Search
Close this search box.

O que esperar do El Niño 2023?

27 de setembro de 2023

Como os fenômenos climáticos opostos El Niño e La Niña podem influenciar a agricultura e a produção mundial de alimentos
Compartilhe no WhatsApp
O que esperar do El Niño 2023?

A agricultura é uma das atividades econômicas mais impactadas pelas condições climáticas, e eventos meteorológicos extremos têm implicações significativas na economia global e na segurança alimentar em todo o mundo. Nesse contexto, o informe técnico intitulado “Perspectivas para o El Niño 2023”, uma colaboração entre a Casa do Produtor Rural e o professor Felipe Gustavo Pilau do Departamento de Engenharia de Biossistemas da Esalq/USP, destaca a importância de compreender a variabilidade das condições climáticas e seu impacto nas regiões do Brasil.

“Para o produtor rural, em especial, as questões meteorológicas são de suma importância. A perspectiva climática irá ajudá-lo no planejamento da sua próxima safra. O agricultor da região sul, ao saber da tendência de chuvas, pode ficar mais seguro, já que teve frustrações nas últimas duas safras. Em contrapartida, é também um alerta aos produtores da região central do Nordeste, que devem enfrentar um pouco mais de estiagem e chuvas abaixo da média”, conforme destacado pelo professor Pilau.

A principal diferença entre o El Niño e a La Niña está na mudança de temperatura nas águas do oceano Pacífico. O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (NOAA) define um evento El Niño quando a temperatura média da superfície do mar no oceano Pacífico equatorial aumenta 0,5°C ou mais por três meses consecutivos. Por outro lado, o La Niña é caracterizado por uma diminuição na temperatura das águas oceânicas, resultando em efeitos climáticos opostos.

As previsões globais apontam para uma probabilidade de mais de 90% de o El Niño persistir em intensidade moderada até o final deste ano.

O informe técnico da Casa do Produtor Rural tem como objetivo esclarecer as diferentes mudanças climáticas causadas pelos fenômenos El Niño e La Niña, destacando como algumas regiões podem se beneficiar e outras podem se preparar melhor para o segundo semestre deste ano. É fundamental ressaltar que essas interações naturais entre o oceano e a atmosfera podem resultar na redução da produtividade de várias culturas agrícolas, o que, por sua vez, pode afetar o abastecimento de alimentos e os preços.

Por: AGROLINK Seane Lennon

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O calor, caracterizado por temperaturas máximas acima da média para esta época do ano, foi temporariamente amenizado por uma frente fria
Um ciclone extratropical se formará na costa da Argentina na madrugada de quarta-feira (8) e trará mais chuva para o país
Chuva segue como empecilho em parte da região Norte, enquanto na Bahia, lavouras de milho safrinha sofrem com deficiência hídrica
Veja o que esperar do tempo no período entre 22 e 26 de abril em todas as regiões do país