidade Federal do Pará (UFPA) que participam do IFC, aproveitou a visita à feira instalada no térreo do Hangar para saber um pouco mais da espécie. Vítor Mateus Souza disse que ele e os colegas já conheciam um pouco sobre o pirarucu por conta das matérias realizadas na UFPA que tratam sobre os peixes da Amazônia. O estudante informou que também já estudou sobre o peixe pela internet.

“Nós participamos de palestras voltadas para os nossos peixes regionais e soubemos que há espécies que não têm aquele valor estimulado para o consumo da gente mesmo que é da  terra, então a gente espera que melhore isso, com as palestras de hoje em dia, com muita coisa publicada, a gente verifica que esse peixe precisa ser mais valorizado, melhoraria mais para os produtores se eles receberem mais incentivo”, observou o estudante.

image 9

O colega de turma, Marcos Rodrigues, complementou o raciocíno e opinou que o pirarucu precisa ter seu valor agregado. “Nós assistimos aqui em algumas palavras que o custo de produção do pirarucu em cativeiro é elevado e que precisa ter uma estratégia de marketing mais trabalhada para que esse peixe tenha o valor que ele merece realmente”, opinou.

As dificuldades para aumentar a produção da espécie existem, mas estão sendo trabalhadas intensamente para melhorar o mercado, como observou Eduardo Arima, que acompanhou de perto a visita dos estudantes da UFPA ao tanque onde se encontram as espécies. Segundo ele, a maior dificuldade registrada atualmente por quem cria o pirarucu é a produtividade. Ele explica que participa de um grupo formado por nove produtores, mas a quantidade produzida por eles ainda deixa a deseja para exportar a espécie. “Temos peixe demais para o mercado local e de menos para o exterior; temos conseguido enviar alguma demanda para os Estados Unidos, mas é para complemento de carga”, observou o produtor.

 Ele adiantou que o grupo já recebeu uma encomenda dos Emirados Árabes mas não conseguiu atender a tonelada pedida. “Nosso desafio nem é com relação à criação, mas é referente à quantidade, para termos volume o suficiente para abastecer o mercado de fora”, disse. Segundo ele, o ideal era que os produtores tivessem disponível o mínimo de 70 mil animais anualmente e hoje a produção é de  20 mil, como observou o criador. Atualmente a capacidade de produção é para apenas três meses. “Não tem como fechar contrato com essa quantidade”, avalia Arima.

image 8

Incentivo – Apesar das dificuldades que o segmento enfrenta, como observou Eduardo Arima, os produtores recebem grande incentivo do Governo do Estado por meio da Sedap. “A Sedap conhece o nosso projeto e contribui para a venda do produto, recebemos apoio para participamos de eventos fora, somos parceiros na Feira do Pescado onde a gente apresenta o nosso produto e foi muito bom esse convite para expormos aqui, acredito que com esse destaque que estamos tendo no IFC, a gente deve conseguir melhorar nosso trabalho. Nosso projeto é que daqui a 2025 a gente tenha essa capacidade de produção, estamos investindo pesado para isso”, anunciou Arima. Ele lembrou que o Governo do Estado, também através do Banco do Estado do Pará (Banpará), oferta financiamento para alavancar a produção.

O diretor de pesca da Sedap, Orlando Lobato, enfatizou que a secretaria tem dado apoio aos produtores da aquicultura envolvendo a maricultura e a  pscicultura através do repasse de horas máquina, com assistência técnica, para elaboração de projetos e visitas nas propriedades. “Especificamente sobre o projeto pirarucu, a Sedap tem repassado apoio de  forma geral, mas é necessário que no próximo ano, a gente paute um apoio mais com foco, onde a gente possa verificar essa espécie amazônica, a produção em cativeiro e a Sedap ter um certo protagonismo nesse apoio de forma que a gente possa aumentar essa produção”, garantiu o diretor de Pesca.

O diretor disse que a secretaria está buscando as formas de investimentos financeiros no segmento, se recursos do próprio governo, de emenda parlamentar ou de crédito. “A própria Sedap auxiliar na tomada de crédito, esse é um tipo de apoio que a gente pode pontuar para que a gente materialize o aumento da produção em cativeiro e possamos aumentar essa produção, que é boa para a melhoria de qualidade de vida desses que produzem e também a circulação de receita no Estado”, garantiu Orlando Lobato.

image 7

Sobre o pirarucu – De acordo com o experiente criador, na cadeia do peixe não tem quem se comporte melhor em ganho de peso da parte de criação do que o pirarucu.

Os alevinos chegam em média com 20 centímetros e até 10 quilos em um período de um ano. A capacidade de produção ano é de 30 toneladas. “O nosso produto, devido a gente fazer o abate até 10 quilos, é diferenciado; quem prova do nosso peixe não deixa de comprar não”, garantiu Arima.

Por Agência Pará

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com 2,8 milhões de toneladas, o Brasil se posiciona como o maior exportador global de algodão, ultrapassando os Estados Unidos
Medida é para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes de eventos climáticos extremos no Rio Grande do Sul. O arroz será vendido ao consumidor pelo preço tabelado de R$ 4 por quilo
42 ª Exposição Internacional do Cavalo Puro Sangue Lusitano acontece de 20 de maio a 02 de junho no Parque da Água Branca
Projetos de lei que reduziriam a dependência brasileira da importação de fertilizantes, impulsionando a produção agropecuária sustentável e tornando o País mais competitivo.