Search
Close this search box.

Mulheres do Cacau: 120 agricultoras capacitadas para produção de chocolate e derivados

20 de dezembro de 2023

Neste ano, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) capacitou cerca de 120 mulheres produtoras de cacau para a fabricação de chocolate e outros derivados do fruto.
Compartilhe no WhatsApp
Mulheres do Cacau: 120 agricultoras capacitadas para produção de chocolate e derivados

Foram sete cursos realizados por meio do projeto Mulheres do Cacau, contemplando agricultores dos municípios de Colatina, Linhares, São Roque do Canaã, Santa Teresa, Venda Nova do Imigrante, Alto Rio Novo, Nova Venécia, São Mateus, Conceição da Barra, Boa Esperança e Barra de São Francisco.

Além de chocolate, os cursos ensinaram o preparo de geleia, extrato (mel de cacau), licor, cocadinhas, doce da cibirra (talo central onde ficam fixadas as amêndoas do fruto), bananada com nibs, amêndoas cristalizadas, cacau em pó e manteiga de cacau.

“O objetivo dessas capacitações é mostrar para os agricultores como eles podem agregar valor à cadeia produtiva do cacau, a partir do processamento do fruto, obtendo melhores resultados econômicos com a comercialização desses produtos”, explicou a extensionista do Incaper e organizadora dos cursos, Jozyellen Nunes.

Na última semana, o município de Nova Venécia recebeu o curso “Tree To Bar: o caminho do cacau ao chocolate”, realizado em parceria com o Programa Núcleo de Ideias e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Nova Venécia e Vila Pavão.

Os participantes foram orientados desde o plantio e formas de prevenir doenças na lavoura até o uso de clones com aptidão para chocolate. Também conheceram cada etapa da produção de amêndoas de qualidade (colheita, descanso, quebra, fermentação, classificação e secagem) e a infraestrutura básica para produção de chocolates.

O treinamento ainda incluiu instruções de boas práticas na fabricação, uso de embalagens adequadas, cuidados na rotulagem dos produtos e formas para melhor aproveitar os frutos na produção de derivados.

Para a agricultora familiar Andressa Maria Radinz, que aposta na diversificação agrícola de sua propriedade plantando cacau, o curso veio na hora certa.

“O curso me ajudou muito. Estava com muitas dúvidas sobre o plantio, com o manejo do cacaueiro, e pude saná-las e aprender muita coisa nova”, afirmou. A partir dos conhecimentos obtidos, ela pretende investir na produção de amêndoas de qualidade. “Me apaixonei pelo processo”, contou.

A capacitação em Nova Venécia, de forma excepcional, também foi aberta ao público masculino. Para Jarbes Resende de Castro, um dos participantes, a atividade agregou conhecimentos essenciais para aprimoramento da produção de chocolate.

“Foi um curso completo. Ao final, havíamos produzido chocolates impressionantes. Certamente, me sinto muito mais preparado para produzir chocolates de excelência”, disse.

Projeto Mulheres no Cacau

O Projeto “Mulheres do Cacau” tem como principal objetivo buscar a igualdade de gênero na produção de cacau, aproximando as agricultoras familiares das tecnologias de produção e processamento, valorizando e dando visibilidade ao trabalho desenvolvido por elas e garantindo-lhes assistência técnica de qualidade. Voltado principalmente para as regiões Norte e Noroeste do Estado, o projeto surgiu por meio do levantamento de demandas das mulheres de Linhares, feito pelo Incaper, para atender ao projeto “Elas no campo e na pesca, empreendedorismo, liderança e economia”, do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag).

Por Site Barra

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nesses últimos dias, o ritmo de comercialização diminuiu e as cotações domésticas de algodão também recuaram, na contramão dos referenciais externos
Em farelo de soja, a expectativa é de exportação de 2,225 milhões de toneladas, em comparação com 1,869 milhão de toneladas na projeção anterior
O relatório do estudo completo está em fase final de elaboração e deve ser divulgado no começo de setembro.
Orizicultores têm preferido comercializar a matéria-prima no porto de Rio Grande, onde as ofertas para exportação se mantêm mais vantajosas