Search
Close this search box.

Novas cultivares de feijão-de-corda apresentam qualidade de grão superior às atuais

12 de abril de 2023

Grãos com alto valor de mercado, nutritivos, saborosos e com cozimento rápido estão entre os principais atributos das novas cultivares de feijão-de-corda, ou feijão-caupi
Compartilhe no WhatsApp
Novas cultivares de feijão-de-corda apresentam qualidade de grão superior às atuais

Grãos com alto valor de mercado, nutritivos, saborosos e com cozimento rápido estão entre os principais atributos das novas cultivares de feijão-de-corda, ou feijão-caupi (Vigna unguiculata L.) que a Embrapa recomenda para o estado do Pará. As cultivares BRS Bené (grãos marrons graúdos), BRS Guirá (grãos pretos), BRS Utinga (grãos brancos graúdos) e BRS Natalina (tipo “manteiguinha”) são plantas com elevado potencial produtivo, sanidade e bom porte e arquitetura.

Resultado de 40 anos de pesquisa em melhoramento genético de feijão-caupi, também conhecido como feijão da colônia, as cultivares BRS Bené, BRS Utinga e BRS Guirá apresentam porte ereto, semiereto e semi-prostrado, que se ajustam bem à colheita mecanizada e favorecem também a colheita manual. E a BRS Natalina, a primeira cultivar do tipo “manteiguinha” do Brasil.

“Trata-se de um importante aporte tecnológico para a agricultura em escala familiar e empresarial do Pará e de estados da Região Nordeste”, afirma o agrônomo Francisco Freire Filho, pesquisador aposentado da Embrapa Amazônia Oriental, que liderou o trabalho de melhoramento genético das cultivares.

Ele ressalta que as novas cultivares têm apelos comerciais diferentes e atendem às demandas de consumo e produção. “Os grãos têm excelente qualidade, bom tempo de panela e bons níveis de proteína, ferro e zinco. Todas elas têm níveis de produtividade bem superior aos materiais atualmente utilizados no campo e se ajustam tanto para colheita mecanizada quanto manual”, detalha Freire.

Conheça cada cultivar As cultivares lançadas pertencem a dois grupos: o caupi tradicional, subclasse cores (marrom, branco e preto); e o caupi da subclasse manteiga com grãos extrapequenos, conhecido popularmente como “feijão manteiguinha”.
A BRS Bené, com grãos graúdos de coloração marrom, tem produtividade média de 1,5 mil quilos por hectare e pode atingir até 2,5 mil kg/ha. Isso representa um aumento de quase 50% na produtividade atualmente atingida no campo.
Na última safra (2021/2022), a produtividade média de feijão no Pará foi de 800 quilos por hectare, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Com porte ereto, arquitetura ajustada à colheita mecanizada e ciclo médio-precoce de 70 a 75 dias, a BRS Bené é voltada especialmente ao cultivo na “safrinha” de grãos nos pólos produtores do Pará, como alternativa ao milho, que demanda cerca de 30 dias a mais para completar o ciclo de cultivo.
As vagens e os grãos são maiores que os tradicionais, com 24% de teor médio de proteína e tempo de cozimento de 13 minutos.O tamanho graúdo e formato dos grãos também é um dos diferenciais da BRS Utinga, de coloração branco-rugosa. A produtividade média dessa variedade é de 1,3 mil quilos por hectare, chegando até 2,3 mil kg/ha.
Os grãos têm teor médio de proteína é de 25% e o tempo de cozimento é de 11 minutos. A arquitetura da planta, de porte semiereto, também é ajustada à colheita mecanizada e facilita colheita manual.A BRS Guirá, de grãos pretos, completa o grupo das cultivares tradicionais. É a primeira feijão-caupi de cor preta recomendada para o estado do Pará.
Os grãos apresentam teor de proteína de 29%, o que confere boa qualidade nutricional ao produto. A produtividade média é de 1,4 mil kg/ha, e pode chegar a 2,3 mil kg/ha. Outro diferencial da BRS Guirá é a resistência a quatro tipos de vírus que ocorrem no feijão-caupi.
Pioneira no BrasilO feijão “manteiguinha” tem grão pequeno de coloração creme e é uma tradição da culinária paraense. É produzido por agricultores familiares em diferentes regiões do Pará, mas principalmente na região oeste do estado, onde é conhecido como “feijão de Santarém”.“Atualmente, os materiais cultivados pelos produtores são oriundos de sementes crioulas de ciclo longo, mais de 90 dias, com alta variabilidade genética e produtiva, além de grãos desuniformes”, conta Freire.A BRS Natalina é a primeira cultivar do Brasil para o tipo “manteiguinha”.
Ela foi selecionada a partir de linhagens obtidas dentro das melhores variedades crioulas, apresenta grãos uniformes, extrapequenos, coloração creme, ciclo médio-precoce de 70 a 75 dias e potencial produtivo superior aos materiais crioulos utilizados pelos agricultores.Outro destaque da variedade é o teor médio de 26% de proteína e rápido cozimento, sendo uma excelente opção para o mercado de proteínas vegetais. Além disso, a BRS Natalina apresenta maior nível de resistência a vírus em relação às variedades crioulas, conforme o trabalho realizado pela virologista da Embrapa Alessandra de Jesus Boari.
O nome Natalina é uma homenagem à cientista Natalina Tuma da Ponte, que foi professora da antiga Faculdade de Ciências Agrárias do Pará (FCAP), atual Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), e pesquisadora do Instituto Agronômico do Norte (IAN) e Instituto de Pesquisas e Experimentação Agropecuárias do Norte (Ipean), antecessores da Embrapa Amazônia Oriental. “A doutora Natalina foi uma das pioneiras na pequisa com feijão-caupi na Região Norte e no Brasil”, lembra Freire.Arte de Gisele Aragão

