Search
Close this search box.

As mudanças climáticas são um fenômeno global que afeta o meio ambiente e a vida humana

20 de outubro de 2023

Uma das áreas mais sensíveis aos efeitos das mudanças climáticas é o agronegócio, que depende das condições climáticas para produzir alimentos, fibras e energia.
Compartilhe no WhatsApp
As mudanças climáticas são um fenômeno global que afeta o meio ambiente e a vida humana

Quais são as principais influências das mudanças climáticas sobre o agronegócio no Brasil e como os produtores podem se adaptar a esse cenário?

Segundo um estudo do Banco Mundial, o aumento médio da temperatura no Brasil pode ser superior a 2°C até 2050, o que pode trazer consequências negativas para a agricultura, como a redução do potencial de irrigação, o aumento da aridez do solo, a maior incidência de pragas e doenças e a alteração dos ciclos das culturas. Além disso, eventos climáticos extremos, como secas, geadas, enchentes e tempestades, podem se tornar mais frequentes e intensos, causando perdas na produção e na qualidade dos produtos.

Algumas culturas podem ser mais afetadas do que outras, por exemplo, a soja, que é um dos principais produtos agrícolas do Brasil em valor e volume, pode ter uma perda de 12,5% da área produtiva, devido ao aumento da temperatura e à deficiência hídrica. O café, outra cultura importante para a economia brasileira, pode ter uma redução de 10% a 12% na produção por causa das mudanças climáticas. Outras culturas que podem sofrer impactos negativos são o milho, a cana-de-açúcar, o algodão e as frutas.

Algumas medidas para minimizar os efeitos das mudanças climáticas

Diante desse cenário, é preciso que os produtores rurais busquem formas de se adaptar e mitigar os seus efeitos sobre o agronegócio.

  • Ampliar a gestão no armazenamento de água nas fazendas, por meio de cisternas, barragens, poços e sistemas de irrigação eficientes;
  • Investir mais em agrossilvicultura, que é a integração de árvores com culturas agrícolas ou pastagens, proporcionando benefícios como a conservação do solo, a regulação do microclima, a diversificação da renda e a redução das emissões de gases de efeito estufa;
  • Reduzir as emissões de metano e óxido nitroso, que são gases de efeito estufa provenientes da fermentação entérica dos ruminantes e da aplicação de fertilizantes nitrogenados, respectivamente. Para isso, é possível adotar práticas como o manejo alimentar dos animais, o uso de inoculantes biológicos nas culturas leguminosas e a aplicação racional dos fertilizantes;
  • Adotar uma abordagem mais sustentável do manejo da terra, por meio de técnicas como o plantio direto, a rotação de culturas, o uso de culturas de cobertura e a manutenção dos resíduos vegetais na superfície do solo. Essas práticas melhoram a qualidade do solo, aumentam a retenção de água e carbono e diminuem a erosão e a compactação;
  • Ampliar o uso de biocombustíveis sustentáveis (biodiesel), que são fontes renováveis de energia que reduzem as emissões de gases de efeito estufa e podem ser produzidos a partir de oleaginosas como soja, girassol, mamona e palma;
  • Diminuir as perdas até o produto chegar ao consumidor final, por meio de melhorias na infraestrutura de transporte, armazenamento e conservação dos produtos agrícolas. Isso evita o desperdício de alimentos e recursos naturais.

É um desafio para o agronegócio brasileiro, mas também uma oportunidade para inovar e se tornar mais competitivo e sustentável. Com planejamento, tecnologia e cooperação, é possível enfrentar os efeitos das mudanças climáticas e garantir a segurança alimentar e o desenvolvimento do setor.

Por Agência Agrovenki

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Colmeias podem fornecer uma colheita de aproximadamente 50 kg de mel em dois meses durante a floração de soja. Fora das lavouras, colheita de mel é estimada em 19 kg por ano.
Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.