Search
Close this search box.

Pecuária regenerativa pode contribuir para menor emissão

6 de novembro de 2023

Relatório a respeito da prática de Pecuária Regenerativa na América Latina e Caribe mostra como diminuir as emissões de gases liberados pela pecuária
Compartilhe no WhatsApp
Pecuária regenerativa pode contribuir para menor emissão

Como fazer da criação de bovinos um componente da regeneração da biodiversidade e como ampliar a oferta de alimentos indispensáveis à saúde humana.  Eis a íntegra do relatório

Ricardo Abramovay, professor titular da Cátedra Josué de Castro da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo) dedicada à produção de conhecimento sobre sistemas alimentares e um dos autores do relatório, comenta a respeito da prática de pecuária regenerativa.

PECUÁRIA REGENERATIVA

Segundo Abramovay, alguns elementos contra intuitivos –revelados pelo estudo realizado– vêm à tona quando o assunto é pecuária regenerativa. Considera-se, por exemplo, a pecuária bovina energeticamente ineficiente, porque é preciso ingerir uma quantidade muito grande de calorias vegetais para produzir uma caloria animal. “Mas os bovinos são capazes de digerir alimentos vegetais que nós, animais monogástricos, não somos capazes de digerir”, aponta.

Dessa forma, a pecuária praticada no Uruguai, na Argentina, nos pampas, e em regiões de pastagens naturais usa componentes de baixo custo de oportunidade da alimentação natural; ou seja, se esses alimentos não fossem oferecidos para os bovinos, não haveria quase nenhuma outra utilidade. “É diferente do milho e da soja, que são alimentos que podem ser consumidos por seres humanos, então tem um alto custo de oportunidade”, explica o professor. Além disso, a pecuária desempenha funções ecossistêmicas muito importantes.

PECUÁRIA NA AMAZÔNIA

De acordo com Abramovay, na Amazônia, há 26 milhões de cabeças de gado, o que corresponde a 40% do rebanho bovino brasileiro. Esse território abarca não só o território do Brasil, mas também a Amazônia colombiana. Se fosse possível escolher, hoje em dia, o professor diz que não seria adequado estabelecer práticas pecuaristas na Amazônia. Portanto, a solução é reduzir drasticamente a superfície de pastagem do território e introduzir leguminosas e plantas arbóreas nessa paisagem, de maneira a enriquecer a biodiversidade e contribuir para a captação de gases de efeito estufa.

Atualmente, há uma imensa desvantagem, que é a associação entre pecuária bovina e desmatamento. Porém, o professor acredita que é possível transformar esse cenário em um trunfo, caso a pecuária seja bem manejada; 70% da pecuária dos Estados Unidos é estabulada e os animais consomem grãos que poderiam ser consumidos por seres humanos. Já no Brasil, só 16% da prática é estabulada. “Se isso for bem manejado, é uma oportunidade extraordinária para reduzir as emissões e aumentar a oferta de produtos de qualidade”. A pecuária a pasto estimula e favorece o bem-estar animal nas pastagens, justamente porque não estão estabulados.

VISÃO NEGATIVA

Muitas pessoas ainda enxergam a pecuária como uma prática altamente nociva e um dos motivos é a associação entre pecuária e desmatamento. O professor comenta que não é possível dissociar as emissões de metano da produção pecuária, já que o gás poluente é produzido organicamente pelos bois. Entretanto, a pecuária e o desmatamento não podem ser entendidos como práticas semelhantes. 

Outro motivo que justifica a visão negativa que algumas pessoas têm dessa prática tem relação com as políticas de crédito rural do Brasil, que favorecem a aquisição de animais. De acordo com Abramovay, o país deveria oferecer políticas de crédito que favoreçam o manejo da alimentação desses animais com base em pastagem, e que seja uma prática que preste serviços ecossistêmicos.

Além disso, o professor fala em outro motivo: o consumo exacerbado de carne ao redor do mundo. O Brasil, por exemplo, é o 3º maior consumidor de carne bovina do mundo. “Isso não é bom para a saúde humana. Nós temos que consumir proteínas numa proporção adequada às nossas necessidades metabólicas”, comenta. É possível compatibilizar as necessidades metabólicas dos humanos à oferta de serviços baseados na preservação de serviços ecossistêmicos. Entretanto, se a ideia for aumentar a produção à medida que o consumo aumenta, então nenhum método de criação será sustentável.

EMISSÃO DE GASES

Abramovay comenta que 86% dos estudos de ciclo de vida da produção de carne bovina em que o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change –sigla em inglês para “Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas”) se baseia para medir as emissões que vêm da Europa e dos Estados Unidos, locais em que o gado é predominantemente estabulado. 

“O que não se leva em consideração, no caso das pastagens, é que as pastagens, ao crescerem, absorvem gás de efeito estufa, e pastagens mais bem manejadas com introdução de leguminosas têm a propriedade de reduzir o uso de produtos químicos e de agrotóxicos, além do crescimento das árvores das pastagens”. No momento em que a medição da emissão de gases poluentes nas criações a pasto é medido, o resultado é diferente da medição registrada nos outros tipos de pecuária.

Por : Poder 360 com informações do Jornal da USP

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Confinamento alcança 7,379 milhões de cabeças e destaca a importância da tecnologia e gestão para aumentar a produtividade no setor
Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Produção de frangos e ovos é destaque no Distrito Federal. A grande demanda da região por produtos de origem animal resulta nos quase 6 mil produtores cadastrados na Emater-DF
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%