Grande trabalho de seleção

O trabalho de melhoramento genético de feijão-caupi na Embrapa soma mais de quatro décadas. Para o estabelecimento do banco de recursos genéticos desse grão, que é uma coleção de sementes, os pesquisadores realizaram ao longo desse tempo um extenso trabalho de coleta de sementes nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, e realizou intercâmbio com outros países.

A coleção possui diferentes tipos de feijão-caupi com variação em cores e formatos, potencial produtivo, além de resistência a pragas e doenças. “Nesta jornada, foram realizados centenas de cruzamentos, obtidas milhares de linhagens, das quais foram selecionadas dezenas de cultivares,” conta o pesquisador da Embrapa Rui Alberto Gomes Junior.

Mais sobre as novas cultivares 

Os cientistas focaram em cultivares que apresentassem qualidade de grão, produtividade, porte e arquitetura da planta e resistência a doenças. O trabalho, como relata o pesquisador da Embrapa João Elias Rodrigues, envolveu uma equipe multidisciplinar das áreas de melhoramento genético, solos, fitossanidade e agroindústria.

Bonitos, saborosos e de rápido cozimento

A qualidade do grão foi o principal objetivo do melhoramento genético do feijão, segundo o Gomes. “Diferente de outras culturas agroindustriais, o grão seco do feijão é o produto final que vai ser embalado e ofertado ao consumidor, por isso, a qualidade visual é o primeiro ponto que deve ser considerado”, acrescenta o pesquisador.

Outros pontos importantes são o sabor e o tempo de cozimento, “porque além de bonito, o feijão tem que ser gostoso e cozinhar rápido”, completa. Aliado ao aspecto visual e sabor, os grãos das novas cultivares apresentam altos teores médios de proteína, ferro e zinco. A pesquisadora da Embrapa Ana Vânia Carvalho conduziu análises de laboratório e testes sensoriais com provadores potenciais consumidores do produto, que indicaram boa aceitação das novas cultivares.

Em relação às características físico-químicas das cultivares, foi observado um alto teor de proteína. “Mais de 20% de proteína é um bom teor para alimentos em geral. O feijão-caupi é uma excelente fonte de proteínas vegetais, além do ferro e zinco”, afirma a pesquisadora. Outro resultado apontado pela análise foi o tempo de cozimento do grão, que permaneceu o mesmo após seis meses de armazenamento, indicando boa vida de prateleira.

As avaliações sensoriais com potenciais consumidores foram realizadas para as cultivares BRS Bené (grãos marrons) e BRS Utinga (grãos brancos, foto à esquerda). Na primeira rodada, 67 provadores analisaram a aparência e cor dos grãos crus, e o aroma, sabor, textura e impressão global dos grãos cozidos. “As duas cultivares tiveram excelentes notas com índice de aceitação acima de 80%”, relata Carvalho. Surpreendeu a pesquisadora o resultado do teste de comparação entre a cultivar BRS Bené e um feijão marrom comum (Phaseolus vulgaris), comercializado nos supermercados. Os provadores não perceberam a diferença entre eles.

Opção segura para a “safrinha”

Com o avanço do melhoramento genético aliado à expansão do cultivo de grãos no Brasil, o feijão-caupi ganhou escala principalmente no estado de Mato Grosso, que é o maior produtor nacional desse grão, ao integrar a produção onde a soja é a cultura principal, na chamada “safrinha”. O caupi entra como segundo cultivo realizado em mesma área e mesmo ano agrícola. Isso porque o ciclo precoce e o porte ajustado para a colheita mecanizada tornaram o caupi uma alternativa competitiva na produção de grãos.

