Pesquisa “Percepções do Brasileiro Sobre o Agro”

Pesquisa, que terá seus resultados apresentados publicamente, faz parte do projeto de construção da marca "Agro do Brasil" para fortalecer a imagem do setor.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Pesquisa "Percepções do Brasileiro Sobre o Agro"
yellow grain agricultural combine harvester on field with Brazil flag background, food industry concept – industrial 3D illustration
Áudio

Um raio-x abrangente para entender, de forma realista e embasada por uma metodologia robusta, o que os brasileiros pensam sobre o agronegócio. Esse é o principal objetivo da pesquisa “Percepções do Brasileiro Sobre o Agro”, uma iniciativa do Movimento Todos a Uma Só Voz, que nasceu com a premissa de conectar toda a cadeia produtiva do Agro ao envolver associações, entidades e profissionais dos mais diversos elos da economia para fortalecer a imagem do setor, por meio de informações acessíveis a todos. A pesquisa está sendo formatada e deverá ter seu relatório divulgado em junho de 2022.

O estudo faz parte do projeto de construção da marca “Agro do Brasil” que pretende estimular a empatia dos brasileiros pelo Agro para ajudar a fortalecer o setor e gerar novas oportunidades, conforme explica o idealizador do Movimento Todos a Uma Só Voz, Ricardo Nicodemos. Ele ressalta que tudo indica que, em 2022, o Agro representará 30% do Produto Interno Bruto (PIB).

A fatia é reflexo da evolução em produtividade, práticas sustentáveis e em tecnologia do Agro brasileiro, o posicionando em uma colocação de destaque mundial na produção e exportação de commodities.

“No entanto, o País não construiu a marca ‘Agro do Brasil’ e tampouco investiu em comunicação para agregar valor à sua imagem e mostrar seus grandes feitos e conquistas”, ressalta Nicodemos.

Desta forma, a ideia do Movimento é construir um projeto de branding que contemplará o posicionamento e a criação do conceito da marca. Para este trabalho, o projeto prevê quatro fases: diagnóstico, planejamento, implantação e manutenção.

A pesquisa é a base da primeira fase do projeto, que avaliará as percepções dos brasileiros sobre o Agro ao diagnosticar os índices de conhecimento sobre o setor e o de reputação da imagem, além de investigar o que atrai, o que encanta ou detrata a marca e, ainda, como o Agro agrega valor aos produtos industrializados.

Justificativa da pesquisa: para admirar é preciso conhecer

Segundo o diretor da Paulo Rovai Marketing e Negócios, mentor do Movimento Todos a Uma Só Voz e coordenador geral da pesquisa, Paulo Rovai, atualmente, não há dados públicos sobre a percepção dos brasileiros sobre o setor, já que só existem pesquisas privadas sobre o tema, de acesso limitado aos contratantes e não abertas ao mercado.

“Além desse pioneirismo, os dados pretendem mensurar, de forma estratégica e com representatividade estatística de abrangência nacional, o que pensa o brasileiro sobre o setor”, justifica Rovai.

Para ele, o que existe disponível hoje são apenas generalizações ou levantamentos desatualizados, em que se toma a parte pelo todo, baseadas em manifestações pontuais ou de grupos. “Não há uma pesquisa abrangente sobre o tema, que faça parte de um projeto estruturado, com estratégia para que seja uma ferramenta para o próprio setor e para o público em geral”, avalia o coordenador.

AGRO DO BRASIL A NOSSA MARCA IMAGEM IMPRENSA 1

Aspectos da execução da pesquisa

A execução do estudo seguirá passos importantes, conforme explica Claudio Vasques, que conduzirá a pesquisa quantitativa do Movimento Todos a Uma Só Voz e um dos sócios da consultoria Brazil Panels, considerado o maior painel digital do País, com mais de 2 milhões de pessoas cadastradas e ativas.

“O primeiro passo é a realização de uma pesquisa qualitativa que permitirá compreendermos a complexidade do tema, utilizando alguns roteiros para nos guiar ao questionário que será aplicado na pesquisa quantitativa”, explica Vasques.

De acordo com ele, neste primeiro momento, o grupo de mentores vai colher subsídios com o levantamento dos temas na imprensa, mídias sociais, em papers acadêmicos do exterior e do País, envolvimento direto com as 40 entidades e associações que apoiam o Movimento Todos a Uma Só Voz, além de entrevistas com jornalistas tanto que acompanham o setor como de outras editorias.

