Search
Close this search box.

Os impactos do El Niño no agronegócio na região Sudeste do BR

9 de setembro de 2023

El Niño está ganhando força e apresenta um novo conjunto de desafios para o agronegócio da região Sudeste.
Compartilhe no WhatsApp
Os impactos do El Niño no agronegócio na região Sudeste do BR

Nos últimos três anos, o Agro da Região enfrentou o desafio dos eventos de La Niña, que trouxeram suas próprias peculiaridades para a agricultura. Apesar da irregularidade das chuvas, os resultados foram, em geral, positivos. No entanto, a situação atual nos deixa em alerta, pois o El Niño vem ganhando força.

La Niña: Um Período de Desafios e Superações

Durante os últimos três anos, o planeta passou por um ciclo de La Niña. Embora caracterizado por chuvas irregulares e padrões climáticos variáveis, o setor agrícola demonstrou resiliência, enfrentando com sucesso os desafios apresentados. O manejo adequado da irrigação e o melhor planejamento das culturas foram cruciais para manter a produção em níveis aceitáveis.

A Ascensão do El Niño

No entanto, atualmente, o El Niño está ganhando força e apresenta um novo conjunto de desafios para o agronegócio da Região Sudeste. As anomalias de temperatura no oceano equatorial já estão 1,5 graus Celsius acima da média, e se atingirem 2,5 graus, o fenômeno pode ser categorizado como “super El Niño”. Essa situação é preocupante, e os impactos são multifacetados.

Riscos de Chuvas Intensas e Temporais

Uma característica marcante do El Niño é a ocorrência de chuvas volumosas, o que pode resultar em inundações e deslizamentos de terra. No entanto, este ano traz um diferencial preocupante: as águas quentes do Oceano Atlântico Sul também contribuem para o aumento da umidade atmosférica, potencializando a ocorrência de temporais na Região Sudeste. Isso representa um grande risco para a infraestrutura, o transporte e a segurança das comunidades locais.

Além das chuvas intensas, o El Niño também traz temperaturas médias mais elevadas. A previsão é de um verão mais quente, com calor acima do normal. Essas condições climáticas adversas podem impactar negativamente várias culturas-chave na Região Sudeste, incluindo cana-de-açúcar, laranja, café e hortifrúti. A produtividade pode ser afetada, levando a preocupações sobre a oferta e os preços dos produtos.

Impactos nas Principais Culturas

  • Cana-de-Açúcar: O setor sucroalcooleiro pode sofrer com a redução da produtividade devido ao estresse térmico nas plantações, afetando a produção de açúcar e etanol.
  • Laranja: A citricultura, importante para a economia da região, pode enfrentar desafios na qualidade e no tamanho dos frutos devido às altas temperaturas.
  • Café: As lavouras de café são sensíveis às mudanças climáticas, e o El Niño pode prejudicar a formação dos grãos e, consequentemente, a produção.
  • Hortifrúti: Produtos como tomate, alface e morango podem sofrer com a redução da qualidade e do rendimento devido ao calor excessivo.

Em resumo, o cenário atual na Região Sudeste do Brasil, com a ascensão do El Niño, exige uma atenção redobrada por parte dos produtores, governos e comunidades locais. A adoção de práticas agrícolas sustentáveis, investimentos em infraestrutura para lidar com chuvas intensas e estratégias de manejo adaptadas ao clima são cruciais para minimizar os impactos negativos. Além disso, a colaboração entre setores e o monitoramento contínuo das condições climáticas são essenciais para garantir a segurança alimentar e a estabilidade econômica na Região Sudeste. Em um contexto de mudanças climáticas, a preparação e a resiliência são fundamentais para o sucesso do agronegócio regional e nacional.

Por Terra

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 


Relacionadas

Veja também

O fenômeno climático La Niña, conhecido por resfriar as águas do Oceano Pacífico, está agora começando a influenciar o clima, trazendo consigo uma nova série de desafios.
O calor, caracterizado por temperaturas máximas acima da média para esta época do ano, foi temporariamente amenizado por uma frente fria
Um ciclone extratropical se formará na costa da Argentina na madrugada de quarta-feira (8) e trará mais chuva para o país
Chuva segue como empecilho em parte da região Norte, enquanto na Bahia, lavouras de milho safrinha sofrem com deficiência hídrica