“As cultivares de feijão-caupi têm ciclo de 70 a 75 dias, cerca de um mês a menos que as cultivares mais precoces de milho. Elas têm um potencial muito grande para a safrinha da soja o Pará, principalmente na fase final de plantio quando a cultura do milho tem um risco mais elevado ou em condições onde o intervalo de chuvas é limitado para o milho”, explica o pesquisador Rui Gomes (à esquerda na foto acima, ao lado do agrônomo Francisco Freire Filho) .

Ele destaca ainda que o porte e arquitetura da BRS Bené e BRS Utinga são muito bem ajustados para a colheita mecanizada. “São atualmente as cultivares de melhor aptidão para essa operação. É possível utilizar o mesmo maquinário da soja, por exemplo, com baixíssima perda de grãos”, afirma o pesquisador. A cultivar BRS Guirá, continua Gomes, apesar do porte semi-prostrado, possui boa arquitetura, com elevada posição de vagens, sendo uma boa opção também para a colheita mecanizada.

Importância econômica e segurança aimentarTradição na agricultura familiar do Pará, feijão-caupi, conhecido localmente como feijão da colônia, é um alimento proteico com importante papel na segurança alimentar e nutricional das populações locais. Ele representa 86% da produção total de feijão do estado do Pará, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O grão, porém, vem perdendo espaço no campo paraense. A área plantada de feijão no estado, incluindo caupi e comum, reduziu de 80 mil hectares, na safra de 2006/2007, para 28 mil na safra 2021/2022, e a produção sofreu uma queda superior a 60% nesse período, ficando em 21 mil toneladas na safra 2021/2022.Para o empresário e produtor rural Benedito Dutra Luz de Souza, do município de Tracuateua, Nordeste Paraense, as novas cultivares podem retomar a produção de feijão-caupi no Pará. “Nós, produtores, uma vez tendo acesso a essa tecnologia, vamos voltar a plantar feijão-caupi nessa região”, afirma. Ele acredita que o caupi tem potencial para atender tanto a agricultura familiar quanto a empresarial.Dutra, como é conhecido na região produz feijão-caupi há 40 anos no Pará. Ele herdou do pai, Benedito Sebastião de Souza, a tradição desse cultivo. A BRS Bené é uma homenagem ao pai, que foi pioneiro na produção do grão no Nordeste do Pará.O agricultor Francisco Douglas Cunha, que trabalha há 30 anos com feijão-caupi no município de Augusto Corrêa, no Nordeste do Pará, acredita que os novos materiais vão fortalecer a agricultura familiar na região, pois atendem diretamente à demanda dos agricultores.“Cada material tem sua vantagem. Os grãos da variedade marrom (BRS Bené) demoram a escurecer, e essa condição era tudo o que a gente queria em um feijão de cores, porque com outros materiais a gente colhe e é obrigado a vender quase que imediatamente. Isso dificulta bastante”, exemplifica Douglas.“Em relação ao feijão manteiguinha, existe muita mistura no campo nas populações crioulas e essa nova variedade vai elevar a qualidade do nosso produto que tem um mercado certo”, afirma o agricultor.“Além da importância econômica, é uma cultura de segurança alimentar, assim como a mandioca. É preciso resgatar as políticas públicas de incentivo à produção de feijão-caupi na agricultura familiar do estado”, conclui o empresário Benedito Dutra Souza. Fotos: Ronaldo Rosa

Desafios do mercado

Das quase 10 mil toneladas que a empresa paraense Gama Lopes vende anualmente de feijão, apenas 1,2 mil toneladas são de feijão-caupi, entre o tradicional e do tipo “manteiguinha”. Apesar de ocupar pouco mais de 10% das vendas, o caupi tem potencial para crescer, segundo Fabrício Campos de Sá, sócio-diretor da empresa. “São dois os grandes desafios do mercado de feijão-caupi no estado: o primeiro é aumentar consumo, pois o paraense não tem o hábito de consumir esse grão; e o segundo é aumentar a produção”, cita o empresário.

A Gama Lopes atua no mercado paraense há mais de 30 anos com três tipos de feijão comum (phaseolos) e dois de feijão-caupi. Todo o feijão comum ensacado na empresa vem de outros estados como Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. “Do feijão que vendemos, o Pará só produz o caupi tradicional e o tipo manteiguinha”, acrescenta Campos de Sá. 

Para ele, o feijão “manteiguinha” tem um nicho de mercado importante: a alta gastronomia. “Mas é preciso profissionalizar e ampliar a produção desse grão no estado”, ressalta.

Por Embrapa

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.