Com estes dados em mãos, o segundo passo será a realização da pesquisa quantitativa. De acordo com Vasques, o questionário será aplicado em uma amostra nacional, estimada em 3 mil entrevistas, que representará todos os estratos e perfis da sociedade brasileira.

Para a professora da Fundação Dom Cabral (FDC), que participa do grupo de mentores e condutores da pesquisa e uma das mais respeitadas autoridades nacional e internacional em reputação, Ana Luisa Almeida, a expectativa com o trabalho é validar a mais próxima percepção que o brasileiro tem sobre o agronegócio. “A intenção é trazer à tona a visão desta percepção para contribuir para o posicionamento dos diversos setores que compõem o Agro”, avalia Ana Luisa.

Para a jornalista Mariele Previdi, diretora da Attuale Comunicação e mentora do Movimento Todos a Uma Só Voz, a iniciativa da pesquisa é de grande importância para oferecer informações inéditas e confiáveis aos profissionais de imprensa e também para nortear os próximos passos de um trabalho estruturado e focado na construção da marca “Agro do Brasil”.

“Tudo está sendo cuidadosamente construído de forma colaborativa com pessoas de referência para que possa ser um marco nas estratégias de comunicação do setor. Será uma importante contribuição do Movimento Todos a Uma Só Voz para o Brasil”, ressalta Mariele.

Grupo de trabalho da pesquisa

Compõem o grupo de mentores e condutores do projeto: Ana Luisa Almeida, Presidente da ALL+ Consultoria em Excelência Corporativa, PhD em Reputação e Professora da FDC; Ana Vaz, Embaixadora do Capitalismo Consciente; Áurea Puga, PhD, Professora da FDC; Claudia Leite, Sócia-diretora da Hilo; Claudio Vasques, Diretor da Brazil Panels; Eduardo Eugênio Spers, Professor Titular USP/Esalq; Isabel Araujo, Coordenadora do Movimento Todos A Uma Só Voz; Luciana Florêncio, PhD em Economia de Empresas, Professora de Pós Graduação da ESPM; Mariele Previdi, Diretora da Attuale Comunicação; Paulo Rovai, Diretor da Paulo Rovai Marketing e Negócios; Ricardo Nicodemos, Diretor da RV Mondel e idealizador do Movimento Todos A Uma Só Voz.

Movimento Todos a Uma Só Voz

Lançado oficialmente em fevereiro de 2021, conta com a ajuda de diversas associações, empresas e profissionais que trabalham unidos em prol de gerar e disseminar conhecimentos de boa qualidade e estimular a empatia da população urbana pelo campo e pelos produtores e produtoras.

O Movimento tem o apoio institucional da ESALQ-USP, ABAG, ABAGRP, ABCC, ABIA, ABIARROZ, ABIEC, ABISOLO, ABITRIGO, ABMRA, ABPA, ABRAFRUTAS, ABRALEITE, ABRASEL, AGRITECH UFLA, AGROLIGADAS, AGRORESET, AIPC, AMA BRASIL, ANDA, ANDAV, APROSOJA-RO, ASBRAM, CAPITALISMO CONSCIENTE, CECAFÉ, CICARNE, CLIMATEMPO, CONGRESSO DAS MULHERES, DE OLHO NO MATERIAL ESCOLAR, FENEP, GRUPO MULHERES DO BRASIL (COMITÊ AGRONEGÓCIO), IBÁ, IBRAHORT, LIGA DO AGRO, PECEGE, SAE BRASIL, SINDAN, SINDIRAÇÕES, SISTEMA OCB, SNA, YAMI.

Conta com o apoio comercial das empresas Agroline, Attuale, Coelho&Morello, Companhia de Estágios, Lamarca, RCom, RV Mondel, TrahLahLah. E tem o patrocínio da CROPLIFE.
Para saber mais sobre o movimento, acesse: http://www.todosaumasovoz.com.br

AGRO DO BRASIL A NOSSA MARCA IMAGEM IMPRENSA 2

Fonte: Todos a Uma Só Voz/Attuale Comunicação

Crédito: Movimento Todos a Uma Só Voz

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas
Querendo ou não, a tecnologia chegou para ficar e é claro que ela está muito além do sinal de internet, na comunicação. Ela vai até novas técnicas e formatos de manejo dos animais
Desarranjo nas cadeias globais e a retomada da demanda em grandes portos exportadores do mundo ajudam a explicar a situação que afeta a distribuição de café, carnes, grãos e insumos.