Search
Close this search box.

Nova geração busca tecnologia e sustentabilidade no futuro do agro

4 de julho de 2023

Mudança comportamental trazida pela nova geração abre espaço para tendências de inovação, gestão, produção e relacionamento com consumidores
Compartilhe no WhatsApp
Nova geração busca tecnologia e sustentabilidade no futuro do agro

A inovação é muito diversa e pode ocorrer em diferentes camadas de uma cadeia produtiva. Entretanto, o agro tende a optar pelo tradicional e clássico. Contudo, o setor tem sofrido uma grande pressão do mercado externo, resultando em questionamentos sobre as transformações que devem ser levadas ao campo. Hoje, já é possível identificar uma grande mudança neste cenário, quando as novas gerações, que muitas vezes passaram a assumir o trabalho da família, começam a entrar na função prática, trazendo junto uma nova mentalidade para as execuções.

Algo que vem chamando a atenção das novas gerações de pequenos e médios produtores, sobretudo dos mais jovens, cada vez mais atentos ao protagonismo do consumidor, é o uso da biotecnologia, a digitalização do campo, a gestão dos recursos naturais e o surgimento de novos modelos de negócios voltados para o campo.

Nova geração

Abertos a novas ferramentas tecnológicas, produtos e técnicas, os jovens donos de grandes propriedades, com idade entre 25 e 35 anos, são os mais abertos a aceitar a inovação no campo, tanto para gestão da propriedade quanto para a compra de insumos e venda da produção. Essa mudança comportamental promete impactar diretamente a receita das fazendas, abrindo oportunidades para que empresas desenvolvam novos modelos de negócios. Além disso, os jovens produtores também são mais propensos a levantar debates sobre bem-estar e qualidade de vida nas zonas rurais.

Essa busca pela digitalização e a gestão técnica das fazendas por parte dos produtores já vem impactando o cenário de oportunidades no setor. De acordo com a terceira edição do mapeamento “Radar Agtech Brasil”, desenvolvido pela Embrapa, ao lado das consultorias SP Ventures e Homo Ludens, o Brasil possui cerca de 1,7 mil startups dedicadas ao agro, número que corresponde a um crescimento de 8% em comparação ao ano de 2021, quando foram contabilizadas 1.574 agtechs no país.

Novo consumidor

Junto de novos negócios e oportunidades de desenvolver as produções a partir da tecnologia, também entra em cena a questão da sustentabilidade no campo. Segundo estudo realizado pela empresa Cargill, em mais de 11 países e com mais de 6 mil pessoas, o brasileiro é o que mais se preocupa com a compra de produtos sustentáveis. O novo perfil de produtores também está atento às tendências de alimentação e mudanças no comportamento dos consumidores, que os levam a apresentar a história por trás de seus produtos, suas origens sustentáveis, questionando também os impactos ambientais e sociais do próprio negócio.

Em 2021, startups que passaram a adotar uma produção clara para o consumidor tiveram um aumento de 170% no faturamento durante o ano e repassaram uma redução de 20% no valor final de venda. A tendência também acarreta em mais investimentos em áreas como biotecnologia e genética, com foco em gerar uma melhora na durabilidade e entrega até o consumidor.

Entendendo as necessidades específicas de seu público, startups que passaram a seguir as futuras tendências conseguiram reduzir 90% da distância entre consumidor e empresa, chegando até a nova geração do agro brasileiro, que luta por causas sociais e ambientais.

Inovação estratégica

Quando a tecnologia entra no campo para ajudar o consumidor a melhorar a qualidade de seus produtos, é possível identificar esta ferramenta também como um prestador de serviço para o produtor, que consegue, por meio de sua rede virtual, encontrar soluções, para novas ferramentas do campo ou para novas conexões, quebrando essa barreira entre a tecnologia e o agronegócio.

Esta tendência está atrelada a colaborar com as decisões estratégicas, contribuindo com o fluxo de informações que estão disponíveis na rede. O novo comportamento do agro traz novos modelos de negócio para o mercado, com diferentes perfis de gestão e de organização que resultem em produtos práticos e saudáveis.

*Henrique Monteiro é líder de Projetos da consultoria de inovação estratégica Inventta, empresa responsável pelo estudo “O Futuro do Agro”.

Por Época Negócios

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O estudo indicou que a conectividade no agro, que antes era uma novidade, agora se tornou uma tendência emergente.
Os pesquisadores vão debater projetos e ações para o desenvolvimento sustentável da piscicultura na Amazônia com uso de tecnologia.
Empresa tem como produtos biofertilizantes e biocombustíveis produzidos a partir da sanitização de resíduos orgânicos que podem ser utilizados no campo.
Modificações na agricultura por intermédio da tecnologia e inovação tentam minimizar os impactos da produção de alimentos no meio ambiente e tornar o setor mais eficaz e sustentável. Um sensor ajuda no processo