Search
Close this search box.

Novos equipamentos da Epamig vão possibilitar análises mais completas e precisas do queijo

18 de fevereiro de 2024

Serviços serão disponibilizados aos produtores que participam dos projetos de monitoramento da qualidade dos Queijos Artesanais
Compartilhe no WhatsApp
Novos equipamentos da Epamig
Crédito: Marcelo Ribeiro/Epamig ILCT

Dois novos equipamentos adquiridos pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) vão reforçar as pesquisas em queijos e derivados do leite e contribuir para a detecção de patógenos e microrganismos.

O imunoanalisador Vidas ® 30 está instalado no Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT), em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Já o recém adquirido Vitek ® vai funcionar no Centro de Pesquisa e Treinamento em Queijos Artesanais, que fica no Campo Experimental Risoleta Neves, em São João del-Rei, no Campo das Vertentes.

Os equipamentos vão atender, prioritariamente, as pesquisas com queijos artesanais de diferentes regiões produtoras mineiras.

“O Vidas® 30 já está pronto para o funcionamento. Adquirimos kits para a análise e agendamos com a empresa fornecedora o treinamento da equipe de pesquisa”, informa o coordenador do Programa Estadual de Pesquisa em Leite e Derivados da Epamig, Junio de Paula.

“As análises iniciais vão atender ao projeto ‘Monitoramento da qualidade de queijos artesanais de Minas Gerais e capacitação de técnicos e produtores visando agregação de valor e competitividade’, financiado pela Fapemig, que propõe melhorar a qualidade dos queijos artesanais das regiões de Alagoa, Mantiqueira, Serras da Ibitipoca e Campo das Vertentes. O projeto está em andamento desde 2022 e já temos amostras coletadas para serem analisadas”, detalha.

O pesquisador destaca a importância da aquisição dos equipamentos e da disponibilidade dos serviços de análises aos produtores de queijos artesanais.

“Queremos facilitar o acesso às análises, que incluem a avaliação físico-química e microbiológica da água, do fermento e do leite, além do próprio queijo. E dar mais segurança ao produtor de que, caso haja a presença de algum agente nocivo, vamos criar estratégias para combatê-los”, afirma.

Funcionamento

Os equipamentos são fornecidos pela francesa Biomérieux e se destacam pela rapidez e precisão dos diagnósticos.

“Esperamos detectar a presença de patógenos como a Salmonella e a Listeria, dentre outras bactérias lácteas, mais rapidamente e desenvolver estratégias que ajudem o produtor na adoção de boas práticas e de medidas para o aumento da qualidade do produto final. Queremos fazer da Epamig uma referência na busca por mais qualidade na produção e assim contribuir para o sucesso dos produtores e dos queijos mineiros”, afirma Junio de Paula.

O analisador Vidas ® 30 pode ser utilizado na detecção de patógenos como SalmonellaListeriaListeria monocytogenesEscherichia coli O157enterotoxina estafilocócica e Campylobacter em amostras alimentares e ambientais.

O sistema é composto de um módulo analítico, dividido em cinco sessões com capacidade para a realização de até 30 ensaios simultâneos, um computador, no qual está instalado o software, e uma impressora. Os resultados, já considerando tempo de incubação, são conhecidos em um prazo de 24 a 48 horas.

O Vitek® é utilizado para a identificação microbiana e pode ser usado para detectar a presença de bactérias lácteas, fungos e leveduras. O tempo de resposta é reduzido em até 22 horas para a maioria das bactérias, quando comparado aos métodos bioquímicos tradicionais.

Por Diário do Comércio

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nelore e anelorados representam 80% do rebanho bovino nacional. Entidade desenvolve ações de fomento e valorização da raça
Tudo pronto para a realização do 2º Fórum Nacional do Leite, dias 16 e 17 de abril, na sede da Embrapa, em Brasília (DF); organização promete abrangência nas discussões.
O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil. Foram 3.626.378 de litros entregues a laticínios em 2023
Mapeamento realizado pela Embrapa mostra que o aproveitamento dessas terras garantiria uma expansão agrícola de 35% em área plantada de grãos no país