Search
Close this search box.

Os impactos do El Niño no agronegócio na região Sul do Brasil

2 de setembro de 2023

A Região Sul do Brasil, o setor crucial do agronegócio se apresenta como uma das esferas mais vulneráveis aos efeitos do El Niño
Compartilhe no WhatsApp
Os impactos do El Niño no agronegócio na região Sul do Brasil

O fenômeno climático amplamente estudado e de crescente preocupação global, o El Niño, tem se destacado por suas influências marcantes nos padrões climáticos. Na Região Sul do Brasil, o setor crucial do agronegócio se apresenta como uma das esferas mais vulneráveis aos efeitos do El Niño, enfrentando uma série de desafios que impactam diretamente a produção agrícola, a economia regional e nacional.

O ano de 2023 carrega consigo uma dimensão especial, pois marca a transição do período de três anos consecutivos de La Niña para a chegada do El Niño. Os impactos na Região Sul, notadamente no Rio Grande do Sul, durante o período de La Niña foram notáveis, com perdas substanciais de produtividade ao longo desse ciclo.

Os impactos do El Niño no agronegócio na região Sul do Brasil

  1. Precipitação irregular: Durante um evento de El Niño, a Região Sul experimenta uma notável irregularidade nas chuvas. O excesso de chuvas em determinados períodos pode acarretar em problemas de manejo de solo, erosão e eventualmente causar perda de produtividade, como foi evidenciado na safra de soja durante o El Niño de 2015/2016.
  2. Aumento das temperaturas: O El Niño está intrinsecamente ligado ao aumento das temperaturas médias na Região Sul. Esse fenômeno desencadeia estresse térmico nas plantas e animais, reduzindo tanto a qualidade quanto a quantidade dos produtos agrícolas. Adicionalmente, o aumento do calor pode impactar negativamente a saúde e o desempenho do gado.
  3. Riscos de pragas e doenças: As condições climáticas favoráveis durante eventos de El Niño podem propiciar um aumento na população de pragas e doenças agrícolas. Isso requer medidas adicionais de controle, que podem resultar em custos adicionais para os agricultores.
  4. Impacto na economia: O agronegócio exerce um papel primordial na economia da Região Sul e do Brasil como um todo. As perdas de safras e a redução na produção agrícola devido ao El Niño têm impactos significativos no PIB regional e nacional. Os preços dos alimentos também tendem a aumentar devido à diminuição da oferta.

O “Super” El Niño da próxima safra

O El Niño atual está ganhando força, e caso alcance uma anomalia de temperatura no oceano equatorial acima de 2,5ºC, será classificado como “super” El Niño, replicando o fenômeno observado durante a safra 2015/2016. As projeções indicam um aumento no volume de chuvas a partir de outubro em toda a Região Sul, o que pode acarretar em desafios adicionais de manejo de solo, pragas, doenças e impactar diretamente a qualidade das culturas de verão.

Os impactos do El Niño em todo o Brasil

Medidas de mitigação e adaptação

Para enfrentar os desafios impostos pelo El Niño no agronegócio da Região Sul do Brasil, é imperativo a implementação de medidas de mitigação e adaptação. Isso engloba o desenvolvimento de sistemas de irrigação mais eficientes, a escolha criteriosa de culturas adaptadas ao estresse hídrico e térmico, e a promoção de práticas agrícolas sustentáveis que fortaleçam a resiliência do setor.

Conclusão

A Climatempo disponibiliza uma ampla gama de produtos de previsão, com o objetivo de aprimorar o planejamento, transformando potenciais riscos em oportunidades. Destacando-se entre esses recursos, as palestras voltadas para o agronegócio têm demonstrado trazer benefícios substanciais, ao facilitar uma comunicação mais eficaz entre os produtores e os especialistas em climatologia. Isso não apenas capacita o setor para tomar decisões mais informadas, mas também promove a resiliência e a adaptação necessárias para enfrentar os desafios do clima em um ambiente agrícola em constante transformação.

O El Niño, de fato, exerce influência substancial no agronegócio da Região Sul do Brasil, impactando de maneira expressiva a produção agrícola, a economia e a segurança alimentar. A mitigação desses impactos requer ações coordenadas entre agricultores, autoridades e a indústria, incluindo o fomento de práticas agrícolas sustentáveis e o investimento em tecnologias avançadas. A busca contínua pela resiliência do agronegócio frente às flutuações climáticas associadas ao El Niño é essencial para garantir a estabilidade e a prosperidade desse setor vital.

Por Clima Tempo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior