Search
Close this search box.

Pesquisa busca indicar melhor ‘cardápio forrageiro’ para ovinos e bovinos no semiárido

22 de janeiro de 2024

Projeto avalia variedades de palma forrageira, capim e cereais para silagem
Compartilhe no WhatsApp
Pesquisa busca indicar melhor 'cardápio forrageiro' para ovinos e bovinos no semiárido
Sorgo forrageiro é uma das variedades anuais avaliadas na pesquisa — Foto: Flávio Dessaune Tardin / Embrapa

Uma pesquisa feita no Nordeste e no norte de Minas Gerais visa apontar as melhores opções de forrageiras para ovinocultura e bovinocultura de corte e de leite na região do semiárido. O trabalho, parceria do Instituto CNA com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), passou pela primeira etapa de campo. A fase seguinte é de testes em sistemas produtivos, com a expectativa dos primeiros resultados entre o segundo semestre deste ano e início de 2025.

“O intuito é fazer com que o produtor entenda que, em regiões de escassez hídrica, precisa organizar o sistema produtivo e um cardápio de forrageiras para não ficar na necessidade de comprar milho”, explica Marina Zimmermann, assessora técnica do Instituto CNA. 

O projeto, chamado de “Forrageiras para o Semiárido – Pecuária Sustentável”, começou em 2017, com a escolha de mais de 30 variedades que poderiam ser aplicadas na pecuária adaptando-se ao semiárido. O objetivo é avaliar o desempenho dessas plantas nas condições de solo e clima e sua resiliência às condições de pastejo por ovinos e bovinos de corte e leite.  

A pesquisa inclui gramíneas para pastagem (forragem perene), como os capins piatã, paiaguás e massai; culturas anuais, como milho, milheto e sorgo; além de palma forrageira. Na primeira fase, foram plantadas em 12 Unidades de Referência Tecnológica (URT), dez em Estados do Nordeste e duas no norte de Minas Gerais.

Esta etapa inicial terminou em 2020. Marina explica que, a partir dos resultados, foram selecionadas as variedades com melhor desempenho e sugeridas opções de combinação de palma, capim e grão de silagem para sistemas intensivo, semi-intensivo e mais extensivo nas diversas regiões de pesquisa. A intenção é obter o melhor “cardápio forrageiro” para o rebanho em cada região.

“São plantas com maior adaptabilidade e conteúdo proteico e energético maior, porque aguentaram mais a condição de estresse hídrico”, diz ela. “Se o pasto não estiver suportando, o produtor entra com outros tipos de forragem”, acrescenta.

image 17
Palma forrageira é uma das plantas analisadas pela Embrapa — Foto: Fernanda Muniz Bez Birolo / Embrapa

A segunda fase da pesquisa vem sendo executada desde o final de 2021. As variedades com melhores desempenhos na etapa anterior serão implantadas também em 12 URT’s nos Estados do Nordeste e no norte de Minas Gerais. Nesta etapa, os animais irão para o campo e seu ganho de peso, avaliado.

“Organizamos as unidades, plantamos o capim, o sorgo ou milheto e a palma forrageira. Os animais vão pastejar, fazer testes de ganho de peso, e, conforme o crescimento, vamos coletando as informações”, explica a assessora técnica do Instituto CNA.

Marina explica que quatro dessas áreas de pesquisa serão dedicadas à bovinocultura de corte, com a utilização apenas de forragem perene. Nas demais, dedicadas à bovinocultura de leite e à ovinocultura de corte, será testado o sistema com palma, capim e grãos para silagem.

“Tendo um sistema produtivo de silagem composto por milheto e sorgo, como são cultivos anuais, o produtor pode plantar, colher e estocar em sistemas de silo de superfície ou trincheira. Quando precisa, vai ter”, avalia Marina.

A parceria da Embrapa e do Instituto CNA colocou à disposição dos produtores a ferramenta Orçamento Forrageiro, que permita estimar os custos em propriedades do semiárido. O sistema alia uma base de dados de forrageiras com informações incluídas pelo usuário a respeito de seu rebanho bovino, caprino ou ovino. E faz um balanço entre a oferta e a necessidade da fazenda.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Cooperação técnica entre o Governo do Maranhão e a Conafer vai garantir o melhoramento genético e aumento da produção dos rebanhos do estado
Mapa planeja apresentar um estudo à Organização Mundial de Saúde Animal para reconhecimento internacional dos estados envolvidos como zona livre de febre aftosa sem vacinação
Além das ensacadoras, o governo também entregou um silo à Prefeitura de Nova Venécia.
A produção brasileira de sêmen bovino (raças de corte e de leite) em 2023 foi de 19,431 milhões de doses, recuo de 22% ante os 24,757 milhões de doses do ano de 2022.