Search
Close this search box.

PIB do agro tem queda de 4,22% em 2022, após recordes em 2020 e 2021

22 de março de 2023

Alta dos custos de produção e redução da safra de algumas culturas no último ciclo pressionou resultados do PIB do setor no ano passado
Compartilhe no WhatsApp
PIB do agro tem queda de 4,22% em 2022, após recordes em 2020 e 2021

Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro, calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), caiu 4,22% em 2022. Esse cenário foi registrado após o PIB ter atingido sucessivos recordes em 2020 e em 2021, com o biênio se consolidando como um dos melhores da história recente do setor.

Segundo pesquisadores do Cepea, o principal fundamento para o cenário de baixa no ano passado é a forte alta dos custos com insumos no setor, tanto na agropecuária quanto nas agroindústrias, que tem corroído o PIB ao longo das cadeias. Considerando-se os desempenhos da economia brasileira e do agronegócio, a participação do setor no total alcançou 24,8% em 2022, abaixo dos 26,6% registrados em 2021.

PIB do Agro

Enquanto o PIB da agricultura recuou expressivos 6,39%, o da pecuária avançou 2,11%. Pesquisadores do Cepea indicam que o resultado negativo do ramo agrícola esteve atrelado à forte alta dos custos com insumos para a produção agrícola dentro da porteira, como fertilizantes, defensivos, combustíveis, sementes e outros.

O aumento dos custos de produção superou, em grande medida, o crescimento do faturamento. Considerando a média ponderada das diversas culturas acompanhadas, houve elevação real de 6,44% do faturamento e crescimento real de 37,4% dos custos com insumos. Além disso, o PIB agrícola também foi pressionado pela redução da produção em culturas importantes, especialmente a soja, que detém peso expressivo no PIB.

Quanto à pecuária, o crescimento do PIB em 2022 esteve atrelado aos avanços nos segmentos primário e de agroserviços. No segmento primário, a alta decorreu de algum aumento do valor bruto da produção (produção maior, haja vista os menores preços frente a 2021), somada à redução dos custos com insumos; neste último caso, em relação ao patamar expressivamente elevado alcançado em 2021.

Na semana passada, o Cepea confirmou que a diferença de preços da arroba e da carne do boi gordo atingiu o maior patamar desde 2021

Por Money Times

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior