Search
Close this search box.

Pescado entra na cesta básica e beneficia Minas Gerais

17 de março de 2024

Estado tem papel de destaque na piscicultura do País; setor vai ser impulsionado pela maior demanda
Compartilhe no WhatsApp
Pescado entra na cesta básica e beneficia Minas Gerais
Levantamento da Peixe BR mostra que a produção de peixes de cultivo no Estado chegou a 61,6 mil toneladas, em 2023 | Crédito: Divulgação/Emater-MG

O governo federal publicou a portaria nº 966/2024 com a inclusão do pescado na cesta básica brasileira. A publicação foi no último dia 7. A Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR) foi atuante no pleito para essa decisão que inclui os peixes no item “proteínas animais”.

Representada pelo presidente Francisco Medeiros, a Peixe BR esteve em Brasília para conversar com as autoridades e reforçar a importância da ação para o desenvolvimento da piscicultura brasileira. “A inclusão do pescado na cesta básica é uma medida decisiva para o desenvolvimento da atividade no país, porque nos coloca no mesmo patamar das demais proteínas de origem animal, conferindo isonomia tributária e proporcionando maior competitividade aos peixes de cultivo”, pontua Francisco Medeiros.

Minas Gerais tem papel de destaque na piscicultura do País. Por mais um ano, a piscicultura mineira teve crescimento robusto e acima da média nacional, que foi de 3,1%. Conforme o levantamento da Peixe BR, em 2023, a produção de peixes de cultivo no Estado chegou a 61,6 mil toneladas, registrando, assim, um incremento de 12,6% frente a 2022. A organização dos produtores e o mercado consumidor forte no Estado favoreceram os resultados.

Por: Diário do Comércio

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O decreto deve ser publicado nesta sexta-feira (19/04) no Diário Oficial do Estado e passa a vigorar a partir de 2025
O número total de cabeças passou de 20,5 milhões para 25,4 milhões. Tem se destacado no Estado a criação de bubalinos, com alta de 43,27% no período.
A tecnologia já é empregada no exterior em peixes como salmão e truta, e o maior desafio era adaptá-la para o tambaqui
Nelore e anelorados representam 80% do rebanho bovino nacional. Entidade desenvolve ações de fomento e valorização da raça