Search
Close this search box.

Pecuária leiteira: hora de preparar-se para o inverno é agora

6 de fevereiro de 2024

Período de baixas temperaturas reduzem a produção de pastagens, o que pode impactar na produção
Compartilhe no WhatsApp
Pecuária leiteira: hora de preparar-se para o inverno
Armazenamento de forragem para o gado em forma de silagem é a principal alternativa usada. (Foto: Divulgação/Famasul)

É no verão que o produtor rural precisa ficar atento e se antecipar para o frio. A chegada do inverno já tem data e hora para acontecer. Em 2024, a estação mais fria do ano começa em 21 de junho, às 17:51h, segundo o Instituto de Meteorologia. O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) também indica que a estação será marcada por frentes frias mais acentuadas por influência do fenômeno climático La Niña, isso acontece quando ocorre o resfriamento das águas do oceano Pacífico Equatorial.

“A pecuária leiteira utiliza, majoritariamente, o sistema de produção extensivo, em que os animais são criados a pasto. Desse modo, a principal fonte de volumoso na alimentação dos animais é proveniente da pastagem. No inverno, as chuvas são mais escassas, há diminuição no fotoperíodo e queda da temperatura média, ocasionando diminuição na produção das pastagens, afetando diretamente a produção de leite”, explica Melina Barcelos, analista da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), em nota técnica distribuída à imprensa.

Além disso, o inverno em MS é marcado por uma redução na quantidade de chuva e de luz solar, fatores que impactam diretamente nas cadeias produtivas do estado. Em Mato Grosso do Sul, a bovinocultura de leite é o setor mais atingido nessa época do ano.

Silagem

Os meses que antecedem o inverno são essenciais para evitar os prejuízos no campo. Melina explica que a principal alternativa para os produtores de leite conseguirem minimizar as perdas é a conservação de forragem para os animais. Isso pode ser por meio da produção de silagem, um dos métodos para o armazenamento de forragem para o gado. O processo pode ser feito com milho, capiaçu, sorgo, milheto, cana, entre outros, garantindo assim oferta de alimentos para os animais.

“O planejamento forrageiro deve levar em consideração o número de animais que terá na propriedade, a qualidade do volumoso que será produzida, o tempo que os animais precisarão ser alimentados com o volumoso, assim, permitirá que não falte alimento na época da estiagem. Isso garante que o produtor consiga manter sua produção de leite, permanecendo na atividade”.

Por: Campo Grande News

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O aumento do uso de coprodutos representa uma solução sustentável para a destinação de resíduos
Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações